O Maisfutebol desafiou os jogadores e treinadores portugueses que atuam no estrangeiro, em vários cantos do mundo, a relatar as suas experiências para os nossos leitores. São as crónicas Made in Portugal:

IVO PINTO, DÍNAMO ZAGREB (CROÁCIA)

Maisfutebol







  
O Rijeka, segundo classificado, e o Hajduk Split, terceiro, são os nossos principais perseguidores e, a seguir ao Dínamo, são as melhores equipas da Croácia. Jogar na casa destes adversários é muito complicado. Jogos no terreno do Hajduk Split é especial, porque é um clássico e, normalmente, são sempre jogos divididos. Já o Rijeka no seu estádio joga muito com os adeptos e, regra-geral, esperamos sempre um ambiente hostil, que é normal quando jogamos contra as equipas da costa da Croácia, mas fantástico. É sempre bom para um jogador atuar nestes palcos, pois é gratificante conseguir vencer quando temos adeptos a gritar contra nós.

Esta boa época que estamos a fazer internamente também serviu para valorizar alguns jogadores e tenho um colega, Halilovic, que está a caminho do Barcelona. Tendo em conta que tem apenas 17 anos, foi um jogador que me surpreendeu muito. Eu, o Rúben Lima e o Júnior Fernandes quando chegamos ao Dínamo olhávamos para ele ponhamo-nos a pensar onde estávamos com aquela idade. É impressionante a qualidade, o à-vontade e precisão que o miúdo já tem. Nota-se que é alguém que nasceu mesmo para jogar à bola.

Este foi mais um bom negócio que o meu clube fez. No final da época passada vendeu um lateral-direito para o Génova, um central para a Roma e também um jogador para o Inter, há duas temporadas. Como dominámos as competições internas da Croácia, é normal que sejamos um clube muito observado. Por isso, qualquer jogador que faça uma boa época e mostre que tem capacidades para subir mais um degrau, pode dar o salto para uma Liga mais competitiva.

Até breve,

Ivo Pinto» 




Conteúdo editado por: Vítor Hugo Alvarenga