«Depois do Adeus« é uma rubrica dedicada à vida de ex-jogadores após o final das carreiras. O que acontece quando penduram as chuteiras? Como sobrevivem os que não ficam ligados ao futebol? Críticas e sugestões para spereira@mediacapital.pt

Paulo Sousa, lembra-se?

Foi uma vida inteira no Boavista. Onze temporadas, nove das quais sempre a fazer perto ou mais de trinta jogos. Titularíssimo absoluto, capitão, referência do clube.

As boas exibições levaram-no até à Seleção Nacional, que representou em três ocasiões, em 1992: numa altura em que um jogador do Boavista vestir as cores nacionais era tudo menos normal.

Depois de deixar o Boavista, na viragem do milénio, ainda representou o Felgueiras e o Lamas. Pendurou as chuteiras com 40 anos e abriu um pavilhão: o Oporto Indor Games.

«Desliguei-me totalmente do futebol, porque o futebol de hoje em dia não se coaduna com a minha maneira de ser. Tenho saudades de jogar, isso sim, mas de andar lá no meio não tenho saudades nenhumas. Era impensável ser treinador ou dirigente», conta.

«Da maneira que está o futebol, não dá para mim. Há muitas jogadas de bastidores, muitos interesses de empresários, muitas formas de estar na vida pouco dignidas. Não dava. Tenho o coração à beira da boca, portanto ia estar sempre a chatear-me.»

Paulo Sousa diz que só via uma opção para continuar no futebol: treinador adjunto.

«Tenho feitio e gosto de estar com a malta, mas nem isso tentei. Não tentei porque estou bem aqui, o Indoor ocupa-me imenso tempo e é a minha prioridade. Neste momento ser adjunto não passa pelo meu futuro e fazer outra coisa qualquer no futebol nem pensar.»

Mas afinal de contas como são hoje os dias de Paulo Sousa?

«Controlo isto, estou por aqui, jogo à bola com os amigos, que é uma coisa que eu gosto, e é isso que faço. De manhã está aqui o Tó Luís, eu venho às 15 horas. Ele geralmente faz o turno da manhã e eu faço o da noite. Às vezes trocamos. Mas trabalhamos assim.»

Nesta altura convém dizer que Paulo Sousa abriu o Indoor em sociedade com Tó Luís, antigo guarda-redes do Boavista e amigo para toda a vida.

«O trabalho é muito organizativo, atender as pessoas, servi-las, estar com elas e ser simpático, porque a simpatia é meio caminho andado. Quando falta alguém numa equipa, eu dou uns chutos, fico por aqui e isso ocupa-me bastante. Sinto-me realizado aqui.»

Os fins de semana, admite, conseguem ser mais pesado. É nessa altura que o Oporto Indoor Games se enche de crianças, para festas de aniversários ou temáticas.

Ora como toda a gente sabe, as crianças não costumam ficar sem pilhas.

«Exige mais responsabilidade, temos de estar muito disponíveis, são dias mais cansativos. Temos mais coisas para organizar e convém estar desimpedido para qualquer coisa.»

Entre uma vida dedicada ao futebol e a mudança para um emprego normal, passaram quase 40 anos. O fim não foi fácil, admite. Nunca é fácil.

«Custou-me deixar o futebol. Na altura jogava no Lamas e senti que era a altura de parar. Os primeiros domingos foram muito nostálgicos. Ainda hoje, quando vejo jogos na RTP Memória, e recentemente passou um Boavista-FC Porto em que eu joguei, claro que bate a saudade. Mas tudo passa e vamo-nos adaptando a outras realidades», confessa.

«No tempo em que jogava havia mais responsabilidades, agora divirto-me mais com os amigos. Tenho saudades de jogar, de estar com os amigos, de estar dentro do estádio, mas já não sou capaz de ir ver um jogo ao vivo. Por outro lado, tenho mais tempo para a família. Já tenho um neto e dou-lhe mais atenção do que dei à minha filha, porque na altura andava sempre em treinos, jogos, viagens. Agora dou tudo ao neto. Só lamento que a minha filha não tenha tido essa sorte.»

Nesta altura volta-se atrás para perguntar por que é que não vai aos estádios?

«Já não vou ver um jogo ao vivo há muito tempo mesmo. Sou boavisteiro, mas há muitas coisas no Boavista que não me agradam. Quem gere o Boavista não é a solução.»

Paulo Sousa não quer entrar em polémicas e por isso deixamos o presente e viajamos pelo passado. Paulo Sousa lembra a carreira que construiu e as memórias que guardou.

«Tive bons momentos, tive maus momentos. Não me esqueço de que fui acusado de doping porque tomei demasiados cafés, mas a contra-análise deu negativa, fui o primeiro caso em Portugal de uma contra-análise negativa. Caiu-me o mundo na cabeça, passei um mau bocado, mas felizmente tudo se resolveu», começou por dizer.

«Momentos bons? Quando ganhei as Taças de Portugal, quando fui à Seleção, enfim, são momentos que marcam. Saí no ano anterior ao Boavista ser campeão, mas não fiquei magoado. Ganhei Taças, fiquei em terceiro e de alguma forma as equipas que integrei criaram as bases para o Boavista campeão.»

Paulo Sousa fez parte de planteis com nomes míticos como João Pinto, Bobó, Marlon Brandão, Ricky, Fernando Mendes, Samuel, Sanchez, Rui Bento, Artur, Pedro Barny, Timofte, Nuno Gomes, Martelinho, Litos, Ricardo, Jorge Couto, Latapy, Douala ou Pedro Emanuel.

Grandes equipas do Boavista.

«Aliás, no ano do título ligaram-me para ir festejar com a equipa. Respondi que não tinha sido campeão, as pessoas insistiram que tinha feito parte das equipas que permitiram aquilo, mas eu achei que não devia ir. Se fizesse parte, eu ia. Como não fiz parte, não fui. Mas sinto que contribui um bocadinho para o título.»

Instantes que Paulo Sousa guarda com carinho. Afinal de contas a vida levou-o por outros caminhos e o antigo capitão do Boavista não se queixa.

«Sinto-me realizado.»

OUTROS TESTEMUNHOS NA RUBRICA DEPOIS DO ADEUS:

De avançado no FC Porto de Pedroto a assistente de arte em Serralves

Jogou 11 anos no Sporting, treinou com Scolari e agora é caixa no Lidl

Miguel Garcia, a nova vida do herói de Alkmaar

Jogou no Sporting e encontrou a estabilidade na Zara

Uma vida de pescador depois de 150 jogos na primeira divisão

Histórico do Beira Mar trocou futebol pelos consumíveis de soldadura

O campeão pelo Boavista que virou advogado

Gaúcho, o goleador do Estrela que se entregou aos cabelos

A história do antigo jogador que trabalha na Autoeuropa

O ex-capitão do Benfica que trabalha numa ONG e faz voluntariado

O professor que foi campeão pelo FC Porto e fez dois autogolos pelo Benfica

O capitão do Sporting que faz relógios de diamantes na Suíça

Ramires encontrou conforto a vender suplementos naturais

Da Geração de Ouro a chauffeur no Luxemburgo

De grande promessa do Sporting a comissário de bordo na TAP

Lixa: os sonhos traídos até à receção de um hotel em Paris

O outro mundo de Ricardo: a venda de casas no Algarve

Sem a família: as noites geladas num mercado do Luxemburgo

Gaspar: um histórico da Liga na metalomecânica de precisão

José Soares, do Benfica para a moda

Morato, com ele não há inseguranças 

João Paulo Brito, o mediador imobiliário

Diogo Luís, primeira aposta de Mourinho foi parar ao Banco 

Edgar Caseiro, o promotor de eventos 

Heitor, o Perfeito de Laranjal Paulista 

George Jardel: o vendedor que ouviu o aviso do coração

Campeão no Benfica é mestre do padel em Salamanca

O funcionário do pão quente com 42 internacionalizações

Ivo Damas: a segunda vida como comercial de automóveis

Um funcionário público pentacampeão pelo FC Porto

Mawete: hotelaria, agropecuária e piscicultura em Angola

Ivo: do choque com Mantorras à distribuição de encomendas

Hélder Calvino: segurança, barman e animador noturno

Cavaco: dos golos com Pauleta à segurança num centro comercial

Mauro mudou de rota: FC Porto, Chelsea e a TAP aos 24 anos

Vasco Firmino: o médico que marcava golos pelo Benfica

O jovem engenheiro que foi da Liga à reforma em dois anos

Aos 20 anos saiu do Benfica e trocou o futebol pela Fisioterapia

Idalécio: a nova carreira num famoso restaurante de Londres

Venceu Toulon, deixou de sonhar no FC Porto e procura novo rumo

Ex-goleador português remove amianto nos Alpes suíços

João Alves tem novo clube: uma comunidade de compras

Da baliza do Benfica ao trabalho em centrais nucleares

Nélson: um faz-tudo na gestão de espaços desportivos

Da dobradinha no Sporting a cultura, surf e skate em Sagres

«Gastei 200 mil euros em carros, agora nem 200 euros tenho»

Jogou seis épocas na Liga, agora é agente de viagens em Pombal

De jogador a rigger, do relvado à cobertura do Estádio da Luz

Bergkamp português dedica-se à terra e à produção de tijolo

Do futevólei ao quiosque, passando pela agência funerária

Após treze clubes em Portugal, Tiago instala condutas em França

Formoso: a vida entre a bola e as redes de pesca nas Caxinas

O motorista de táxi que jogou com Cristiano Ronaldo

Carlitos: «Arrisquei muito num restaurante de qualidade em Barcelos»

Jogou contra o FC Porto de Mourinho e ajuda crianças no Alentejo

Histórico da União dedica-se à venda de automóveis em Leiria

Da baliza do Benfica a um instituto superior da Noruega

O massagista bloqueado por Michael Thomas no Benfica