CAMINHOS DE PORTUGAL é uma rubrica do jornal Maisfutebol que visita passado e presente de determinado clube dos escalões não profissionais. Tantas vezes na sombra, este futebol em estado puro merecerá cada vez mais a nossa atenção. Percorra connosco estes CAMINHOS DE PORTUGAL.

FOOTBALL CLUB CARVOEIRO UNITED – II Divisão da AF Algarve

do projeto falhado lançado em 2004anunciar Paul Gaiscoigne

«se todos os anos der um pequeno passo para a frente».

Maisfutebol«70 por cento dos adeptos são ingleses».



«A ideia inicial, por assim dizer, foi de um holandês, o Yannick Nicklaus, mas teve a ajuda de um português, o Sandro Pacheco, e de um inglês, o John Wilson, para fundar o clube. O Yannick nasceu na Holanda mas está em Portugal há vários anos»,

«Juntou amigos e criou o clube. Muitos dos jogadores que compuseram o plantel da época passada estavam sem clube. Alguns até tinham sido semi-profissionais, outros não estavam em lado nenhum e tiveram neste clube uma oportunidade para jogar futebol»

«O pai do Yannick é o presidente, a mãe trata da logística, dos equipamentos e do merchandising, também»«Às vezes a forma como se comunica dá logo outro aspeto daquilo que somos. Mas sempre com os pés assentes no chão. Não vivemos de fantasias.»

«Perdíamos 4-0 e os ingleses não paravam de cantar…»





«São oito equipas. Só o Messinense é um clube, por assim dizer, que exige mais respeito. Os outros são clubes como o nosso: novos ou reativados recentemente. Podemos acreditar»

«No ano passado só falamos de objetivos no final da época»

«No início só queríamos garantir a inscrição no campeonato distrital. E chegar ao fim. Tivemos as dificuldades normais, sobretudo financeiras. Sobrevivemos com um patrocínio ou outro que vamos conseguindo e da nossa própria dinâmica, ou seja, pelas iniciativas que vamos fazendo, como a venda de rifas. Não pagamos salários a jogadores e a única despesa que temos, agora, é o treinador, que veio de novo, e o fisioterapeuta e até esse foi um patrocínio»,

«A maioria dos nossos adeptos são ingleses. Diria que cerca de 70 por cento. E fãs do Manchester United. Depois o nosso clube tem várias nacionalidades e quisemos dar a ideia de união em torno de um projeto»

«Eles são fantásticos, ainda no ano passado houve um jogo em que estávamos a perder 4-0 e era vê-los a cantar. Não param» «Os ingleses são os mais fieis, mas ninguém aguenta tanta derrota. Acreditámos que podemos chegar a mais gente este ano.»

Um campo dividido com a escola de João Moutinho

«As pessoas confundiam ou diziam-nos que não ia durar muito. Gerou sempre muita conversa. Isso não dura um ano, diziam. Não tem nada a ver. Eles começaram com expectativas enormes, nós ficamos contentes se, todos os anos, dermos um pequeno passo em frente. Não entramos em loucuras»

«O Grupo Desportivo de Lagoa usa-o para os treinos de juniores, juvenis e até a escola do João Moutinho, que é privada, treina também ali»

«Perdemos os dois primeiros jogos, na terceira vez arrancamos um empate. Mas o nosso melhor jogo de sempre foi uma vitória contra o Farense B quando estávamos a jogar com 10 desde os 60 minutos. Estava 0-0, marcámos e ganhámos o jogo»

«Hotelaria, pintura, há um jogador que tem um bar o que até complica a vinda aos treinos. Eu sou músico, o treinador de guarda-redes também

Um dia fui ver um jogo do adversário e entreguei um relatório de sete páginas. Acharam um exagero»«Pois e também fazia relatórios muito detalhados, não é? Vi alguns já»,