Em comunicado divulgado no domingo, os dirigentes norte-coreanos afirmam que os rivais da Coreia do Sul envenenaram os jogadores com «comida adulterada», no que consideram ser parte de uma «estratégia de confronto» seguida pelo governo de Seul.

«Está para lá de qualquer dúvida que o incidente resultou de um acto deliberado, com comida estragada, já que pouco antes do jogo, subitamente, os jogadores estavam incapazes de levantar-se», pode ler-se no documento. As acusações tinham sido lançadas logo no final da partida, pelo seleccionador norte-coreano, Kim Jong Hun.

O técnico da Coreia do Norte terá mesmo pedido o adiamento do jogo e a sua transferência para campo neutro, uma solicitação rejeitada pelo delegado da FIFA.

Entretanto, a Federação sul-coreana já reagiu às acusações, garantindo que exames médicos efectuados aos jogadores da Coreia do Norte não detectaram qualquer problema. «Somos apenas responsáveis pela segurança nos locais de treino e no estádio, pelo que não temos comentários a fazer sobre assuntos fora desse âmbito», afirmou Lee Won-jae, relações públicas da federação da Coreia do Sul.

O clima político entre os dois países agravou-se nos últimos meses, depois de o governo conservador de Seul, liderado por Lee Myung-bak, ter anunciado um endurecimento das politicas de vizinhança com Pyongyang.

A Coreia do Sul lidera o Grupo B da zona de qualificação asiática, com 11 pontos, mais um do que a Coreia do Norte.