«Já o conhecia há muitos anos, como adjunto de Bobby Robson no F.C. Porto, depois como adjunto do Barcelona, foram muitos anos seguidos», lembrou Vítor Baía. É precisamente nessa fase, na Catalunha, que o guardião apercebe-se que Mourinho «se preparava para ser o que é». Lembrando as conquistas azuis e brancas, Vítor Baía não tem dúvidas sobre a importância que os jogadores portistas tiveram na carreira do técnico: «Contribuímos muito para ele ser o treinador que é.»