«Não posso forçar uma adaptação», sublinha. «A carga dos treinos também é mais intensa e isso dificulta, mas a alimentação é a mesma. Difícil mesmo é o fuso horário, mas espero adaptar-me logo, para poder jogar com mais assiduidade», afirmou, em entrevista reproduzida na imprensa brasileira.

Até ao momento, Bernard cumpriu apenas 18 minutos com a camisola do Shakhtar, no empate caseiro com o Metalist da 8ª jornada.

O jovem avançado falou também da possibilidade de ocupar o lugar de Hulk na seleção do Brasil. «O Felipão ainda não me disse nada sobre jogar. Caso me escolha, vou tentar mostrar o meu futebol», prometeu.

O Brasil defronta a Austrália e Portugal em jogos particulares. Bernard acredita que pode dar à equipa o mesmo que o antigo avançado do F.C. Porto. Ou pelo menos algo parecido.

«Ele é forte, tem velocidade e chuta bem, mas acho que dá para manter o estilo de jogo que a seleção tem desde a Taça das Confederações», concluiu.