Ora por isso o Barcelona-F.C. Porto de sexta-feira, a contar para a Supertaça Europeia, marca o primeiro reencontro do melhor do mundo com o clube que apadrinhou o início desta linda caminhada. «Vai ser muito especial para ele», conta Oriol Riera. «Foi com o F.C. Porto que Messi começou tudo.»

Vítor Pereira, há 20 anos a inspirar-se no Barça

A convite do Maisfutebol o avançado do Alcorcón recorda como tudo aconteceu. «Foi algo de muito especial e inesquecível para nós.» Oriol e Messi eram os mais jovens do grupo que Rijkaard levou ao Porto. «Éramos juvenis e aquela chamada foi um prémio para o que estávamos a fazer.»

«Só estar ali, ao lado de Luís Enrique, Xavi ou Rafael Marquez, já era fantástico para nós. Estávamos encantados. Depois quando começámos a aquecer acreditámos que íamos entrar.» Nessa altura ficaram... em pânico. «Estávamos tão nervosos que não dizíamos uma palavra. Ficamos mudos.»

No dia a seguir, e após o regresso a casa, Messi falou à Barça TV e reviu o jogo. Com cara de adolescente, admitiu que a estreia foi feita ao ritmo de um nervosismo evidente. «Falávamos com os olhos. Olhávamos um para o outro e sentíamos o que estávamos a dizer: joder, vamos entrar, vamos jogar.»

Foram chamados os dois ao banco na mesma altura, mas Messi entrou em campo dois minutos mais cedo. Em cerca de um quarto-de-hora, o adolescente argentino quase marcou por duas vezes. Numa delas roubou a bola a Nuno Espírito Santo, que o tentava fintar. Na outra finalizou, mas Nuno defendeu.

«O Messi jogou muito bem. Logo naquele jogo já deu nas vistas e mostrou que havia ali um rapaz com um corpo muito pequeno, muito franzino, mas que era um craque», adianta Oriol, ele que só ameaçou seguir os passos do colega no início: agora está na II Liga.

Curiosamente naquela altura os dois continuaram a jogar juntos. «Depois desse jogo a nossa vida mudou muito. Passámos os dois a treinar e a jogar com o Barcelona B. Só voltámos aos juvenis para disputar a Taça do Rei. O jogo com o F.C. Porto foi um passo que precipitou um salto importante para nós.»

Por isso o reencontro de Messi com o F.C. Porto vai ser marcante para ele. «O F.C. Porto traz-nos boas recordações. Sempre que vejo o Estádio do Dragão, lembro-me de toda a felicidade que ali vivemos», adianta Oriol. Curiosamente Messi, na entrevista à Barça TV, confessou que foi uma noite «muito feliz».

No meio de tudo o que já viveu, será que Messi vai sentir sensações especiais na sexta-feira? «De certeza. Vai sentir um friozinho na espinha ao lembrar-se de tudo o que passou no Dragão. Para ele vai ser um jogo especial». E para Oriol? «Para mim não. Mas ainda sou novo, ainda posso chegar lá cima.»

Veja como foi a estreia de Messi:

Recorde a ficha do jogo:

F.C. PORTO: Vítor Baía (Nuno, 46m); Secretário (Pedro Ribeiro, 76m), Jorge Costa (Pedro Emanuel, 46m), Ricardo Carvalho e Evaldo (Mário Silva, 51m); Tiago (Hélder Barbosa, 85m); Pedro Mendes, Maniche (Vieirinha, 80m) e Ricardo Fernandes (Hugo Almeida, 63m); Derlei (Paulo Machado, 76m) e Bruno Moraes (Jankauskas, 51m).

BARCELONA: Jorquera; Óscar Lopez, Oleguer, Rafa Marques e Fernando Navarro (Messi, 74m); Xavi, Gabri e Luís Enrique; Santamaría (Jordi Gomez, 66m), Luís Garcia e Rós (Oriol Riera, 76m).

Golos: Derlei (55m, g.p.) e Hugo Almeida (68m).