Paulo Bento e Manuel Cajuda, treinadores de Sporting e Vitória de Guimarães, respectivamente, analisam o jogo entre as duas equipas, que terminou com triunfo leonino no Minho (1-2). As declarações dos técnicos, na zona de entrevistas rápidas da RTP:

Paulo Bento

«Assistimos a um grande jogo de futebol. Na primeira parte fomos melhores, tivemos quatro ou cinco ocasiões de golo, duas bolas nos postes e duas ou três boas intervenções do Nilson. É verdade que consentimos duas situações de golo também, mas seria justo chegar ao intervalo a ganhar. Na segunda parte sofremos um golo na primeira vez que o Vitória chegou à baliza. Tivemos momentos difíceis depois, mas continuámos a acreditar. Foi uma vitória que, na primeira parte, esteve mais alicerçada na qualidade de jogo, e na segunda parte pelo querer, o sacrifício e o espírito de equipa. Só uma equipa solidária e organizada podia dar a volta ao resulta da forma como deu, num campo difícil e num ambiente bom mas também difícil. Ainda para mais com muitas condicionantes ao longo do jogo. Devíamos ter chegado ao intervalo a ganhar. Não o fizemos porque não nos deixaram. Há demasiados golos anulados ao Sporting, esta época.»

«No critério disciplinar tínhamos vários jogadores com quatro cartões. Se o senhor do apito tem ido a Alcochete e tem entrado no posto médico tinha dado amarelo ao Rochemback e ao Grimi, para ficarem suspensos. Eles sabem quem tem quatro amarelos. O Moutinho fez uma falta e viu cartão amarelo. Andava a aguentar há muito tempo. Não vamos ter Moutinho, nem Derlei, nem o Paulo bento, mas vamos ganhar ao Estrela da amadora. Se há dia em que vamos ter um ambiente extraordinário em Alvalade, esse dia é sábado.»

[sobre as razões da expulsão] «Quando vi o cartão amarelo ao Miguel Veloso e depois ao João Alves disse que o jogo ia ficar estragado. Ele não sabe fazer outra coisa. Depois de brincarem com o esforço dos jogadores, vou continuar a falar. Se tiver de treinar sem receber, não faz mal, mas não me vão calar.»

Manuel Cajuda:

«Devo dizer que é uma tremenda agressão fazer os treinadores vir aqui logo depois do jogo, ainda para mais se tiver o tempo que o Paulo Bento teve para explicar o jogo. Foi um encontro verdadeiramente sensacional. As duas equipas tinham uma organização estrutural idêntica, houve oportunidades de golo para ambas as formações, na primeira parte. Talvez mais para o Sporting, mas mais claras para o Vitória. Não há golo mal invalidado. Há pé em riste. O Vitória não merecia ter perdido o jolo, mas continua a perder, por alguma infantilidade. Contento-me com a qualidade futebolística do Vitória, actualmente. Não me parece que o árbitro tenha sido mau. Não quero voltar a ter nenhum caso com o Paulo Bento, pois vai ser um dos grandes treinadores do futuro. Não vou justificar nada. As pessoas não vão querer saber disto, mas o Vitória não merecia ter perdido. Está de novo a jogar um futebol que o povo gosta, mas aqui não há vitórias morais. Temos de continuar a trabalhar melhor e a cometer menos erros.»