Gabriel O Pensador diz que passa por este mundo para fazer amigos. A vida para ele, no fundo, é como uma festa da música do tupiniquim, numa qualquer rua António Carlos Jobim. As amizades que fez, as relações que estabeleceu, a vontade de experimentar o lado de dentro do futebol tornaram-no empresário de jogadores.

Tudo começou num avião, numa viagem do Rio de Janeiro para Lisboa. A partir daí mediou a transferência de um jogador, dois jogadores, três jogadores. Um dos primeiros negócios que fez, aliás, foi o filho de Donizete (antigo jogador do Benfica) para o Internacional. O Benfica, curiosamente, que já lhe abriu as portas.

Gabriel O Pensador vira empresário no avião para Lisboa

«Um dia, logo no início da minha actividade, estava em Lisboa com o presidente do Cruzeiro, Zezé Perrella, que é um grande amigo meu, e através dele conheci o Luís Filipe Vieira. Muito boa gente. Ficámos amigos e convidou-me para ir ver o Benfica ao Estádio da Luz, num jogo com o Marítimo, ao lado dele.»

Depois disso a boa relação ficou. «Fui muito bem recebido e toda a gente me tratou bem», diz ao Maisfutebol. «Mas não é só com o Benfica que tenho boas relações. Também tive oportunidade de conhecer alguns dirigentes do F.C. Porto numa viagem que eles fizeram ao Rio de Janeiro e também é gente boa.»

«Eu gosto de me dar com todo o mundo. Não sou empresário de um ou dois clubes, sou um empresário do futebol e dos garotos. Aqui no Brasil toda a gente sabe que sou um flamenguista doente, mas eu não misturo as coisas. Tenho jogadores no Flamengo, mas também no Vasco da Gama, no Fluminense e no Botafogo.»

«Não estou no futebol para sujar o meu nome»

Portugal está definitivamente no mapa de Gabriel. «Quero muito firmar relações de trabalho com os clubes portugueses. Com todos eles. Na próxima tournée que fizer a Portugal vou aproveitar para visitar alguns clubes e fazer contactos. Há muitos garotos com talento à espera de uma oportunidade.»

No fundo é isso que o motiva: cumprir o sonho de crianças que nasceram com mais talento para jogar futebol do que ele. Isso, e estar por dentro do futebol. «Não sou um empresário normal. Sei que alguns clubes têm medo de empresário, mas não têm de ter medo comigo. Não estou no futebol para sujar o meu nome», diz.

«Estou no futebol para ajudar os garotos, para eles não desistirem do sonho do futebol. Garotos muito talentosos. O Brasil é muito grande e tem muito talento escondido. Você encontra talento em cada canto. Só quero mostrar esses garotos aos grandes clubes», adianta, ele que está no futebol «pelo prazer do futebol».

Veja Gabriel O Pensador a festejar o título do Flamengo: