O enquadramento negocial da coisa interessa-me pouco e como elemento da direcção de informação de uma estação televisiva é assunto que nem sequer devo abordar publicamente.

Já o que é escrito por Luís Filipe Vieira sobre repetições, câmaras, foras-de-jogo, penalties e comentários define um presidente, uma direcção e, no limite, a linha de pensamento que sustenta o Benfica de hoje.

Aliás, que um presidente escreva uma carta sobre este tema é, já em si, bizarro.

Pela importância do documento, aqui fica o link para o artigo (a versão integral só no papel).

Sem mais comentários, porque há coisas que se definem a si próprias. E esta é uma delas.

P.S.: Numa altura em que tanto se discute a pressão sobre os jornalistas que fazem justiça e política, talvez fosse engraçado olhar para o que se passa no desporto. Não começou hoje, nem ontem. Dura há anos. Com cores e personagens por vezes distintos. São comportamentos por vezes graves, aos quais é preciso resistir. Sempre.