Segundo conta a imprensa argentina, ninguém avisou o juiz que havia sido escolhido para apitar o jogo e à hora da partida Ariel Montero estava sossegado em sua casa, a pôr o sono em dia. «Às nove da manhã, os árbitros assistentes estavam no hotel e não havia sinal de Montero. Começámos a ficar preocupados e ligámos para casa dele. O Montero não sabia de nada, estava a dormir», contou Guillermo Morelatto, presidente do Alumni.

De acordo com os relatos do jornal Clarín, o primeiro erro desta história foi do Conselho Federal da Associação de Futebol Argentina, que nomeou para o jogo Cesar Walker, o árbitro que havia apitado a partida do Alumni de Villa Maria na semana passada. Como um juiz não pode dirigir dois jogos consecutivos da mesma equipa, a AFA decidiu convocar Ariel Montero. Só que ninguém o avisou da decisão...

Com o árbitro a 600 km de distância e os fiscais de linha presentes, o Alumni propôs a inclusão de um outro juiz, que o Racing de Córdoba rejeitou. A polícia também complicou e não se mostrou disponível para adiar a hora do encontro. Os 1000 adeptos do Racing tiveram que voltar a casa sem qualquer compensação e podem agora ver a sua equipa castigada por se ter recusado a jogar com um árbitro suplente.