DESTINO: 90's é uma rubrica do Maisfutebol: recupera personagens e memórias dessa década marcante do futebol. Viagens carregadas de nostalgia e saudosismo, sempre com bom humor e imagens inesquecíveis. DESTINO: 90's.

KING: Sp. Braga (1992 a 1994); Sp. Farense (1994/95); Benfica (1995/96); Sp. Farense (1998 a 2000).

Verão de dores no balneário da Luz. 1995, limpeza no balneário, rei Artur Jorge de vassoura na mão. Benfica terceiro no campeonato, 15 pontos atrás do FC Porto. Inadmissível, impensável, inaceitável.

Época nova, saem duas dezenas de atletas, entram outros tantos. «É a retoma», promete a direção de Manuel Damásio. E os novos craques no plantel, quem são? Ora, faz favor de anotar:

  • Do Tirsense chegam Paredão e Marcelo; Calado vem da Amadora, Marinho é contratado ao Sporting e do Belenenses sai o trio Bruno Caires, Mauro Airez e Luiz Gustavo; Valdo e Ricardo Gomes, velhos senhores, voltam do Paris Saint-Germain; Nica Panduru (Steaua) e Iliev (Levski) são resgatados ao leste europeu.

Já chega? Não, é preciso mais, mais e mais. Ora bem, esta lista de reforços só fica completa com Paulão (V. Setúbal), Ailton (São Paulo) e – tchan tchan tchan! – Hassan e King, figuras maiores do excelente Sp. Farense de Paco Fortes, quinto lugar na Liga.

King, Joaquim Devanir do Carmo, que belo convidado seria para o DESTINO: 90s. Por onde andará o enorme King, rei sem trono no único ano que passa no Benfica? Vamos atrás dele, King merece.

Google: ‘King Benfica 2016’. Pesquisa feita, viagem imediata até… Veria, Norte da Grécia, 66 mil habitantes e casa do Veria FC, emblema da primeira divisão helénica.

King, mister Devanir do Carmo, integra a equipa técnica do clube. Boa tarde, caro King, daqui fala o Maisfutebol!

«Que surpresa. De Portugal? Ainda tenho aí família. Vim para a Grécia em 2002 e fui ficando. Joguei em vários clubes [Ionikos, Veria, Kavala, Thermaikos], trabalhei no Panathinaikos e nesta altura sou o responsável pela integração dos futebolistas estrangeiros do Veria. Gosto de viver cá, os gregos são um bocado como os brasileiros».

KING NA LIGA PORTUGUESA:

  • 1992/93: Sp. Braga, 12 jogos/0 golos
  • 1993/94: Sp. Braga, 30 jogos/2 golos
  • 1994/95: Sp. Farense, 29 jogos/2 golos
  • 1995/96: Benfica, não utilizado no campeonato
  • 1998/99: Sp. Farense, 27 jogos/5 golos
  • 1999/00: Sp. Farense, 12 jogos/0 golos

TOTAL: 110 jogos/9 golos

King, mister King, tem um percurso forte em Portugal, mais de 100 jogos na I Divisão. No Benfica, porém, nem um para amostra.

«Xi, pá, é verdade. Correu mal. Eu e o Hassan estávamos a fazer um grande ano no Sp. Farense e eu fui contatado antes do fim do campeonato. Achei a conversa um pouco estranha, até duvidei, mas depois vi que era verdade. Assinei mesmo pelo Benfica».

King passa a temporada de 1995/96 entre a bancada e o departamento médico. Faz só um jogo de águia ao peito, para a Liga Europa. Ainda se lembra, mister King?

«Na Bélgica, claro (risos). O mister Mário Wilson pôs-me numa posição diferente para mim, defesa central sobre a direita. Eu era esquerdino e jogava a central sobre a esquerda ou lateral esquerdo. Acho que correspondi, mas saí ao intervalo e não voltei a jogar. Ganhámos 1-3 ao Lierse».

King no Lierse-Benfica (1m13s) (imagens SIC):

Contas feitas, 45 minutos de utilização no Benfica. King, corpulento, dono de um pontapé-canhão, agressivo e pouco dado a pormenores estéticos, fintinhas e invenções sem sentido.

Artur Jorge e Mário Wilson não gostavam dele? King garante que sim. O problema foi outro.

«O acidente de carro…»…

Silêncio.

«Lembra-se? Foi muito falado na altura».

Silêncio.

«Eu conto. Na pré-época tive problemas musculares, perdi o lugar na equipa, mas voltei e fiz o jogo na Bélgica. Pouco depois tive um acidente de viação grave na marginal de Carcavelos. Fraturei o fémur direito e as minhas perspetivas no Benfica morreram aí».

Mister King prossegue.

«Estava a conduzir em direção a Cascais, era inverno e apanhei um lençol de água. O carro descontrolou-se e despistei-me. Estava uma ambulância parada na berma – eu acho que já era para mim (risos) –, eu desviei-me e acabei por bater de frente contra um poste».

Apesar do «apoio fantástico do Benfica e do empresário Manuel Barbosa», King não volta aos relvados até vestir a camisola da equipa B do Atlético Madrid, já em 1996/97.

King é o 1º da direita na fila de cima: Sp. Farense 1994/1995

«Em campo sempre dei tudo. Saía de rastos, todo rasgado. Perdia dois ou três quilos por jogo, comigo não havia brincadeira», lembra King, um dos durões do futebol português nos fantásticos anos 90.

Além do mauzão contratado ao Sp. Farense, que na verdade é um homem gentil e afável, o Benfica tinha mais quatro defesas centrais nessa época de 95/96: Ricardo Gomes, Hélder Cristóvão, Paulo Pereira e Paredão.

«Tudo gente boa, todos colegas fantásticos. O balneário do Benfica tinha muitos craques, não era fácil chegar lá e jogar. Aprendi com todos».

«O FC Porto era especial, a garra deles era assustadora»

Seis épocas em Portugal, três clubes representados, Braga, Faro e Lisboa no coração. Cidades especiais, claro, como especiais foram colegas, treinadores e adversários. Mister King, educado e simpático, tem uma memória fresquíssima.

«Os melhores avançados que defrontei? Lembro-me de todos. Edmilson, o loirinho do FC Porto, Kostadinov e Domingos. O Figo e o Cadete do Sporting, o Djukic que depois foi meu colega no Farense, o João Vieira Pinto e o Hassan. Ah, também tive problemas com o Ailton e o Iuran».

King assiste em três clubes distintos ao domínio quase absoluto do FC Porto. E explica as razões para isso.

«O Porto era um clube especial, jogava com uma garra diferente, assustadora. Isso acabava por fazer a diferença, essa união», lembra o antigo defesa brasileiro, agora com 46 anos e «feliz na Grécia».

Falta falar dos dois treinadores conhecidos no Benfica: Artur Jorge e o recém falecido Mário Wilson. E King diz-se «grato aos dois», mesmo sem ter sido um jogador querido na Luz.

«O Artur Jorge parecia meu pai. Tinha carinho e apegou-se por mim. Só tinha elogios ao meu futebol. Mesmo quando ele saiu do Benfica, o Artur telefonou-me e deixou-me uma palavra de confiança».

«O senhor Mário Wilson faleceu? Os meus pêsames à família. Que cavalheiro, um homem bom, de coração fantástico e palestras inesquecíveis. Estive pouco tempo com ele, infelizmente».

King (4º a contar da direita, em cima) entre Ricardo Gomes e Valdo

«Sou King porque o meu avô e o meu pai foram King»

Joaquim Devanir nasce em Hicanga, São Paulo, em 1970. Chega a Portugal em 1992 para jogar no Belenenses, pela mão do empresário Manuel Barbosa, assusta-se com o frio do inverno lisboeta e, «após uma negociação falhada», segue para Braga.

Aprende muito com Vitor Manuel e «ainda mais com António Oliveira». Chega King, parte King e continua a ser King.

«Essa alcunha acompanha-me desde pequeno. Sou King porque o meu avô e o meu pai foram King. Kinguinho, Kinguinho, gostei e foi ficando (risos)».

King, 2016, treinador adjunto no Veria FC, no norte da Grécia. Um homem sereno.

OUTROS DESTINOS:

1. Adbel Ghany, as memórias do Faraó de Aveiro

2. Careca, meio Eusébio meio Pelé

3. Kiki, o rapaz das tranças que o FC Porto raptou

4. Abazaj, o albanês que não aceita jantares

5. Eskilsson, o rei leão de 88 é um ás no poker

6Baltazar, o «pichichi» desviado do Atl. Madrid

7. Emerson, nem ele acreditava que jogava aquilo tudo

8. Mapuata, o Renault 9 e «o maior escândalo de 1987»

9. Cacioli, o Lombardo que adbicou da carreira para casar por amor

10. Lula, da desconhecida Famalicão às portas da seleção portuguesa

11. Samuel, a eterna esperança do Benfica

12. Lars Eriksson, o guarda-redes que sabe que não deu alegrias

13. Wando, um incompreendido

14. Doriva, as memórias do pontapé canhão das Antas

15. Elói, fotos em Faro e jantares em casa de Pinto da Costa

16. Dinis, o Sandokan de Aveiro

17. Pedro Barny, do Boavistão e das camisolas esquisitas

18. Pingo, as saudades de um campeão do FC Porto

19. Taira, da persistência no Restelo à glória em Salamanca

20. Latapy, os penáltis com a Sampdória e as desculpas a Jokanovic

21. Marco Aurélio, memórias de quando Sousa Cintra se ria do FC Porto

22. Jorge Soares e um célebre golo de Jardel

23. Ivica Kralj e uma questão oftalmológica

24. N'Kama, o bombista zairense

25. Karoglan, em Portugal por causa da guerra

26. Ronaldo e o Benfica dos vinte reforços por época

27. Tuck, um coração entre dois emblemas

28. Tueba, ia para o Sporting, jogou no Benfica e está muito gordo

29. Krpan, o croata que não fazia amigos no FC Porto

30. Walter Paz, zero minutos no FC Porto

31. Radi, dos duelos com Maradona à pacatez de Chaves

32. Nelson Bertollazzi eliminou a Fiorentina e arrasou o dragão

33. Mangonga matou o Benfica sem saber como

34. Dino Furacão tirou um título ao Benfica e foi insultado por um taxista

35. António Carlos, o único a pôr Paulinho Santos no lugar

36. Valckx e do 3-6 que o «matou»

37. Ademir Alcântara: e a paz entre Benfica e FC Porto acabou

38. Chiquinho Conde, impedido de jogar no Benfica por Samora Machel

39. Bambo, das seleções jovens a designer de moda em Leeds

40. Iliev, sonhos na Luz desfeitos por Manuel José

41. Panduru, num Benfica onde era impossível jogar bem

42. Missé Missé, transformado em egoísta no Sporting

43. Edmilson: Amunike e Dani taparam-lhe entrada num grande

44. Jamir: «Gostava de ter dado mais ao Benfica»

45. Donizete continua um «benfiquista da porra»

46. Leandro Machado: «Se fosse mais profissional...»

47. Bobó, a última aposta de Pedroto

48.  Rufai, o Príncipe que não quis ser Rei

49.  Mandla Zwane, a pérola de Bobby Robson

50. Vítor Paneira e os trintões que quiseram ser como ele

51.  Jorge Andrade, o FC Porto foi a maior deceção da carreira

52. Amunike e uma faca apontada a Sousa Cintra

53. Caio Júnior, ás em Guimarães

54. Luisinho: «Quem sabe jogar não precisa bater»

55. Marcelo: «Autuori preferiu Pringle, mas não ficou a ganhar»

56. Zé Carlos, o homem que Artur Jorge dizia ter «bunda grande»

57. Douglas: «Sousa Cintra entrou no balneário a pedir para eu jogar»

58. Ricky, nem Eusébio lhe valeu a titularidade no Benfica

59. Geraldão: «No FC Porto era obrigatório odiar Benfica e Sporting»

60. Paulo Nunes: «No Benfica não recebia e ainda queriam multar-me»