«Depois do Adeus» é uma rubrica dedicada à vida de ex-jogadores após o final das carreiras. O que acontece quando penduram as chuteiras? Como sobrevivem os que não ficam ligados ao futebol? Críticas e sugestões para spereira@mediacapital.pt

O título é uma simplificação da vida de Daniel Schirmer de Vasconcelos. Uma vida de aventuras, agitada. Um nómada do futebol e da gastronomia, um explorador de sensações, texturas e sabores.

De Cachoeira do Sul, no sul do Brasil, até Pavia em Itália, com uma passagem ocasional e determinante por Lisboa e uma estada faraónica em Moçambique, não esquecendo uma temporada de bola nas areias do Qatar, 1991, lado a lado com a guerra do Golfo.

Tantos quilómetros para chegar aqui, ao Porto, e ao restaurante 8Oitenta, um paraíso de comida brasileira: picanha, feijoada, maminha, enfim, um manjar para reis, um atentado à boa forma física.

«Também temos comida vegetariana. Aliás, o nome nasce precisamente porque a nossa gerente era vegan. Para ela a comida ou era oito ou oitenta. Sem carne ou com muita carne», explica Daniel Schirmer durante a visita do Maisfutebol.

Daniel com dois clientes habituais, André Gonçalves e Rui Mota

Daniel foi um bom lateral esquerdo, vestiu as camisolas de Corinthians, Náutico, Bahia e Atlético Paranaense no Brasileirão. Aos 51 anos assentou arraiais na Invicta, no papel de chef. Percorreu metade do planeta para mudar de um mundo para o outro.

O motivo? Um clássico imemorial: o amor.

«Foi mero acaso. Eu viajei do Brasil para Itália, onde iria fazer um curso de comida, mas as minhas malas nunca chegaram. Ficaram em Lisboa, na escala que o voo fez. Estive um mês e meio em Itália sem a minha roupa e decidi vir a Portugal procurar as malas. Encontrei as malas e a Maria.»

A Maria é a companheira de Daniel há uma década. Estiveram juntos na capital portuguesa – onde o chef trabalhou no restaurante do Casino do Estoril – e dois anos depois voaram para… Moçambique.

«Não é uma história chata, pois não? Em Moçambique tive vida de rei, explorei o bar de um hotel de cinco estrelas e um restaurante. Tinha dezenas de pessoas a trabalhar para mim», conta Daniel, sentado numa das mesas do acolhedor 8Oitenta.

E a segurança em Maputo? «Respondo sempre da mesma forma: era mais seguro do que no Brasil e menos do que em Portugal. Mas as coisas correram sempre bem, até decidirmos voltar para a cidade da Maria. O chamamento da família e da vida são importantes, o dinheiro não é tudo.»

Daniel está a começar tudo de novo. Em Portugal comprou este espaço de restauração, bem perto da Avenida da Boavista, e desenhou o Brasil dentro dele. Os aromas inebriam, distraem o conversador. É para continuar?

«Aqui trabalho muito, muito. Faço as compras, cozinho e tenho de gerir esta equipa de funcionários. É muito mais exigente do que em Moçambique. Os almoços correm muito bem, sempre cheios, e ao domingo enchemos a casa também. Toda a gente quer experimentar a minha feijoada.»

Vaná, guarda-redes do FC Porto, é cliente assíduo. Daniel espera que o compatriota e o verão tragam muitos mais.

«No Irão passei fome durante uma semana, a comida era horrenda»

Cachoeira do Sul, Estado do Rio Grande do Sul, 80 mil habitantes, 200 quilómetros até Porto Alegre. Daniel Schirmer nasceu numa família de classe média, um de quatro irmãos. Jeferson Gaúcho, um ano mais velho, fez carreira de respeito no Botafogo e no Flamengo: «era um craque», assevera.

O pai era funcionário do Banco do Brasil e a mãe tomava conta da casa. Por conta de uma educação rígida, o futebol só apareceu aos 17 anos.

«Eu e o meu irmão fomos para o Novo Hamburgo, ainda para os juniores. Depois ele saiu para o Botafogo, mas eu fiquei para trás. Enfim, coisas mais complicadas. Teve de ser o Jeferson depois a comprar o meu passe e a permitir a minha saída.»

É aí que Daniel ruma para o interior de São Paulo e posteriormente para o Timão, ano de 1991. «O Corinthians foi campeão brasileiro em 1990. Cheguei a um plantel recheado de campeões e na minha posição jogava o Jacenir, um lateral sem qualquer técnica, mas muito certinho. Por isso joguei menos do que esperava.»

Daniel Schirmer fardado a rigor para mais uma noite de trabalho

Os internacionais brasileiros Neto e Viola eram algumas das grandes figuras. Foi mais ou menos por aí que Daniel se tornou «festeiro». «Eu e o Neto íamos a muitas festas. Eu nunca gostei muito de treinar. Adorava jogar, era competitivo, mas nos treinos eu não era o tipo mais aplicado do mundo.»

No Brasil, Daniel vestiu ainda outras camisolas importantes, mas as maiores aventuras aconteceram num Médio Oriente que lambia as feridas da Guerra do Golfo. O Qatar, em 1991, «não era nada do que é hoje».

«Areia, areia, alguns hotéis… foi aí que aprendi a cozinhar, tive de me safar. Só quando íamos para as concentrações do Al-Arabi, no hotel, é que me sentia um senhor. Eram sete dias do bom e do melhor. É isso, as concentrações duravam sete dias.»

O treinador Oswaldo Oliveira fez o convite, Daniel ganhou bastante dinheiro, mas teve de passar por situações… ingratas. «Fomos jogar ao Irão, para uma competição asiática, e avisaram-nos que a equipa deles só tinha gajos malucos. Eu, que no Brasil só jogava a bolinha, decidi rapar o cabelo e dar uma de mauzão também. Ninguém nos fez mal, mas passei fome durante uma semana. A comida lá era terrível, insuportável.»

Regressado ao Brasil, Daniel esteve mais uns anos no futebol e aos 29 anos decidiu abrir uma cadeia de talhos. Já chegava de bola. «Correu mal, perdi quase todo o meu dinheiro, mas aprendi a fazer todos os cortes nas carnes e a desossar frango. Hoje tudo isso está a ser-me útil.»

Se estiver no Porto e quiser ser servido por um chef que leva o Corinthians no currículo, já sabe. É só aparecer no 8Oitenta e dar de caras com o sorriso de Daniel.

OUTROS TESTEMUNHOS NA RUBRICA DEPOIS DO ADEUS:

Depois do Sporting e do Benfica, Carlos Martins lançou-se nos negócios

Do Pescadores para o Sporting e para a Era Imobiliária

Gabriel, o taxista: do FC Porto e do Sporting às ruas da Invicta

O capitão do Boavista que se dedicou às festas de aniversário

De avançado no FC Porto de Pedroto a assistente de arte em Serralves

Jogou 11 anos no Sporting, treinou com Scolari e agora é caixa no Lidl

Miguel Garcia, a nova vida do herói de Alkmaar

Jogou no Sporting e encontrou a estabilidade na Zara

Uma vida de pescador depois de 150 jogos na primeira divisão

Histórico do Beira Mar trocou futebol pelos consumíveis de soldadura

O campeão pelo Boavista que virou advogado

Gaúcho, o goleador do Estrela que se entregou aos cabelos

A história do antigo jogador que trabalha na Autoeuropa

O ex-capitão do Benfica que trabalha numa ONG e faz voluntariado

O professor que foi campeão pelo FC Porto e fez dois autogolos pelo Benfica

O capitão do Sporting que faz relógios de diamantes na Suíça

Ramires encontrou conforto a vender suplementos naturais

Da Geração de Ouro a chauffeur no Luxemburgo

De grande promessa do Sporting a comissário de bordo na TAP

Lixa: os sonhos traídos até à receção de um hotel em Paris

O outro mundo de Ricardo: a venda de casas no Algarve

Sem a família: as noites geladas num mercado do Luxemburgo

Gaspar: um histórico da Liga na metalomecânica de precisão

José Soares, do Benfica para a moda

Morato, com ele não há inseguranças 

João Paulo Brito, o mediador imobiliário

Diogo Luís, primeira aposta de Mourinho foi parar ao Banco 

Edgar Caseiro, o promotor de eventos 

Heitor, o Perfeito de Laranjal Paulista 

George Jardel: o vendedor que ouviu o aviso do coração

Campeão no Benfica é mestre do padel em Salamanca

O funcionário do pão quente com 42 internacionalizações

Ivo Damas: a segunda vida como comercial de automóveis

Um funcionário público pentacampeão pelo FC Porto

Mawete: hotelaria, agropecuária e piscicultura em Angola

Ivo: do choque com Mantorras à distribuição de encomendas

Hélder Calvino: segurança, barman e animador noturno

Cavaco: dos golos com Pauleta à segurança num centro comercial

Mauro mudou de rota: FC Porto, Chelsea e a TAP aos 24 anos

Vasco Firmino: o médico que marcava golos pelo Benfica

O jovem engenheiro que foi da Liga à reforma em dois anos

Aos 20 anos saiu do Benfica e trocou o futebol pela Fisioterapia

Idalécio: a nova carreira num famoso restaurante de Londres

Venceu Toulon, deixou de sonhar no FC Porto e procura novo rumo

Ex-goleador português remove amianto nos Alpes suíços

João Alves tem novo clube: uma comunidade de compras

Da baliza do Benfica ao trabalho em centrais nucleares

Nélson: um faz-tudo na gestão de espaços desportivos

Da dobradinha no Sporting a cultura, surf e skate em Sagres

«Gastei 200 mil euros em carros, agora nem 200 euros tenho»

Jogou seis épocas na Liga, agora é agente de viagens em Pombal

De jogador a rigger, do relvado à cobertura do Estádio da Luz

Bergkamp português dedica-se à terra e à produção de tijolo

Do futevólei ao quiosque, passando pela agência funerária

Após treze clubes em Portugal, Tiago instala condutas em França

Formoso: a vida entre a bola e as redes de pesca nas Caxinas

O motorista de táxi que jogou com Cristiano Ronaldo

Carlitos: «Arrisquei muito num restaurante de qualidade em Barcelos»

Jogou contra o FC Porto de Mourinho e ajuda crianças no Alentejo

Histórico da União dedica-se à venda de automóveis em Leiria

Da baliza do Benfica a um instituto superior da Noruega

O massagista bloqueado por Michael Thomas no Benfica