O River Plate está, pela sétima vez, na final da Libertadores, deixando pelo caminho o Boca Juniors.

A jogar em casa, os xeneizes até venceram o encontro por 1-0, mas valeu aos milionários o 2-0 da primeira mão. 

Num jogo que começou com cerca de 15 minutos de atraso, devido a um amontoado de papéis espalhados pelo relvado, o Boca entrou determinado a virar a eliminatória.

Todas as notícias da Libertadores

Aos 22 minutos, de livre ex-benfiquista Salvio ainda conduziu introduzir a bola na baliza, mas a jogada foi anulada por mão anterior de Más.

Até ao intervalo, só o Boca criou perigo, mas Salvio atirou contra Pinola (32 minutos), Más cabeceou ao lado (40), Armani salvou o que seria um autogolo do também ex-benfiquista Enzo Pérez (44) e Salvio, de novo, cabeceou ao lado (45+1).

Aos 80 minutos, Lisandro López, emprestado pelo Benfica, ganhou de cabeça e, na confusão, Hurtado encostou e fez o único golo da partida.

O Boca Juniors ainda tentou forçar o prolongamento, mas Villa, a última aposta de Gustavo Alfaro, não teve ângulo para bater Armani (84 minutos), Más cabeceou ao lado (88) e Lisandro atirou para nova defesa segura do guarda-redes do River (90+4).

 

O River campeão em título, torna-se assim na primeira equipa, depois dos brasileiros do São Paulo, em 2005 e 2006, a bisar a presença na final da prova. E agora, o objetivo passa por repetir o feito do Boca Juniors, a última equipa que conseguiu revalidar o título, com os triunfos de 2000 e 2001.

O segundo finalista será conhecido esta noite, com a receção do Flamengo, de Jorge Jesus, ao Grêmio, formações que na primeira mão empataram 1-1, em Porto Alegre.

A final da edição 2019 da Taça Libertadores decide-se em apenas um jogo, em 23 de novembro, no Estádio Nacional Júlio Martínez Prádanos, em Santiago do Chile.