«Aconteceu uma situação que não desejávamos e que é sempre desagradável, mas são coisas de futebol, com a mudança da equipa técnica. Quando se estava na situação em que eu estava, é claro que agora há um novo alento, pois estava numa situação muito complicada», começou por afirmar.

No entanto, o facto de já conhecer Carvalhal não o deixa mais à frente dos restantes elementos segundo o jogador: «O meu pensamento é que a qualquer momento iria ganhar o meu espaço na equipa. Espero agora conseguir novas oportunidades».

Sobre os novos métodos, Carlos Fernandes não confirma que «são ou não melhores», mas sempre adianta que «já conheço os métodos do Carvalhal pois já trabalhei com ele e por isso não é nada de novo a sua forma de treinar».

Em relação ao Setúbal, o esquerdino foi claro: «Vai ser um jogo muito difícil e vai ser o mais complicado da época, pensando sempre assim jogo após jogo». Importante é o facto do técnico «ter um conhecimento profundo da equipa sadina e do futebol português, pois muito conhecimento nunca é demais». Sobre os sadinos, «esperamos uma equipa coesa na defesa, esperando o contra-ataque e que vai apostar forte nas bolas paradas».

Sobre a sua possível titularidade, não abriu o jogo: «Tinha esperança sempre que ia ser titular no jogo anterior¿». E ainda sobre a era Sandri: «Nunca tive nenhuma explicação. O que sei é que sempre me tratou bem, nunca senti qualquer azia da parte dele para comigo. E eu também não tive nenhum comportamento menos digno. Sentia-me completamente afastado e foi-me dito para arranjar clube. Sentia que não contava comigo».