[artigo atualizado]

A Procuradoria-Geral da República (PGR) confirmou esta terça-feira ao Maisfutebol que Paulo Gonçalves, antigo assessor jurídico do Benfica, foi constituído arguido no caso dos emails.

Recorde-se que o Correio da Manhã adiantou, inicialmente, que o arguido era Luís Filipe Vieira, presidente do Benfica.

Contactada pelo Maisfutebol, a PGR confirmou a existência de um arguido, mas referiu que não era nenhum elemento referido na notícia do Correio da Manhã. Os outros nomes apontados como arguidos foram Paulo Gonçalves, o comentador Pedro Guerra e o ex-árbitro Adão Mendes.

«Ao abrigo do disposto no art.º 86.º, n.º 13, alínea b) do Código de Processo Penal, e na sequência de notícia vinda a público relacionada com o designado “processos dos e-mails”, esclarece-se:

Neste momento, o referido inquérito tem um arguido constituído, não sendo nenhuma das pessoas mencionadas na notícia», referia a PGR na resposta inicial ao Maisfutebol.

Algumas horas mais tarde, porém, surgiu uma correção ao esclarecimento prestado anteriormente.

«Ao abrigo do disposto no art.º 86.º, n.º 13, alínea b) do Código de Processo Penal,  e na sequência de notícia vinda a público relacionada com o designado “processos dos e-mails”, esclarece-se:

Neste momento, o referido inquérito tem um arguido constituído, trata-se de Paulo Gonçalves.»

Artigo original escrito às 13h22