Carlos Brito e Jorge Costa, treinadores de Rio Ave e Olhanense, comentaram desta forma a goleada algarvia em Vila do Conde (1-5), 24ª jornada da Liga 2009/10:

Carlos Brito: «Não é meu hábito fugir às responsabilidade. Acho que é exagerado, há muito demérito da nossa parte. O Olhanense soube aproveitar. Uma equipa que perde em casa por 1-5, não é normal. Tenho de dizer que fizemos uma excelente primeira parte, o árbitro dá um minuto de compensação e aquilo rola para muito do dobro. Isso foi um facto de motivação importante para o Olhanense. Depois, também se notou algum desgaste do Rio Ave, porque há dias defrontámos o F.C. Porto. Veio ao de cima o factor físico e essencialmente o anímico. Depois, é uma sequência de equívocos. Para mim, não deixam de ser os excelentes profissionais que têm sido. Lembro-me de ter perdido 5-1 aqui com o Santa Clara, parece que estava a rever esse filme. Duarte Gomes? Continua a ser um excelente árbitro. Com este resultado, vou dizer o quê? Cada um faça a sua leitura. A acreditar no que diz o Fábio Faria, o penalty do 1-2 não foi bem assinalado. Lembro-me que ele fez um contra o Paços e assumiu-o logo.»

Jorge Costa: «Parece-me que é uma vitória justa, por números justos, devido à quantidade de oportunidades que tivemos. Era um jogo difícil, complicado, que conseguimos simplificar. Espero que seja dado mérito ao Olhanense. Penso que foi o nosso melhor jogo. Estivemos muito sólidos, muito bem nas transições ofensivas, quase perfeito. São três pontos importantíssimos, sabíamos que entre Olhanense, Setúbal e Leixões, iríamos ter o jogo com maior grau de dificuldade. Queria manter a distância e conseguimos fazer isso. Demos um passo importante, a todos os níveis. Faltam seis jogos e temos obrigação para manter o nível até ao final.»