Rui Vitória falou neste sábado pela primeira vez desde a saída do comando técnico do Benfica. Em entrevista à TVI, o agora treinador do Al-Nassr assumiu que em determinado momento sentiu alguma falta de proteção na Luz e justificou essa situação com as polémicas associadas ao clube nos últimos tempos.

«Se me senti apoiado? Se uma forma genérica sim, na parte inicial sim, mas na parte final não tanto. Nesta parte final em determinados momentos houve uma maior influência vinda do exterior e eu senti-me mais sozinho», começou por dizer.

«Muitas vezes, em algumas conferências de imprensa, tinha de estar a responder e a posicionar-me sobre questões que não eram o mais importante, que era a equipa», acrescentou.

Ora questionado diretamente sobre se essas questões foram as polémicas de corrupção associadas ao Benfica, como o E-Toupeira, Vitória deixou a entender que sim: «Eventualmente isso [as polémicas do clube] fez com que em determinados momentos eu fosse a cara do Benfica, e tenho de dar respostas. Mas independentemente daquilo que se passava no Benfica, a minha preocupação sempre foi a equipa.»

«Posso afirmar que andámos desde o ano passado com menos sentido de união e isso para um treinador é importante», atirou.

O novo timoneiro do Al-Nassr fez depois uma recomendação ao clube encarnado para lidar com o próximo treinador.

«Recomendo ao Benfica que proteja melhor o futuro treinador. Sempre tive a preocupação desde o primeiro momento até ao último de passar uma mensagem de elevação de educação. Quando muitos não querem, um homem sozinho não consegue», afirmou.