«Estou muito contente por ter entrada directa no maior torneio português, que é o meu preferido. E estou muito contente não só por mim, mas pelo país, pelo torneio: vamos ter a possibilidade de ter mais portugueses no quadro. É um sonho que se realiza para mim, desde que ia ao Jamor e sonhava entrar no quadro principal por mérito», afirmou Frederico Gil numa breve conversa com João Lagos que lançou de forma surpreendente a cerimónia.

O director do Estoril Open confessou ao tenista português a «grande alegria» que ele lhe deu por entrar directamente no quadro masculino frisando que foi «o melhor presente que podia ter nestes 20 anos». «Estamos todos orgulhosos e esperamos que entres agora nos primeiros 50 do ranking», desafiou João Lagos obtendo, porém, a habitual contenção de Gil na resposta: «O objectivo agora é chegar aos 70 primeiros e esperar que o Estoril Open me corra bem.»

Grande procura de wild cards

No caminho das esperanças portuguesas em conseguir mais do que os quartos-de-final (que Gil voltou a repetir em 2008 até ser travado pelo vencedor da edição do ano passado, Roger Federer) vão estar o nº5 mundial, Nikolay Davidenko, e mais quatro cabeças-de-cartaz entre os principais adversários: David Ferrer (12º do ranking), James Blake (14º) e Richard Gasquet (15º).

Com as entradas directas no quadro masculino a ficarem pelo 86º há ainda vários candidatos a um wild card. Rui Machado é um deles, mas João Lagos não o deu ainda como garantido. «É um candidato muito forte e há uma predilecção para beneficiar os portugueses, mas vamos aguardar até mais perto do torneio para saber quem pode vir», disse o director do Estoril Open revelando que Gaston Gaudio, Juan Ignacio Chela, Kei Nishikori, Marcos Baghdatis ou Juan Carlos Ferrero também já pediram wild cards.

No quadro feminino, o cut-off está no 77º lugar do ranking e Michelle Brito vai ter também de esperar por um convite para repetir a presença do ano passado. «É quase uma obrigação», referiu João Lagos, mas acrescentando que «não está ainda decidido» se bem que «é muito provável que venha a acontecer». Iveta Benesova e Maria Kirilenko (respectivamente finalista vencida e vencedora em 2008, mas com a checa cinco lugares acima da russa no ranking) são as duas grandes favoritas do quadro feminino.

670 mil dólares de prize-money

Com um prize-money de 450 mil dólares para o quadro masculino e 220 mil dólares para o feminino, o 20º Estoril Open também sofreu as consequências de um crise económica mundial. João Lagos reconheceu que «dificuldades sempre houve» e que «este ano ainda mais», mas garantiu que espera «mais uma grande vitória», pois, em oposição a «vários eventos que têm sido cancelados por todo o mundo», o ritmo imposto até ao começo do torneio «é galopante».

O Estoril Open 2009 começa a 2 de Maio e termina no dia 10 nos courts do Estádio Nacional, no Jamor. O director do torneio reconhece que já houve outros anos com o quadro masculino mais forte, mas revelou também que a entrada de mais algum cabeça-de-série «poderá não estar» fechada. João Lagos sublinhou, porém, que «um português no quadro é o maior feito destes 20 anos». «É a demonstração da força e do destino do Estoril Open, que estão representados no Gil», concluiu.