DESTINO: 80's é uma rubrica do Maisfutebol: recupera personagens e memórias dessa década marcante do futebol. Viagens carregadas de nostalgia e saudosismo, sempre com bom humor e imagens inesquecíveis. DESTINO: 80's.

BRANCO: FC Porto (1988/89 a 1990/91)

Cláudio Ibrahim Vaz Leal. Então, já ouviram falar? Nunca? E se dissermos Branco? Pois, alto e pára o baile. Muito respeito por este senhor. Vejam lá o curriculum vitae do craque:

Presença em três Campeonatos do Mundo (1986, 1990 e 1994), participação em três Copas América (1987, 1989 e 1991), 72 jogos e 9 golos ao serviço do Brasil, campeão nacional em Portugal e vencedor de uma Supertaça, eleito pelos adeptos para o melhor onze de sempre do FC Porto e com direito a uma estátua no museu do Dragão.

Senhoras e senhores, ele é provavelmente o melhor lateral esquerdo de sempre a jogar no nosso futebol. Será?

«Não sei, não. Acho que devia ter ficado mais tempo no FC Porto. Se não tivesse saído para o Génova no meu terceiro ano, acredito que sim. Podia ter sido o melhor de sempre.»

Branco, porquê Branco? Fácil. Foi há 30 anos e uns meses que o esquerdino se estreou com a camisola azul e branca. Em Guimarães. Bate tudo certo, depois do 0-0 dos dragões na Cidade-Berço.

O Maisfutebol apanha Branco no Chile. Aos 54 anos, o antigo defesa é o coordenador de todas as seleções jovens do futebol brasileiro e acompanha o Campeonato Sul-Americano de Sub20.

«Continuo a amar o futebol e há dois meses aceitei voltar à CBF. Sou o Branco de sempre, brincalhão, descontraído, mas muito profissional. E com umas arrobas a mais no peso.»

88/89: Zé Beto, Geraldão, Kongolo, J. Magalhães, Rui Águas, J. Pinto e BRANCO (cima)

Madjer, André, Bandeirinha e Sousa (baixo)

BRANCO NO CAMPEONATO NACIONAL:

. 1988/1989: 29 jogos/3 golos (2º lugar)

. 1989/1990: 27 jogos/4 golos (1º lugar)

. 1990/1991: 7 jogos/2 golos * (2º lugar)

TOTAL: 63 jogos/9 golos

* sai em outubro para o Génova

TROFÉUS: um Campeonato Nacional e uma Supertaça Cândido Oliveira

Maisfutebol – O FC porto jogou no domingo em Guimarães. Curiosamente, há 30 anos [11 de setembro de 1988], o Branco estreou-se pelo FC Porto nesse jogo. Ainda se lembra?

Branco – Nunca nos esquecemos da primeira vez (risos). Que responsabilidade danada! O treinador era o Quinito e eu joguei no lugar de uma figura histórica do Porto, o Inácio. Mas tive muita sorte. Sabe porquê?

MF – Não senhor. Diga lá.

B – Nesse jogo também se estreava o menino Vitor Baía. E todos os olhos estavam em cima dele. Eu acho que poucos se lembram que eu também fiz aí o meu primeiro jogo. O Mlynarczyk teve um problema no ombro e o falecido Zé Beto estava suspenso pelo clube, se bem me lembro. O jogo correu-me bem, sem muitos problemas. Mas só conseguimos empatar.

MF – O Branco chega em 1988, pouco tempo depois de o FC Porto ser campeão da Europa e do Mundo.

B – Certíssimo. Saí do Brescia, de Itália. Eles foram-me buscar ao Fluminense e prometeram que iam construir uma equipa para lutar pelo título. Tudo mentira. Encontrei um clube pequeno, com um uma equipa ruim. Eu tinha estado no Mundial de 1986 e senti que a minha carreira estava a estagnar. Felizmente, em 1988 apareceu-me o convite do FC Porto, feito pessoalmente pelo presidente Pinto da Costa e o empresário Luciano D’Onófrio. Aceitei, claro, e recuperei o meu lugar na seleção do Brasil.

MF – Não foi fácil arranjar lugar numa equipa tão forte.

B – Eu cheguei sem confiança nenhuma no meu futebol. Era difícil chegar e jogar. Ainda por cima nos treinos via aquela qualidade toda… o Madjer, meu deus, que craque! Foi um dos melhores jogadores que conheci em toda a vida. Felizmente tive aquela oportunidade em Guimarães e arranquei aí para dois anos espetaculares.

MF – Que atmosfera encontrou no balneário?

B – Ui, o grupo era muito coeso, fortíssimo. Não era fácil conquistar o respeito daquela malta: João Pinto, Celso, Lima Pereira, Frasco, André, Jaime Magalhães… eles eram apaixonados pelo FC Porto. Se sentiam que algum jogador não estava com a cabeça no lugar, se achavam que alguém desrespeitava o trabalho e o clube, bem, esse jogador estava riscado. Eu tive sorte e com o meu futebol tranquilo acho que consegui conquistar essa malta toda.

MF – Trabalhou com o Quinito e o Artur Jorge. Eram tão diferentes como dizem?

B – Completamente. O Quinito era um homem inteligente, olhava o futebol de uma forma leve, bem humorada. O Artur era o oposto, organizado e duro. Mas ele adorava-me! Uns anos depois até me tentou contratar para o PSG.

MF – É verdade que o Branco era o único a conseguir fazer sorrir o Artur Jorge?

B – Quem disse isso? O Domingos? É verdade, sim senhor. Toda a gente tinha medo de falar com o Artur Jorge, era impressionante. Ele tinha uma salinha, onde preparava os treinos com os adjuntos, e ficava lá muito tempo. Eu sabia disso e um dia fechei a porta do nosso balneário e comecei a dar a palestra aos meus colegas. A imitar a voz do Artur (risos). De repente a porta abre-se e só ouço o Artur aos berros. «O que estás aí a fazer, c…..?» Bem, foi o fim do mundo e pensei que ele me ia tirar da equipa, mas no jogo seguinte lá estava eu. O Artur sabia que dentro do relvado não havia ninguém mais sério. Eu dava sempre o máximo.

MF – O Artur Jorge não deve ter gostado da sua saída para o Génova.

B – Ele queria bloquear a transferência, ficou chateado. Mas na altura achámos que era o melhor. A oferta financeira era irrecusável para o FC Porto e para mim. O presidente Pinto da Costa ainda contratou à pressa o Baltazar, um atacante do Atlético Madrid, para tentar acalmar o Artur. Ficámos bons amigos, até hoje. Nunca me esqueci da nossa despedida. Fui ter com ele à salinha nas Antas, ofereci uma camisola da seleção do Brasil, o Artur Jorge abraçou-me e vi-o a chorar. Um homem duro, mas bom.

MF – O Branco era famoso pelos seus livres diretos. Consegue escolher o melhor golo com a camisola do FC Porto?

B – Escolho dois, pode ser? Um ao Sp. Farense, em que saí a driblar e acertei um remate ao ângulo; e outro ao Sporting, ao Ivkovic. Nem eu acreditei que esse remate, a quase 50 metros, podia entrar. Foram momentos assim que me permitiram ter hoje uma estátua no museu do FC Porto.

VÍDEO: o golaço de Branco ao Sporting (1m45s) 

MF – Não é fácil encontrar uma dupla como a vossa: Branco/Geraldão. Afinal, quem batia melhor os livres?

B – Eh, eh, eh. Eu vou dizer que era eu e o Geraldão vai dizer que era ele. Na verdade, nós tínhamos zonas definidas. Eu batia melhor em algumas zonas e ele noutras.

MF – Qual era o segredo para bater tão forte na bola?

B – Segredo nenhum, zero. Aquilo era um dom, um dom que depois era trabalhado até à exaustão. Você faz ideia de quanto tempo eu ficava com o Geraldão no fim dos treinos a metralhar o Baía, o Zé Beto e o Mly? Uma hora no mínimo. A dada altura, o pé já bate na bola por instinto. Nós fazíamos apostas para almoços e jantares. Grande Geraldão, grande amigo.

MF – Por falar em almoços. Os almoços desses plantéis eram famosos.

B – E com razão. Aquele arroz de cabidela, em Mindelo… por isso é que eu agora sou gordo. Era à mesa que nós ficávamos ainda mais amigos. Não posso revelar mais, mas posso dizer que muitos problemas sérios foram resolvidos nesses almoços. Entre os atletas, sem técnicos e dirigentes presentes.

MF – Era também por isso que o FC Porto ganhava mais do que Benfica e Sporting?

B – Eu apanhei um Benfica fortíssimo, atenção. Com Ricardo Gomes, Mozer, Vítor Paneira, Magnussos, Jonas Thern e o Valdo. As coisas eram muito equilibradas, muito divididas, a rivalidade era uma doença. E eu fui injetado com essa rivalidade. Tomou conta de mim. Aqueles clássicos contra Benfica e Sporting eram uma guerra. Eram jogos realmente maravilhosos. Não só contra o Benfica e Sporting, mas também contra o Boavista. Davam-me grande prazer.

VÍDEO: reportagem RTP no primeiro treino de Branco no FC Porto

MF – Tem visto os jogos do Porto? Há alguns brasileiros em destaque.

B – Vejo alguns jogos aqui no Brasil. O Felipe é um central poderoso e está a dar seguimento ao que fez no Corinthians. Tem nível de seleção. E o Éder Militão é um atleta física e tecnicamente abençoado. Já veio à seleção e vai voltar. Também gosto muito do Alex Telles, que joga na minha posição. Muito bom a atacar, muito técnico. Bate muito bem as bolas paradas.

MF – Por falar em seleção do Brasil. O Branco voltou recentemente à CBF.

B – Há cerca de dois meses. O convite era irrecusável, ainda por cima este ano sou um dos embaixadores da Copa América. O meu desafio é grande. Tenho a responsabilidade de coordenar e organizar todos os escalões jovens e passar a informação ao selecionador principal, o Tite. Estou a devolver à nossa federação tudo aquilo que ela me deu.

MF – A conversa já vai longa, mas é impossível não falar do golo à Holanda no Mundial de 1994.

B – Estava a ver que não fazia essa pergunta (risos). Estávamos empatados, o jogo estava aberto e faltavam uns dez minutos. Eu sempre fui um lateral ofensivo e nesse lance fui ao ataque. Sofri falta do Winter, a uns 25 metros da baliza. Eu batia bem os livres, estava confiante e peguei bem na bola. Pum, a bola contornou a barreira e passou pelo meio do Romário e do Valckx! Eu disse aos jornalistas que tinha sido o golo ‘cala-boca’ porque eles criticaram a minha chamada. Estava com 30 anos, tinha um problema físico, mas fui muito importante. Nada se compara à conquista de um Mundial, nada!

VÍDEO: o golo de Branco à Holanda no Mundial de 1994

 

MF – E a alcunha Branco, como surgiu?

B – Eu nasci e comecei a jogar futebol na região de Magé. Não é longe do Rio de Janeiro. Por coincidência, no meu grupo de amigos eu era o único branquinho (risos). Todos os meus amigos eram negros. Por isso, todos me começaram a tratar assim. Branco.

MF – Última questão: a água que bebeu no jogo contra a Argentina, nos oitavos-de-final de 1990, estava mesmo envenenada?

B – Eu pensei que morria. Aquilo era mais do que veneno! Vou contar uma história. Uns anos mais tarde eu cruzei-me com o Maradona e ele veio abraçar-se a mim, a rir: «Branquinho, desculpa Branquinho, desculpa, não gostou da água?»

OUTROS DESTINOS:

1. Adbel Ghany, as memórias do Faraó de Aveiro

2. Careca, meio Eusébio meio Pelé

3. Kiki, o rapaz das tranças que o FC Porto raptou

4. Abazaj, o albanês que não aceita jantares

5. Eskilsson, o rei leão de 88 é um ás no poker

6Baltazar, o «pichichi» desviado do Atl. Madrid

7. Emerson, nem ele acreditava que jogava aquilo tudo

8. Mapuata, o Renault 9 e «o maior escândalo de 1987»

9. Cacioli, o Lombardo que adbicou da carreira para casar por amor

10. Lula, da desconhecida Famalicão às portas da seleção portuguesa

11. Samuel, a eterna esperança do Benfica

12. Lars Eriksson, o guarda-redes que sabe que não deu alegrias

13. Wando, um incompreendido

14. Doriva, as memórias do pontapé canhão das Antas

15. Elói, fotos em Faro e jantares em casa de Pinto da Costa

16. Dinis, o Sandokan de Aveiro

17. Pedro Barny, do Boavistão e das camisolas esquisitas

18. Pingo, o pedido de ajuda de um campeão do FC Porto

19. Taira, da persistência no Restelo à glória em Salamanca

20. Latapy, os penáltis com a Sampdória e as desculpas a Jokanovic

21. Marco Aurélio, memórias de quando Sousa Cintra se ria do FC Porto

22. Jorge Soares e um célebre golo de Jardel

23. Ivica Kralj e uma questão oftalmológica

24. N'Kama, o bombista zairense

25. Karoglan, em Portugal por causa da guerra

26. Ronaldo e o Benfica dos vinte reforços por época

27. Tuck, um coração entre dois emblemas

28. Tueba, ia para o Sporting, jogou no Benfica e está muito gordo

29. Krpan, o croata que não fazia amigos no FC Porto

30. Walter Paz, zero minutos no FC Porto

31. Radi, dos duelos com Maradona à pacatez de Chaves

32. Nelson Bertollazzi eliminou a Fiorentina e arrasou o dragão

33. Mangonga matou o Benfica sem saber como

34. Dino Furacão tirou um título ao Benfica e foi insultado por um taxista

35. António Carlos, o único a pôr Paulinho Santos no lugar

36. Valckx e o 3-6 que o «matou»

37. Ademir Alcântara: e a paz entre Benfica e FC Porto acabou

38. Chiquinho Conde, impedido de jogar no Benfica por Samora Machel

39. Bambo, das seleções jovens a designer de moda em Leeds

40. Iliev, sonhos na Luz desfeitos por Manuel José

41. Panduru, num Benfica onde era impossível jogar bem

42. Missé Missé, transformado em egoísta no Sporting

43. Edmilson: Amunike e Dani taparam-lhe entrada num grande

44. Jamir: «Gostava de ter dado mais ao Benfica»

45. Donizete continua um «benfiquista da porra»

46. Leandro Machado: «Se fosse mais profissional...»

47. Bobó, a última aposta de Pedroto

48. Rufai, o Príncipe que não quis ser Rei

49. Mandla Zwane, a pérola de Bobby Robson

50. Vítor Paneira e os trintões que quiseram ser como ele

51. Jorge Andrade, o FC Porto foi a maior deceção da carreira

52. Amunike e uma faca apontada a Sousa Cintra

53. Caio Júnior, ás em Guimarães

54. Luisinho: «Quem sabe jogar não precisa bater»

55. Marcelo: «Autuori preferiu Pringle, mas não ficou a ganhar»

56. Zé Carlos, o homem que Artur Jorge dizia ter «bunda grande»

57. Douglas: «Sousa Cintra entrou no balneário a pedir para eu jogar»

58. Ricky, nem Eusébio lhe valeu a titularidade no Benfica

59. Geraldão: «No FC Porto era obrigatório odiar Benfica e Sporting»

60. Paulo Nunes: «No Benfica não recebia e ainda queriam multar-me»

61. King e o sonho que morreu na marginal de Carcavelos

62. Lipcsei, num FC Porto que só teve rival em 2004

63. Alex, lenda do Marítimo: «Até Baggio me pediu a camisola»

64. Amaral: «Abaixo de Deus, o Benfica!»

65. Paulo Pereira e o polémico processo de naturalização no Benfica

66. Silas e o 'chapéu' ao Ajax: «Ate esgotámos o stock de marisco»

67. Magnusson: 87 golos no Benfica e nem um ao FC Porto

68. Zahovic e um coração dividido entre FC Porto e Benfica

69. Edmilson: «Nos 5-0, até os adeptos do Benfica bateram palmas»

70. Scott Minto: «Benfica era um gigante a dormir num manicómio»

71. Paulinho Cascavel e o Moët & Chandon de Guimarães

72. Paulinho César: «Falhei de baliza aberta no Bessa e morri no Porto»

73. Pesaresi: «Eu e o Porfírio eramos os bons malucos do Benfica»

74. Butorovic, feliz quando o FC Porto ganha

75. Paredão, que em Inglaterra esteve para ser The Wall

76. Lemajic: «Nos 6-3 ainda defendi mais quatro ou cinco»

78. Esquerdinha: «Estava a mudar de roupa e entraram aos gritos: Penta!»

79. Alessandro Cambalhota: «Para Fernando Santos eu não levava nada a sério»

80. Gary Charles: «Saí do Benfica, estive preso e agora salvo vidas»

81. Vujacic: «Para haver tantos sportinguistas, tem de ser amor»

82. Rafael: «Queriam o quê, que tirasse o lugar ao Deco?»

83. Basaúla: «Qual é o mal de uma cerveja?»

84. Everton: «Um guarda-redes ou é louco ou é gay»

85. «Já disse aos amigos benfiquistas, penta é o Quinzinho»

86. Timofte: «O meu pé esquerdo era melhor do que o do Hagi»

87. Victor Quintana: «Era tosco, mas posso dizer que joguei no Porto»

88. Kostadinov: «O Domingos adorava chá, foi o tipo mais inteligente que vi»

89. Glenn Helder: «Perdi tudo no casino e no divórcio, mas a bateria salvou-me»

90. Tony Sealy: «O Damas era o Sean Connery, o 007 do Sporting»

91. Artur: «Saí do FC Porto porque stressei com o Fernando Santos»

92. Martin Pringle: «Antes de ir para o Benfica fui 'Navy Seal'»