12 de maio de 2015. Segunda mão da meia-final da Liga dos Campeões, em Munique. Depois de 3-0 em Camp Nou, Pep Guardiola e os bávaros têm uma verdadeira montanha à frente, no Arena. No seu escritório em Säbener Strasse, o treinador espanhol desenha inúmeros planos para tentar chegar à tão desejada final – nunca a conseguirá alcançar durante a estadia na Baviera –, que têm eco num primeiro golo, logo aos 7 minutos, por intermédio de Benatia.

O Barça reage. Neymar é portador das más notícias para o conjunto da casa, com dois golos, aos 15 e 29 minutos, sentenciando praticamente a eliminatória. Os espanhóis ficam com uma vantagem de 5-1, só que os germânicos não desistem. Aos 41 minutos, Thiago conduz a bola até à grande área dos catalães, e um ressalto entrega-a de bandeja a Lewandowski. O polaco não demora muito tempo a reagir, e remata forte.

Uma exibição que confirma o estatuto de número 1 do Barcelona.

Com 23 anos, Marc-André ter Stegen ainda luta então com Claudio Bravo pela titularidade, tendo-se tornado recentemente no favorito de Luis Enrique. No entanto, os adeptos ainda têm dúvidas. A crítica ainda é feroz. O alemão alterna o muito bom com alguns erros graves, e demora a estabilizar. Em Munique, sofre três golos, mas, já antes da dupla defesa que nos traz aqui, tinha feito uma defesa de deixar cair os queixos perante um cabeceamento de Schweinsteiger.

Aos 41 minutos, Robert Lewandowski não podia ser mais rápido, embora pudesse ter sido mais cirúrgico, colocando a bola perto dos postes. Só que isso é analisar a posteriori... Ter Stegen abre os braços e tenta ocupar o maior espaço possível perante o golo iminente e consegue mesmo, com o esquerdo, tocar-lhe. Parece não ser suficiente, e esta dirige-se rapidamente para lá da linha de golo. Ter Stegen, hoje titular da Mannschaft, mas na altura suplente de Manuel Neuer, que precisamente ocupa a outra baliza, volta a não desistir. Dá passos rápidos para junto ao poste, e lança-se, tocando-lhe quase para lá da linha de golo. Um centésimo depois e já teria contado.

A imagem que mostra a dificuldade da defesa de Marc-André ter Stegen.

O Bayern vai virar o jogo, ganhará por 3-2 com golos de Lewandowski (59) e Müller (74), e muitos dirão que o voo de Stegen não evita praticamente nada, tal a vantagem final (5-3) e a que estava em vigor na altura (5-1). Talvez. No entanto, o próprio resultado final mostra que os alemães continuaram a lutar com honra e a carregar, a obrigar o Barcelona a defender-se. A exibição também consolida o estatuto de número 1 do ex-Borussia Mönchengladbach na cidade-condal.

Depois de eliminar o Paris Saint-Germain e o Bayern – que tinha afastado o FC Porto na eliminatória anterior –, o Barcelona derrotará a Juventus no Olympiastadion de Berlim. É a quinta e última Taça/Liga dos Campeões conquistada pelos culé até hoje.

A dupla-defesa de Ter Stegen é eleita a melhor da época pela UEFA.

Outras anatomias:

Peter Schmeichel, 26 anos depois de Gordon Banks

Bogdan Lobont: o romeno que se travestiu de Schmeichel em San Siro

A dupla-defesa impossível de Coupet em Camp Nou

San Casillas repete o milagre dois anos depois no Sánchez Pizjuán

David Seaman a puxar a cassete atrás à beira dos 40 anos

Buffon mostra aos 20 anos os primeiros poderes de super-homem

Esqueçam o líbero, este é o Neuer de entre os postes e é do melhor que há

Holandês voador que realmente sabia voar só mesmo Van der Sar

Só Petr Cech é mais rápido do que um pensamento

Dasaev: uma cortina de ferro no último Mundial romântico

Camp Nou, agosto de 2011: a prova que Valdés era tão bom como os melhores

Ubaldo «Pato» Fillol, 1978: o voo que segura a Argentina no Mundial dos papelinhos

Dida: o voo para a eternidade do primeiro grande goleiro

Chilavert: o salto do Bulldog que nega o último golo a Maradona

Szczesny: o penálti a dois tempos que cala de vez Arsène Wenger