Domingo à tarde é uma rubrica do Maisfutebol, que olha para o futebol português para lá da Liga e das primeiras páginas. Do Campeonato de Portugal aos Distritais, da Taça de Portugal aos campeonatos regionais, histórias de vida e futebol.
 

Na Foz do Sousa mora um dos melhores marcadores da edição do Campeonato de Portugal, que agora findou, e que ainda procura um momento de fama, um salto para a ribalta do futebol português.

De dia trabalha numa loja de venda ao público, em Matosinhos, à noite treina para ao fim de semana festejar e ajudar o Sousense a vencer.

Eis a estória de Ângelo Oliveira.

Esta foi a sua melhor época no capítulo dos golos, embora o registo coletivo não tenha sido o desejado. Em janeiro, a equipa do concelho de Gondomar lutava por uma vaga de acesso à fase de subida, algo que não conseguiu, e até maio teve que lutar arduamente pela salvação, conseguida apenas na última jornada.

Em entrevista ao Maisfutebol, o goleador conta o que aconteceu para a quebra de qualidade e de pontos: «Acabou por ser mais difícil na segunda fase, talvez porque estávamos à espera de mais na primeira. Talvez tenha sido a frustração do grupo por não ter conseguido a vaga para disputar a subida.»

Embora reconheça a quebra da equipa, aponta defeitos ao modelo do Campeonato: «Beneficia quem fica em último. Uma equipa ficou em último com sete pontos [Académica-SF na série D] e nós fizemos 24 [na série C], ao passar para a fase de manutenção fica uma diferença muito pequena [séries cruzam e a diferença entre elas passou a ser de apenas quatro pontos]. Não é justo. Beneficia-se a competitividade e não a regularidade.»

As regras são assim e o Sousense teve mesmo de lutar pela vida até ao último sufoco.

«Perdemos duas jornadas fora mesmo no fim, em Touriz e na Pampilhosa, e com outros resultados nem era preciso a última para nada, mas foi preciso e felizmente conseguimos ganhar [ao Nogueirense]

Ângelo marcou o golo decisivo da última jornada e foi o herói, tal como foi muitas vezes durante o ano. 23 golos divididos entre a fase regular (15) e fase de manutenção (8) ajudaram e muito a equipa da Foz do Sousa a conseguir o objetivo.

Tudo isto a jogar muitas vezes nas linhas: «Fui extremo na primeira fase e na segunda passei para avançado-centro, devido à lesão do nosso avançado, o Zé Augusto. Nessa altura passamos a jogar com dois na frente e eu era um deles.»

Para o goleador não há preferências: «Para mim tanto faz. Fiz a formação a ponta de lança, nos seniores caí para as linhas. Gosto das duas. Tento sempre estar ou aparecer na área para fazer golo, é a minha melhor característica, a eficácia.»

Esta foi a temporada mais produtiva e logo na pré-época o atacante centrou o foco num início forte. Marcou quatro golos nas quatro primeiras jornadas, embora a equipa só tenha somado dois triunfos.

«Em termos individuais foquei-me em começar bem e acabei com 15 golos a primeira fase. Em dezembro vivi um dos meus melhores períodos, houve um jogo que não esqueço com a Sanjoanense em que estávamos a perder e marquei os dois golos da reviravolta. Conseguimos os três pontos numa fase de luta pela subida, só que com a viragem do ano, em janeiro, não conseguimos ganhar nenhum jogo e deitámos tudo a perder.»

E o avançado acrescenta que tudo era mais fácil para o Sousense que para os rivais: «Teoricamente tínhamos o calendário mais fácil, estávamos na luta com a Oliveirense, Salgueiros e Sanjoanense, já tínhamos jogado com todos e eles iam jogar entre eles. Não conseguimos nenhuma vitória e deitou por terra o sonho.»

A vida dupla do goleador do Campeonato de Portugal

Apesar da quebra do Sousense, Ângelo manteve a veia goleadora mesmo tendo mudado de posição.

O jogador, de 26 anos, mostrou que continua a lutar pelo seu sonho de ser profissional. A esperança que tem é que os golos que marcou sejam chamariz para clubes de objetivos cimeiros: «Quero dar o salto, penso que a época correu bem, mas agora falta aparecer alguma coisa. Já tenho contactos da mesma divisão, mas em termos de II Liga nada de concreto, que era o que queria.»

Esse desejo fica mais complicado porque Ângelo não tem «empresário», assume.

«Não tenho empresário e penso que é muito importante ter uma pessoa que dá essa ajuda extra, para se ser falado, mas o jogador também tem que fazer por isso. Já fui abordado [por empresários], mas nunca com uma proposta que valesse a pena.»

Mas reitera: «No que depender de mim tento ser falado ao mostrar o meu trabalho e golos.»

A construção deste percurso começou no Gondomar, passou pelo FC Porto, regressou ao Gondomar e agora continua na Foz do Sousa.

«Estive no FC Porto nos infantis e um ano de iniciado. Depois saí por opção técnica, fui dispensado. Estava a jogar pouco e voltei ao Gondomar onde comecei.»

Apesar da dispensa, Ângelo partilhou balneário com alguns jovens que atualmente estão no futebol profissional: «O Zé Pedro, que esteve no Sp. Covilhã, o Paulinho, que está no Sp. Braga, o Ricardo Valente, do V. Guimarães, e o Caetano, que está no Desp. Aves e que acabou por fazer um Mundial de sub-20 em que Portugal esteve na final.»

Ângelo ainda não teve a oportunidade que os antigos colegas tiveram, mas nunca desistiu. Chegou ao futebol sénior ao serviço do Gondomar, mas a falta de jogos levou-o a mudar de ares.

«Faltou a aposta, saí dos juniores e fiquei dois anos, nos quais joguei pouco. Estava infeliz, queria era jogar. Sair foi a melhor decisão. Comecei a jogar e a marcar. Aqui no Sousense marco em média 10 golos por época, nesta superei de longe a marca.»

Neste momento Gondomar e Sousense estão lado a lado no Campeonato de Portugal e, por isso, a aposta foi certeira sendo a montra a mesma.

O carimbo dos golos ainda não chegou para o salto e o goleador teve que arranjar outra fonte de rendimento que não o futebol: «O meu objetivo sempre foi ser profissional, só que ainda não surgiu nada e uma pessoa tem que seguir. Arranjei um trabalho e digamos que tenho duas fontes de rendimento. Trabalho numa loja de venda ao público em Matosinhos e o futebol é o refúgio.»

Esta vida «dupla» não é fácil, garante.

«É difícil, saio de casa às oito horas da manhã e só chego depois das 22 horas. É tudo praticamente amador no Sousense, cada um tem o seu trabalho e depois treinámos às 20 horas. Dá tempo para um trabalho durante o dia, do qual saio às 19 horas e vou direto ao treino.»

Se a oportunidade surgir, Ângelo não vai pensar duas vezes e não duvida que se vai adaptar facilmente à II Liga.

«Como se verificou com o Praiense e Merelinense que se bateram bem no playoff com o Leixões e Ac. Viseu, não acho que haja muita diferença. Penso que a adaptação não seria difícil, é mais em termos psicológicos, de resto penso que não.»

Agora está de férias, à espera que o telefone toque e com a esperança que os golos sejam um bom cartão de entrada no mundo do profissionalismo: foram 23 festejos, o rótulo de melhor marcador da série C da fase regular, de melhor marcador da série C da zona de manutenção e apenas um jogador no total do Campeonato de Portugal fez melhor que ele, Pedro Rui do Torcatense.

É caso para dizer que há um goleador à procura de um grande palco!

 

OUTROS TEXTOS DA RUBRICA «DOMINGO À TARDE»

O fã de Brahimi (e francesinhas) que espera regressar à Liga

Fez dupla com Jardel, teve Marco Silva como lateral e vive sonho em Merelim

O metralha de Mourinho que é «sargento» em Carcavelos

Carlos Manuel: o capitão dos Tigres que acordaram com o bairrismo

Tuck: o «eterno capitão» que liderou o «sonho» do Sacavenense

O «chico» que partia pratos foi herói em Oliveira de Azeméis

A «remontada» em Massamá (ou como tornar um sonho Real)

Triunfou em Setúbal, recusou o FC Porto e agora paga para jogar

O pupilo de Mourinho e Jesus rejuvenesceu em Fátima

Uma aventura no Vietname contada pelo homem que ama o Moreirense

O Klysman de Viseu levou os Trambelos à loucura

Sonho de Belém teve pesadelo em Guimarães mas ainda dura em Faro

Aos 28 anos tornou estas águias invencíveis nos distritais

Vila Fria 1980: o primeiro ponto ao fim de 19 jornadas

Jorge Ribeiro: da Luz à Rússia, o pé esquerdo com Faro de golo

Cresceu com o «patinho feio» de Alvalade, agora renasce no Barreiro

Do título à chamada de Mourinho: «Miúdo, logo vais à conferência»

De dia faz cadeiras, à noite é goleador em Gandra

Kadú: «No FC Porto tinha quem limpasse as botas, no Trofense não»

Amigo de Neymar corre atrás do sonho partilhado com Talisca

Amigo de Marco Silva foi herói em Sintra por um penalti

O amigo «galático do Campeonato de Portugal» de Cristiano Ronaldo

«Irmão» de Horta quer tombar Benfica: «Não pode ficar a rir»

Acidente quase lhe matou o sonho, Paulo Fonseca foi «anjo da guarda»

Há um Sócrates que lê livros de Ronaldo e fez dupla com Lucas João

Foi «menino de ouro» no Benfica e renasceu no Oeste

Jogou com Gelson, agora é Iniesta por culpa das miúdas

Rui Rêgo: a palestra de Jardim, uma alegria em Oblak e o sonho concretizado

Mortágua dos amores e golaços, inspirado pelos grandes

Tombou o Benfica, agora funde metal e brilha nos distritais

A melhor defesa da Europa, culpa de um «chato»

Um Mitroglou que quer bater Casillas com ideias de Jesus

Cresceu na sombra de Eto’o e fez um milagre em Fátima

Amigo de Óliver revê-se em Renato: «Uma chance e vou explodir»