suspensão de 90 dias imposta ao presidente da UEFA





Platini confessa sentir «uma revolta profunda, mais do que um sentimento de injustiça ou de vingança», por aquilo que qualifica como «uma farsa» e recusa a acreditar que se trata de «uma decisão política para manchar uma vida dedicada ao futebol ou para destruir a candidatura à presidência da FIFA» que protagoniza.