«O Benfica e o Porto têm estruturas mais organizadas, pois manteve-se nos últimos anos. O Sporting está em constantes mudanças na direção e na equipa técnica. Isso reflete-se em campo, pois é necessária estabilidade. Espero que agora tenham encontrado o caminho, mas pelos vistos já vão mudar de treinador outra vez, o que não será o mais indicado, mas quem sou eu para falar...», começou por dizer.

 

«Quero sempre que as coisas corram da melhor maneira e que o Sporting conquiste títulos, mas se o Nani vai embora é difícil, pois só com ele é que o Sporting conquista títulos», acrescentou Carriço, em jeito de brincadeira, durante um evento de promoção das novas chuteiras da Adidas.

 

O defesa recordou, de resto, a saída de Alvalade, «por sentir que o trajeto tinha chegado ao fim». O empréstimo ao Reading foi pouco proveitosa, mas a ligação ao Sevilha tem sido recheada de êxitos. «Dei um passo que se calhar foi um pouco atrás, mas para depois dar dois em frente. O fundamental é manter o equilíbrio e a confiança em ti. Acreditei que o Sevilha seria uma boa opção e estou muito feliz por ver as coisas correrem da melhor maneira.»

 

Com a conquista da Liga Europa em dois anos consecutivos, o Sevilha é «desafiado» a intrometer-se na luta pelo título em Espanha, mas Carriço reconhece que isso «é muito complicado».

 

«Temos de ser realistas. O Sevilha, em termos de orçamento, não tem nada a ver com esses clubes. É normal que, ao investires tanto quanto os grandes, tenhas os melhores jogadores e melhores plantéis. O que nós fazemos, em função do investimento, acaba por já ser muito», defendeu o jogador, recordando um dado de 2013/14.

 

«Na última época batemos o recorde de pontos do clube, fizemos 76, e o normal seria acabar em terceiro ou até segundo lugar. Só que a Liga está cada vez mais competitiva, sobretudo na parte de cima da tabela, e acabámos em quinto. É muito difícil, embora o Sevilha tenha capacidade de se reinventar. Saem sempre jogadores, mas o diretor desportivo encontra novos jogadores com qualidade, e o Sevilha luta até ao fim por postos europeus», explicou.

 

Encerrado o capítulo 2014/15 do Sevilha, Daniel Carriço saboreia agora a primeira convocatória para a Seleção Nacional. «É um motivo de orgulho. Não foi fácil chegar aqui, até porque na minha posição há muita qualidade, e são até referências mundiais. Estar aqui entre os melhores de Portugal é um motivo de orgulho», afirmou.