Bruno Lage, treinador do Benfica, em declarações à BTV após o primeiro jogo dos encarnados na pré-época, que terminou com uma derrota por 2-1 diante do Anderlecht:

[Sobre o adeus de Jonas]

«É uma decisão que surge devido àquilo que o tem afectado, sobertudo na última metade da época passada. Decidiu bem. Terminou como queríamos: dentro de campo, a chegar à marca bonita dos 300 golos e sendo campeão nacional.

Teve uma longa carreira, fez história, é um tremendo jogador e uma referência que se perde. Merece todo este carinho do público por tudo o que conquistou e o que deu ao Benfica.»

[Sobre o jogo. Melhor a segunda parte do que a primeira?]

«Não é justo fazer esse tipo de análise. O jogo foi o que foi. Jogar com 30 jogadores e a gestão que fizemos foi a melhor. Era fundamental apresentar os jogadores aos sócios.

Acredito que tivemos muitos bons momentos na primeira parte e sinto que sofremos os dois golos quando estamos por cima do jogo.

Quando recuperamos a bola na transição defensiva do primeiro golo [sofrido], perdemo-la ingenuamente e isso dá a oportunidade do golo. Depois surge outro golo num canto...

As duas equipas que jogaram na segunda parte já tiveram coisas que pretendemos. Uma transição muito forte. Tentar jogar por trás, construir a partir do guarda-redes. (...) O nosso golo é uma característica nossa. Atrair de um lado, sair do outro. Um cruzamento do Nuno Tavares e a entrada do Chiquinho.

Pelo que fizemos ao longo da partida, e perante uma equipa com mais duas semanas de trabalho do que nós, estamos muito contentes.»

[Salvio para continuar a lateral? Possível ver Raúl de Tomás e Seferovic na frente em simultâneo?

«Equacionamos tudo. Dar 25 minutos a um jogador e ter de substituí-lo para que outro jogador seja apresentado não é ser justo, mas não teremos muito tempo. Há que mostrar serviço.

Temos uma base sólida daquilo que foi a equipa que venceu o último campeonato. Perdemos dois homens da frente duas referências. Tentaremos arranjar soluções para os substituir.

Estamos muito satisfeitos e confiantes em construir uma grande equipa.»