DESTINO: 80's é uma rubrica do Maisfutebol: recupera personagens e memórias dessa década marcante do futebol. Viagens carregadas de nostalgia e saudosismo, sempre com bom humor e imagens inesquecíveis. DESTINO: 80's.

MATS MAGNUSSON: Benfica (1987 a 1992)


«Pensava que estava no topo da carreira, na Suécia, quando em julho de 1987 o meu empresário me ligou e disse que tinha o Benfica ao telefone. Não acreditei, pensei que estava a brincar comigo.»

Mats Magnusson é até à data o segundo melhor marcador estrangeiro da história do Benfica com 87 golos marcados, um registo que foi construído em cinco anos e que fez do sueco um ídolo dos benfiquistas.

O próprio Magnusson tornou-se «um benfiquista de coração» e faz questão de o demonstrar em todas as suas intervenções. Aliás, o antigo goleador aceitou conversar com o Maisfutebol, por Skype, para recordar o passado de águia ao peito e apresentou-se para a conversa com a camisola do Benfica vestida.

Cinco anos na Luz e um benfiquista para sempre, que antes de chegar já conhecia o clube, mas via-o como utópico.

«Para mim era um sonho, estava a jogar na Suécia e tinha ido muitas vezes ao antigo Estádio da Luz em estágios com o Malmö. Vi vários jogos na Catedral e para mim naquela altura era uma utopia jogar e entrar naquele campo», começa por contar.

Foi o empresário Borje Lantz que negociou com o Benfica e Magnusson nem quis acreditar quando soube do interesse: «O meu empresário ligou-me e disse que eu tinha de ir a um hotel imediatamente. Quando lá cheguei tinha o Benfica ao telefone. Não acreditei, pensei que estava a brincar comigo.»

Magnusson não acreditou à primeira, mas mudou-se mesmo para a Luz nesse verão com a aprovação da companheira, que deixou grávida na Suécia.

«Casei com a minha mulher, que conheci quando estive na Suíça, no Servette. Nesse verão ela estava grávida, tive de falar com ela e perguntei-lhe o que achava. Ela disse logo: ‘Claro, vamos!’»

O sueco veio para Lisboa, mas a esposa ficou na terra natal até ao nascimento do filho. Magnusson reconhece que os primeiros tempos foram complicados.

«Fui viver para a casa do meu empresário. Ele preparou-me muito bem e quando cheguei a Lisboa já conhecia o que ia encontrar no clube, mas estava um pouco nervoso, a minha mulher estava grávida, longe, eu estava um pouco triste. Só veio no Natal e a partir daí tudo correu melhor.»

Magnusson com Eusébio a quem chama «mentor»

Trinta anos depois da chegada à Luz, ainda não esqueceu o primeiro dia no balneário encarnado: «Entrei muito nervoso no balneário, apareceu o Shéu, o Álvaro Magalhães e depois o Carlos Manuel, que foi um grande amigo. Ele morava em Cascais também e eu ia com ele para os treinos nos primeiros quatro, cinco meses.»

O português não foi difícil de aprender, revela, e ainda hoje fala fluentemente a nossa língua. A motivação de estar no Benfica levou-o a aprender e a evoluir muito rapidamente: «Era um sonho para mim, uma alegria enorme. Nunca pensei em entrar naquele balneário, entrar num relvado com 120 mil pessoas, nunca.»

Ao mesmo tempo que Magnusson chegou ao clube, entrou também um novo treinador que substituiu John Mortimore. Ebbe Skovdahl começou a época, mas no final de novembro foi despedido com o Benfica no segundo lugar a cinco pontos do FC Porto.

«Empatámos com o Farense (2-2) e naqueles anos empates em casa ninguém tolerava... Era logo motivo para ir embora. O Skovdahl foi e ficámos com o Toni, que tinha a escola do Eriksson porque tinha estado com ele antes e a tática era a mesma, era também a mesma que eu jogava na Suécia, em 4-4-2.»

Duas finais da Taça dos Campeões Europeus: uma história com Veloso, outra com Van Basten

A estreia de Toni não foi nada positiva com uma derrota por 3-0 na Luz com o Sporting, na 1ª mão da Supertaça. O Benfica melhorou e apesar de no campeonato a recuperação não ter sido possível, os encarnados chegaram à final da Taça dos Campeões Europeus, perdida para o PSV nas grandes penalidades.

«Penso que o jogo foi bom, ninguém marcou, o que não foi normal. Depois todos os penáltis foram bons, foi boom boom boom. Nós falhámos o sexto.»

Veloso foi quem falhou na final de Estugarda e Magnusson revela o que devia ter acontecido se não tivesse sido substituído.

«Saí antes dos penáltis [entrou Hajri para o seu lugar no prolongamento], era eu que ia chutar aquele penálti, o sexto. Digo sempre ao Veloso: ‘Se eu estivesse lá marcava. Porque não chutaste para o outro lado? Era golo (risos)’. Digo-lhe sempre isso!»

O lateral encarnado falhou, o PSV venceu a maior prova de clubes e Magnusson perdeu a sua primeira final europeia. Dois anos depois, o Benfica voltou a alcançar a final, agora contra o Milan no Prater, em Viena.

«Foi uma grande final! Naqueles anos em que estive lá o Benfica era um dos maiores da Europa, aquela final contra Van Basten, Gullit, Rijkaard, Baresi, Donadoni, ídolos para mim.»

Os italianos venceriam por 1-0 com um golo de Frank Rijkaard e mais uma vez o sueco e o Benfica falhariam a conquista.

«Aquele treinador húngaro, o Bella Gutman disse que o Benfica não ia ganhar mais finais, não foi? São 8 finais sem ganhar, não é? (risos)»

Magnusson lamenta esses desaires, mas conta um episódio curioso que lhe aconteceu na final de 1990.

«Só trocava de camisola às vezes nos jogos europeus, na Liga nunca troquei. Gostava muito de escolher com quem trocar. Nesse ano, na meia-final foi com o Jean-Pierre Papin, do Marselha. Antes do jogo no aquecimento perguntei-lhe: ‘Jean-Pierre, depois quero a tua camisola, pode ser?’. Queria sempre das estrelas. Às vezes pensava por que é que ninguém vinha ter comigo e dizia: ‘Magnusson, quero trocar contigo’. Na final, o Marco Van Basten depois do jogo disse-me: ‘Magnusson, vamos trocar’. Foi o único na minha carreira.»

 

MAGNUSSON EM PORTUGAL

TOTAL: 163 jogos/87 golos

TÍTULOS: 2 campeonatos e uma Supertaça
 

Pelo Benfica não conquistou nenhum título europeu, mas arrecadou dois campeonatos e uma Supertaça Cândido Oliveira, para além de ter sido o melhor marcador do Liga com 33 golos, em 1989/90.

Nessa época da Bota de Ouro nacional, Eriksson era o treinador, ele que estava na segunda passagem pela Luz.

«Nunca tinha estado com ele antes. Era bom treinador, ele faz o grupo estar bem e os grupos que estão felizes conseguem os objetivos mais facilmente. Ele era como outro dos meus favoritos: Mourinho. Penso que são semelhantes, dão tudo pelos jogadores, mas os jogadores também fazem tudo por eles.»

Curiosamente Eriksson chega depois do Benfica ter sido campeão com Toni. Esses festejos não se apagam da memória.

«O primeiro campeonato foi muito bom, uma alegria como nunca tive, entraram todas as pessoas no campo. Queriam tudo, era tirar camisola, calções, cuecas, era tirar tudo...um sonho (risos)!»

O carinho que os adeptos do Benfica têm por Magnusson é algo recíproco: «Antes dos jogos nós deixávamos o carro perto das pessoas, elas também podiam estacionar lá e estávamos logo com elas. Depois dos jogos eu saía sempre, fazendo um jogo bom ou mau eu saía para dar autógrafos, tenho muito orgulho nisso.»

Mas nem tudo foram elogios.

«Às vezes era difícil, quando não jogava bem. Quando falavam do Mats Magnusson no aquecimento, no altifalante... assobiavam também. Isso foi em alguns jogos em que não estava a jogar muito bem.»

Apesar disso os adeptos do Benfica sempre acarinharam Magnusson e atualmente o sueco continua a ser um ídolo para a tribuna encarnada.

«Aqui na Suécia sou conhecido, mas não é como em Portugal, aí é muito mais. Estive cinco anos e não são muitos os estrangeiros que ficam cinco anos no mesmo clube. Eu gostava das pessoas, no final dos jogos estavam sempre duas mil pessoas à porta e eu saí sempre para estar com elas.»

Agora o ritual continua o mesmo: «Quando vou a Lisboa ver os jogos tenho que chegar uma hora antes para dar autógrafos. Tenho muito orgulho em ser benfiquista. Amo o Benfica muito, de coração. Fiz muitos amigos aí, amo Portugal e os portugueses, são muito simpáticos, são hospitaleiros, recebem bem.»

Magnusson comentou até que vai lançar a sua autobiografia brevemente e que por causa disso o dono da editora responsável aconselhou-o a criar um Facebook: «Em três semanas ficou cheio, tantos benfiquistas como amigos.»

«Marquei 87 golos e nenhum contra o FC Porto»

Magnusson tem pelo menos 87 motivos para sorrir de águia ao peito, número de golos que o colocou como melhor marcador estrangeiro da história encarnada. Só Óscar Cardozo o destronou e Jonas está agora perto.

Mal o tema veio à conversa, o sueco respondeu: «Daqui a alguns jogos sou o terceiro. O Jonas vai passar-me este ano.»

O Pistolas está a 11 golos do sueco, tem 76, e Magnusson espera que não lhe aconteça o que sucedeu com Cardozo.

«Foram muitos anos na frente, desde 1992 até ao Cardozo. Espero que ele não fique tão nervoso como o Cardozo que quando estava quase a passar-me, ficou alguns jogos sem marcar. Depois marcou, passou e disparou.»

O paraguaio chegou aos 77 golos no final de 2009/10 e o início da época seguinte foi intermitente. Só na segunda volta conseguiu ultrapassar o sueco, em casa frente ao Nacional.

E por falar em golos, Magnusson escolhe três em particular: um frente ao Estrela da Amadora na Reboleira e dois contra o Sporting.

«Um até foi golo da semana na RTP, contra o Estrela da Amadora. Depois tenho dois golos ao Sporting, ganhámos 4-1. Num o Diamantino faz bom passe, eu domino no peito e depois «pimba» e o outro é de cabeça. Foi a única vez que a televisão sueca foi fazer uma reportagem a Portugal sobre mim.»


Benfica-4 Sporting-1 de 1988 por BlogMemoriaGloriosa


Apesar de tantos golos, Magnusson ainda tem na cabeça algo que nunca conseguiu fazer.

«O problema era o FC Porto. Marquei 87 golos e nenhum contra o FC Porto, em cinco anos. Isso ainda está na minha cabeça. Nem um golo! Vários contra o Sporting e nem um golo contra o FC Porto.»

Magnusson deixou saudade na Luz e para os benfiquistas que nunca o viram jogar, o sueco apresenta-se: «Era um ponta de lança completo, não só na área. Jogava bem no campo inteiro, fiz muitas assistências para outros jogadores, gostava de estar envolvido no jogo. Não era tipo o Paolo Rossi de estar na área, ou como o Lineker.»

«Não pensava que era uma estrela como Chalana, Diamantino, Valdo, Ricardo Gomes, Mozer, Veloso...»

Como já referido e afirmado pelo próprio, Magnusson viveu um sonho na Luz. Jogar ao lado de grandes nomes do futebol mundial foi algo que nunca pensou.

Quando foi confrontado com o nome de Chalana reagiu assim: «Chalana (suspiro)... Um jogador espetáculo, era uma alegria com ele, é um cómico, muitas brincadeiras. Ele voltou do Bordéus e estar nos treinos com ele... nunca esperei. Chalana era um jogador fora deste mundo.»

E coloca-o mesmo no topo.

«Legends [em inglês Lenda]? É assim que se diz? Para os benfiquistas Eusébio, Chalana, Diamantino são ídolos e para mim também. Eu não pensava que era uma estrela como eles, só pensava em jogar futebol. Jogar com Valdo, Ricardo Gomes, Mozer, Veloso era um sonho para mim, uma utopia.»

Magnusson diz até que nem podia jogar com a sua camisola preferida por causa de um deles: «Queria sempre jogar com o número 11, mas só podia quando o Diamantino não estava a jogar, era assim (risos).»

O sueco destaca ainda Silvino pelas brincadeiras no balneários, mas diz que não pode contar: «Riamo-nos muito, temos muitas histórias.»

Sobre as duplas de ataque que formou ao longo da carreira destaca três nomes.

«Eu e Rui Águas juntos foi muito bom, completávamo-nos. Com o Vata também funcionou bem. Quando voltei para o Helsinborg estava lá o Henrik Larsson, eu e ele marcamos 65 golos em conjunto.»

Magnusson estará de regresso à Luz para assistir ao Benfica-FC Porto no final de março/início de abril [data ainda indefinida] e recordar os velhos tempos de águia ao peito.

Na Suécia vai acompanhando à distância o seu «clube do coração» e despede-se da entrevista com um «Rumo ao Tetra».

Magnusson nunca deixará de ser benfiquista e nem se importa de ver Jonas ultrapassar o seu recorde, quer é ver o Benfica vencer.

 

OUTROS DESTINOS:

1. Adbel Ghany, as memórias do Faraó de Aveiro

2. Careca, meio Eusébio meio Pelé

3. Kiki, o rapaz das tranças que o FC Porto raptou

4. Abazaj, o albanês que não aceita jantares

5. Eskilsson, o rei leão de 88 é um ás no poker

6Baltazar, o «pichichi» desviado do Atl. Madrid

7. Emerson, nem ele acreditava que jogava aquilo tudo

8. Mapuata, o Renault 9 e «o maior escândalo de 1987»

9. Cacioli, o Lombardo que adbicou da carreira para casar por amor

10. Lula, da desconhecida Famalicão às portas da seleção portuguesa

11. Samuel, a eterna esperança do Benfica

12. Lars Eriksson, o guarda-redes que sabe que não deu alegrias

13. Wando, um incompreendido

14. Doriva, as memórias do pontapé canhão das Antas

15. Elói, fotos em Faro e jantares em casa de Pinto da Costa

16. Dinis, o Sandokan de Aveiro

17. Pedro Barny, do Boavistão e das camisolas esquisitas

18. Pingo, o pedido de ajuda de um campeão do FC Porto

19. Taira, da persistência no Restelo à glória em Salamanca

20. Latapy, os penáltis com a Sampdória e as desculpas a Jokanovic

21. Marco Aurélio, memórias de quando Sousa Cintra se ria do FC Porto

22. Jorge Soares e um célebre golo de Jardel

23. Ivica Kralj e uma questão oftalmológica

24. N'Kama, o bombista zairense

25. Karoglan, em Portugal por causa da guerra

26. Ronaldo e o Benfica dos vinte reforços por época

27. Tuck, um coração entre dois emblemas

28. Tueba, ia para o Sporting, jogou no Benfica e está muito gordo

29. Krpan, o croata que não fazia amigos no FC Porto

30. Walter Paz, zero minutos no FC Porto

31. Radi, dos duelos com Maradona à pacatez de Chaves

32. Nelson Bertollazzi eliminou a Fiorentina e arrasou o dragão

33. Mangonga matou o Benfica sem saber como

34. Dino Furacão tirou um título ao Benfica e foi insultado por um taxista

35. António Carlos, o único a pôr Paulinho Santos no lugar

36. Valckx e o 3-6 que o «matou»

37. Ademir Alcântara: e a paz entre Benfica e FC Porto acabou

38. Chiquinho Conde, impedido de jogar no Benfica por Samora Machel

39. Bambo, das seleções jovens a designer de moda em Leeds

40. Iliev, sonhos na Luz desfeitos por Manuel José

41. Panduru, num Benfica onde era impossível jogar bem

42. Missé Missé, transformado em egoísta no Sporting

43. Edmilson: Amunike e Dani taparam-lhe entrada num grande

44. Jamir: «Gostava de ter dado mais ao Benfica»

45. Donizete continua um «benfiquista da porra»

46. Leandro Machado: «Se fosse mais profissional...»

47. Bobó, a última aposta de Pedroto

48. Rufai, o Príncipe que não quis ser Rei

49. Mandla Zwane, a pérola de Bobby Robson

50. Vítor Paneira e os trintões que quiseram ser como ele

51. Jorge Andrade, o FC Porto foi a maior deceção da carreira

52. Amunike e uma faca apontada a Sousa Cintra

53. Caio Júnior, ás em Guimarães

54. Luisinho: «Quem sabe jogar não precisa bater»

55. Marcelo: «Autuori preferiu Pringle, mas não ficou a ganhar»

56. Zé Carlos, o homem que Artur Jorge dizia ter «bunda grande»

57. Douglas: «Sousa Cintra entrou no balneário a pedir para eu jogar»

58. Ricky, nem Eusébio lhe valeu a titularidade no Benfica

59. Geraldão: «No FC Porto era obrigatório odiar Benfica e Sporting»

60. Paulo Nunes: «No Benfica não recebia e ainda queriam multar-me»

61. King e o sonho que morreu na marginal de Carcavelos

62. Lipcsei, num FC Porto que só teve rival em 2004

63. Alex, lenda do Marítimo: «Até Baggio me pediu a camisola»

64. Amaral: «Abaixo de Deus, o Benfica!»

65. Paulo Pereira e o polémico processo de naturalização no Benfica

66.
Silas e o 'chapéu' ao Ajax: «Ate esgotámos o stock de marisco»