O Ministério Público acusou formalmente 28 pessoas (a maioria jogadores de futebol) no âmbito da operação «Jogo Duplo».

Os arguidos (jogadores, um empresário, um dirigente, uma SAD e outras pessoas com ligações ao negócio das apostas desportivas) vão responder pela prática dos crimes de associação criminosa, corrupção ativa e passiva e apostas desportivas à cota de «base territorial fraudulentas», lê-se num comunicado disponível no site da Procuradoria-Geral Distrital de Lisboa.

O caso remonta ao período compreendido entre agosto de 2015 e 14 de maio de 2016, altura em que os arguidos faziam parte de um grupo que se dedicava à manipulação de resultados de jogos da I e II ligas. A atuação deste grupo levou ao aliciamento de jogadores para que interferisse nos resultados dos jogos nos quais participaram.

«Com tal atuação os arguidos auferiam vantagens patrimoniais, seja porque agiam a troco do pagamento de quantias monetárias, em regra não inferiores a €5.000,00, seja porque lucravam com as apostas que efetuavam (tanto em sites internacionais como no PLACARD), já que sabiam de antemão qual a equipa vencedora dos jogos objeto dessas apostas.

A SAD e os arguidos que então aí exerciam funções estão acusados de um crime de corrupção ativa em competição desportiva sem ligação a apostas desportivas», lê-se na mesma mensagem.

A Procuradoria-Geral Distrital de Lisboa comunica ainda que três dos arguidos estão detido nas respetivas residências com pulseira eletrónica, enquanto outros encontram-se suspensos de funções, proibidos de fazer contactos, estando em liberdade depois de pagarem cauções.

O Ministério Público (MP) requereu para os jogadores penas de suspensão nos jogos dos campeonatos profissionais de nacionais (+ Campeonato de Portugal) penas de seis meses, três anos e cinco anos). Para os jogadores, foram requeridas penas não inferiores a dois e cinco anos (e proibição do exercício de funções), enquanto a pena mínima pedida para dirigentes desportivos é de três anos e proibição do exercício de funções. A acusação contempla ainda penas requeridas para a SAD envolvida no caso.