«Não tenho problema em nenhum sector, todos vão estar à altura. Temos de ser equipa, o todo tem de ser maior que a soma das partes, e é isso que temos feito. Colectivamente estamos fortes, mas o comportamento zonal também os obriga a jogar em equipa. O adversário vai apresentar-nos dificuldades, mas estamos preparados e o Sporting também tem capacidade para apresentar dificuldades ao Atlético», defendeu Carlos Carvalhal, na antevisão da jornada europeia.

«O 0-0 deixou tudo em aberto e vamos ter desafio até ao último segundo. Será um jogo com características diferentes do da primeira mão, em que mesmo limitados a dez unidades controlámos o adversário e sustemos o ímpeto atacante do Atlético. O adversário vai apostar no contra-ataque, não é estranho para o Sporting, porque a maior parte vem jogar aqui assim, diferente só na qualidade dos seus intervenientes. Mas num estádio com grande entusiasmo e com uma equipa a vibrar com o jogo, saber controlar o adversário e o lado emocional vai ser importante. Estamos nesta eliminatória para passar», lembrou o técnico.

A passagem aos quartos-de-final representa o sucesso que faltou no resto da temporada, mas, para Carlos Carvalhal, a eliminação da prova não deita por terra o bom trabalho realizado até ao momento. «Temos o objectivo passar, mas há vida depois do jogo com o At. Madrid, não podemos oscilar entre um estado de depressão e euforia. Há que haver um ponto de equilíbrio. Muitos diziam há uns meses que o Atlético não estava ao nosso alcance e agora já dizem que estamos em vantagem. Cada jogo tem as suas dificuldades, o Atlético é uma equipa forte, está na final da Taça do Rei, tem apresentado bons resultados, pelo que o Sporting precisa de jogar como equipa e ter uma noite à Sporting», perspectivou.