O treinador do Benfica, Jorge Jesus, em declarações na conferência de imprensa após o jogo com o Famalicão, da 18.ª jornada da Liga 2020/21 e que terminou com uma vitória dos encarnados por 2-0.

«Era este o regresso que esperava, o regresso de vencer. Portanto, não era só não vencer e estar fora do grupo como estive, sem os ver, nem eles a mim, sem os poder treinar, tudo isso tem um sentido e uma carga muito forte e emocional do ponto de vista técnico-tático. Já tive oportunidade de falar sobre como sofremos com o covid, que nos tirou capacidade de trabalho, união, só nos encontrámos na relva. Não calhou só aos jogadores, calhou a um staff de 50 pessoas. Felizmente, hoje só temos três jogadores que não tiveram Covid. Vamos voltar a treinar todos juntos, para voltar a ter os níveis de confiança, para não termos 30 minutos muito bons e, depois, nos restantes não dar esta intensidade. Só uma semana foram 26, dez jogadores e 16 elementos do staff. Isto não é desculpa, é o que aconteceu. É um facto novo. Eu não os treino. Chegou a um momento em que nem treinador havia. O meu regresso hoje, felizmente, em termos de saúde estou bem. Se fosse para jogar, não jogava. Mas tive condições para estar a falar com a equipa. Isto não é uma constipação, sei o que sofri. O importante é recuperar os jogadores, estarmos todos na cabine, a cheirar-nos uns aos outros, a treinar as ideias da equipa.»

«Melhor segunda volta que a primeira o Benfica tem de fazer. Até quinta-feira tenho 20 jogadores para treinar. Não é como até antes, que tinha sete jogadores. Andámos duas semanas assim. E treinadores! Duas semanas em casa sem treinar ninguém. Fomos sofrendo e calando, mas tem limites o sofrimento. Agora sentimo-nos uns pássaros livres, para podermos voar, para podermos treinar.»