Dragões

«Não tenho nada a lamentar. Isto foi uma decisão familiar, uma aventura. Decidi sair do Lyon, onde tinha contrato e tudo o que precisava, mas senti necessidade de partir, experimentar outra cultura, outro campeonato. É certo que fico triste por não jogar, mas a minha família sente-se bem aqui e eu estou quase no anonimato em Madrid, o que me dá uma melhor qualidade de vida. É extraordinário!», contou o guardião gaulês.

Mas, na iminência de não realizar mais qualquer partida até ao final da época, Coupet admite que a perspectiva não lhe agrada de todo. «É óbvio que não estou satisfeito como suplente, sinto falta de jogar, às vezes é insuportável! Não fui feito para ser suplente ou ver os jogos da bancada. Francamente, preferia mudar para um clube menos importante e ser titular, mas adoro o Atlético, onde toda a gente é muito simpática comigo. Só que cada jogo é uma tortura!», disse o guarda-redes.

Coupet, de 36 anos, tem apenas oito jogos realizados esta época mas, apesar da idade e da situação, ainda não pondera o fim da sua carreira.