Cécile Kyenge, a primeira governante negra do país, reuniu-se com os restantes jogadores da seleção italiana e desculpou a ausência de Balotelli. «Ele explicou por que não veio e, por isso, devemos respeitar sua transparência. Gostava de o ver, mas também gostei de conhecer a equipa. O racismo é algo que devemos combater, como uma equipa, onde todos defendem por todos», afirmou, citada pela «Gazzetta dello Sport».