Kocsis, Puskás, Hidegkuti e Czibor. Quatro dos nomes maiores da história do desporto húngaro e membros dessa geração dourada magiar de 1954. A caminho do derradeiro jogo do Mundial, em Berna (Suíça), a Hungria trucida rival atrás de rival: 9-0 à Coreia do Sul, 8-3 à Alemanha Ocidental, 4-2 ao Brasil e ao campeão em título Uruguai.

O adversário da final é novamente a Alemanha Ocidental. Um «pequeno» obstáculo no caminho para pôr as mãos pela primeira vez na Taça Jules Rimet.

Na baliza da Mannschaft está Toni Turek (35 anos), que ficou de fora duas semanas antes na pesada derrota contra os húngaros, o único jogo no qual não participou.

O mau tempo deixa o campo encharcado, o que desfavorece os jogadores húngaros, tecnicamente mais evoluídos. Ainda assim, aos 8 minutos o resultado já é de 2-0 para a Hungria, com golos de Puskás e Czibor.

Só que os alemães reagem. Max Morlock reduz aos 10 minutos e Helmut Rahn empata pouco depois.

Esse jogo perpetuar-se-á na história sob a designação de «milagre de Berna». O caudal ofensivo da seleção magiar é gigante. O poste, a barra e Toni Turek mantêm a Alemanha na discussão da final.

O guarda-redes da Alemanha, que até esteve mal no lance que originou o segundo golo da Hungria, faz defesas atrás de defesas, mas há uma que ainda hoje tem lugar cativo entre as melhores do desporto-rei.

Aos 24 minutos, Hidegkuti remata de primeira com o pé direito e Turek, com reflexos fantásticos, nega o 3-2. Um milagre no meio de tantos outros até Rahn desferir o golpe final aos 84 minutos e dar à Alemanha Ocidental o primeiro momento de glória de um país ainda em convalescença após a derrota na II Grande Guerra.

Outras anatomias:

Peter Schmeichel, 26 anos depois de Gordon Banks

Bogdan Lobont: o romeno que se travestiu de Schmeichel em San Siro

A dupla-defesa impossível de Coupet em Camp Nou

San Casillas repete o milagre dois anos depois no Sánchez Pizjuán

David Seaman a puxar a cassete atrás à beira dos 40 anos

Buffon mostra aos 20 anos os primeiros poderes de super-homem

Esqueçam o líbero, este é o Neuer de entre os postes e é do melhor que há

Holandês voador que realmente sabia voar só mesmo Van der Sar

Só Petr Cech é mais rápido do que um pensamento

Dasaev: uma cortina de ferro no último Mundial romântico

Camp Nou, agosto de 2011: a prova que Valdés era tão bom como os melhores

Ubaldo «Pato» Fillol, 1978: o voo que segura a Argentina no Mundial dos papelinhos

Dida: o voo para a eternidade do primeiro grande goleiro

Chilavert: o salto do Bulldog que nega o último golo a Maradona

Szczesny: o penálti a dois tempos que cala de vez Arsène Wenger

Ter Stegen: o grito «sou o nº1» numa meia-final da Champions

A tripla de Oblak, três muros levantados à frente da baliza do Atleti

De Gianluigi para Gianluigi, o rasto de gelo de Donnarumma que faz escorregar o Nápoles

A defesa da vida de Dudek que alicerçou uma reviravolta histórica

O milagre de Montgomery em Wembley'73

Quando o eterno Preud'Homme voou para travar Batistuta na Luz

Quando Tim Howard parou o tempo em Goodison Park

Kuszczak: muralha humana em Wigan antes do salto para Old Trafford

Gordon Banks: a anatomia #24 que merecia ter sido a primeira