DESTINO: 90's é uma rubrica do Maisfutebol: recupera personagens e memórias dessa década marcante do futebol. Viagens carregadas de nostalgia e saudosismo, sempre com bom humor e imagens inesquecíveis. DESTINO: 90's.

ARTUR: Boavista (1992 a 1996) e FC Porto (1996 a 1999)

FC Porto na Liga dos Campeões, 16 pontos, recorde igualado. Já não se via tal coisa desde a temporada de 1996/1997. 22 anos passam a correr à velocidade de Artur, Rei Artur.

Quem? Nada mais, nada menos do que o autor do primeiro golo do FC Porto nessa Champions. Onde? No mítico San Siro e numa vitória extraordinária dos dragões no templo do Milan, 3-2.

Coincidência das coincidências: onde anda Artur? Tchan-tchan-tchan-tchaaaan! Na cidade do Porto, a visitar o filho Arturzinho e a matar saudades. Pois bem, após dois telefonemas, o Maisfutebol marca encontro com Artur numa unidade hoteleira da Invicta, minutos depois do jogo do Oliveira do Douro.

«É, o meu filho joga no clube que tem o João Pinto como presidente honorário».

Artur mantém o porte elegante, o sorriso contagiante e o discurso carregado de boas histórias. Altura perfeita, pois, para voltar a esse icónico AC Milan-FC Porto, mas também para recordar as proezas do antigo avançado, agora treinador, com a camisola do Boavista.

No inverno da cidade do Porto, que tão bem conhece, Artur faz uma viagem no tempo e confessa ter enorme vontade de voltar a viver no nosso país. «Realizei-me aqui como avançado, acho que também o posso fazer como treinador.»

Artur Duarte de Oliveira, 48 anos, o menino de Rio Branco, no Estado do Acre. Treinador de futebol e proprietário da arena Artur Soccer.

Se o leitor passar por aquelas bandas, já sabe onde pode jogar uma futebolada com amigos.

VÍDEO: o golo de Artur no AC Milan-FC Porto (1m20s)

Maisfutebol – O FC Porto fez agora 16 pontos na Champions. Igual só na época 1996/97, com o Artur na equipa. E uma vitória épica em San Siro a abrir.

Artur – Não me esqueço do dia: 11 de setembro de 1996, a minha estreia na Liga dos Campeões. Vencemos um poderoso Milan, o papa-tudo da Europa. Esse jogo deu-nos uma força maravilhosa, provou-nos que podíamos ganhar a qualquer equipa em qualquer lugar. Percebemos em Milão que tínhamos tudo para chegar ao ‘tri’. Depois desse jogo fomos jogar à Luz e demos cinco ao Benfica. Fiz um jogo quase perfeito e no final da partida recebi os parabéns de um homem muito especial.

MF – De quem, Artur?

A – Do senhor Eusébio. Essa noite foi mágica também. Aliás, acho que os meus três jogos mais marcantes são esses de Milão, 5-0 na Luz e a final do Jamor em que marquei de pontapé de bicicleta ao Sp. Braga.

Os jogadores utilizados no Benfica-FC Porto: 0-5

MF – Como é que o António Oliveira preparou esse jogo no San Siro?

A – O António sabia que o Milan era nessa altura, talvez, a melhor equipa da Europa. Se vencêssemos ali… bem, a equipa ia ter uma força emocional enorme. Jogámos com três centrais [Aloísio, Jorge Costa e Lula], dois médios muito fortes [Paulinho e Barroso] e depois gente com velocidade e técnica. Fomos muito fortes trás e talentosos na frente. A minha melhor memória desse jogo é a camisola que tenho em casa. Pertencia ao senhor Paolo Maldini.

MF – O Artur sentou esse senhor no golo que marcou.

A – É verdade, sim. No final do jogo estávamos a sair e o Maldini olhou para mim. Pedi-lhe para trocar de camisola e ele foi um cavalheiro, mesmo depois de perder.

MF – Há outra imagem forte do Artur nesse jogo.

A – A vomitar? (risos) Foi depois do meu golo. Acho que bebi muito Isostar ao intervalo. E, claro, a sensação e a emoção do golo... tudo mexeu comigo. Ah, lembrei-me de outro jogo fantástico ao serviço do FC Porto.

MF – Fale-nos dele. Contra quem?

A – Benfica: saltei do banco, joguei 30 minutos, ganhámos 2-0 e eu marquei os dois golos. Esse jogo tem uma história engraçada.

MF – Vamos ouvi-la.

A – O Paulo Autuori estava no Flamengo e desafiou-me a ir para lá. Disse-me até que se eu fosse para o Flamengo ele tinha a indicação de que o Mário Zagallo me levaria à seleção do Brasil. Bem, expus a situação ao presidente, ao treinador Oliveira… era uma oportunidade única, mas o FC Porto não me deixou sair. O presidente do Flamengo veio às Antas ver-me nesse jogo e por isso o Oliveira colocou-me no banco. Para me esconder (risos).

MF – Ficou chateado?

A – Sim, fiquei, mas depois tive uma conversa com o mister e ficou tudo certo. Foi uma conversa boa, longa. Eu expliquei-lhe de onde vinha, como tinha chegado ao Porto e sublinhei a importância de jogar no Flamengo e pelo Brasil. Mas o Oliveira queria o tetra e não me libertou. Principalmente depois do que eu fiz nesse jogo contra o Benfica.

MF – Lembra-se do jogo?

A – Claro. Estava 0-0, o Benfica estava a jogar melhor, o Porto estava mal. E eu consegui mudar tudo. Tudo o que o mister me mandou fazer, eu fiz ao contrário (risos). Na primeira bola saí da direita para o meio e na segunda também foi um lance individual, fintei o PreudHomme. O Oliveira tinha-me pedido outras coisas, mais posse de bola, mas eu senti que aquela defesa do Benfica era frágil e lenta.

VÍDEO: os dois golos de Artur ao Benfica em 1998

MF – O Artur fez 82 jogos em dois anos no FC Porto, mas saiu a meio da terceira época. Porquê?

A – Tive um convite do Vitória da Bahia, do Ricardo Gomes. E nessa terceira época no FC Porto estava a jogar menos vezes. Sempre a sair do banco de suplentes. E houve um jogo em que stressei com o Fernando Santos. Eu queria estar sempre em campo e reagi impulsivamente contra ele. Achei que era bom voltar ao Brasil. Se fosse hoje, provavelmente, decidiria de forma diferente.

MF – É verdade que recusou representar a seleção de Portugal?

A – Sim, confirmo isso. O selecionador Artur Jorge chegou a reunir comigo. Mas eu não achava justo ocupar a vaga de um português e tinha a esperança de jogar pelo Brasil. Fiquei no meio das duas seleções e não joguei por nenhuma (risos). Mas, se pudesse voltar atrás, teria jogado por Portugal.

MF – Chegou a Portugal e ao Boavista em 1992. Há 26 anos.

A – E eu lembro-me de tudo. Digo sempre aos meus atletas que um jogo pode mudar uma vida e esse foi o meu caso.

MF – Como assim?

A – Vim para o Boavista à experiência. Alguém me observou numa cassete VHS, quando eu jogava no Remo, e o presidente Pinto da Costa mostrou logo interesse em mim.

 

Artur com a famosa camisola axadrezada do Boavista

MF – Pinto da Costa? Mas não veio para o FC Porto.

A – Calma, eu explico (risos). O Pinto da Costa viu a cassete e pediu ao saudoso Carlos Alberto Silva para me observar ao vivo no Brasil. Mas o CAS disse que já tinha escolhido outro avançado, o Paulinho César, e que o plantel do FC Porto já estava bem servido de atacantes. É aí que aparece o Boavista.

MF – Numa conversa entre o Pinto da Costa e o major Valentim?

A – Presumo que sim. As imagens chegaram ao major e ele pediu ao Remo se eu podia vir treinar à experiência alguns dias. Queriam ver se eu era o mesmo jogador da cassete. Eu aceitei de imediato, claro. Sem problema. Se eu jogava bem lá, também podia jogar bem cá. Cheguei ao Boavista e fui logo lançado num jogo do Torneio Internacional da Cidade do Porto.

MF – Contra quem?

A – FC Porto (risos). Marquei um golão, ganhámos a final e as pessoas do Boavista já não me deixaram voltar ao Brasil. A minha esposa estava grávida, mas o major disse que a minha filha tinha de nascer no Porto. E nasceu. Foi uma estreia abençoada num jogo com os dois clubes que representei em Portugal. O Boavista abriu-me as portas, preparou-me para jogar no Porto e ser campeão de Portugal. Ganhei uma taça, disputei uma Liga dos Campeões, enfim, fui muito feliz nos dois lados. Amo os dois clubes.

VÍDEO: a estreia de Artur com um golaço ao FC Porto (57s)

MF – Já falou do major. E o Manuel José, como era a sua ligação a esse treinador?

A – Tive dois presidentes extraordinários, no Boavista e no Porto, e dois grandes treinadores, Manuel José e António Oliveira. Os dois eram exigentes, adoravam bom futebol, nunca estavam satisfeitos, davam broncas todos os dias, mas faziam tudo por nós. Souberam tirar o melhor de mim. Cheguei ao Boavista como um bom jogador, o Manuel José lapidou-me e no FC Porto já era um avançado de topo.

MF – Esse Boavista já ameaçava os três grandes.

A – Era muito difícil alguém vencer o Boavista no Bessa. Podíamos perfeitamente ter sido campeões nacionais antes de 2001. O problema é o peso que os três grandes têm no país: adeptos, comunicação social… agora vejo o Boavista a lutar, a reerguer-se, tem um treinador [Jorge Simão] muito competitivo. Aproveitei estes dias em Portugal para ver o Boavista, o FC Porto e também fui ver o Paços de Ferreira do Vítor Oliveira.

MF – Quem eram as grandes figuras desse seu Boavista?

A – Marlon Brandão, o meu amigo Marlon. Ele dizia sempre ‘Artur, quando eu tiver a bola fica atento, porque a bola vai ter contigo’. Enfim, as coisas no Boavista começaram a correr-me bem desde o início e o Marlon teve grande responsabilidade nisso. O ambiente no Boavista era fantástico e no FC Porto também fui muito bem recebido. Mal cheguei lá o João Pinto agarrou-me no braço e disse: ‘queremos o Artur que jogava contra nós e nos marcava golos, ouviste’? (risos)

MF – Brincadeiras no balneário do Bessa, muitas?

A – Muitas, muitas, principalmente com o Bobó. Nos dias de banhos e massagens, ou quando íamos para a sauna, atirávamos sempre um balde de água gelada ao Bobó. Ele detestava água fria e vinha sempre atrás de nós, a dizer palavrões. Uma figuraça.

MF – O Artur chegou a ser o terceiro melhor goleador do campeonato ainda no Boavista: 18 golos em 94/95.

A – E nessa época estive dois meses sem jogar. Tive um grave acidente de viação, num cruzamento na Senhora da Hora, e apanhei o maior susto da minha vida. Só me lembro de acordar no hospital com três costelas partidas, o baço perfurado, a clavícula fraturada. Foi sério. O meu primeiro jogo depois dessa paragem foi em Espinho.

FC Porto 1996/97: Rui Correia, Lula, Kenedy, João M. Pinto, Capucho e Chippo (em cima);

Doriva, ARTUR, Sérgio Conceição, Paulinho e Rui Barros (em baixo) 

MF – O Artur levava muita pancada. Era um avançado franzino, rápido e que procurava os duelos individuais.

A – Quanto mais me batiam, mais eu ia para cima deles. Eu não tinha medo. Pegava na bola e só tinha olhos na baliza. Aprendi isso com o meu ídolo Marecildo, que eu via jogar na minha cidade. Era um ‘10’ extraordinário. O meu pai era torcedor do Rio Branco e levava-me aos jogos e treinos. O Marecildo foi sempre a minha inspiração. Eu era muito rápido com bola e sem bola, o que é diferente.

MF – Qual foi o defesa mais agressivo que apanhou na vida?

A – Tantos, tantos… enfrentei defesas fantásticos. Ricardo Gomes e Mozer, Fernando Couto, Aloísio e Jorge Costa, Bermudez e Gamarra, Marco Aurélio e Valckx. Só grandes nomes. Depois Maldini, Baresi e Hierro na Champions. Agora é mais fácil jogar.

MF – Ficou quatro anos no Boavista e em 1996 chegou ao FC Porto. Consequência lógica de tudo o que fez no Bessa?

A – Sim, sem dúvida. Tanto é assim que antes de assinar pelo FC Porto eu cheguei a ter tudo apalavrado com o Benfica.

MF – O que falhou para não ter ido para a Luz?

A – Reuni-me com o Paulo Autuori e o Toni, os técnicos. Aceitei o que eles me ofereceram, mas os clubes não chegaram a acordo e acho que houve uma discussão entre o Gaspar Ramos e o major. Entretanto, o senhor Pinto da Costa soube que eu andava a falar com o Benfica e disse ao major que eu não ia para lado nenhum, ia era para o Porto (risos).

MF – E assim foi.

A – Eu não queria sair de Portugal sem ser campeão nacional. E cheguei a entendimento com o Porto. Continuei na cidade e fui para o clube mais forte do país. Era um namoro antigo, até foi o senhor Bobby Robson a fazer o primeiro contacto.

Boavista 1992/1993: Alfredo, Bobó, Nogueira, Barny, Nelo e Rui Bento (em cima);

Paulo Sousa, Ricky, Marlon Brandão, ARTUR e Tavares (em baixo)

MF – E no FC Porto, muitas memórias de brincadeiras também?

A – No FC Porto ganhei tudo, treinei como nunca, vi o que era de facto um clube conquistador. Mas havia tempo para brincar e no balneário tínhamos dois reis: o João Pinto e o Paulinho Santos. Praxavam sempre os jogadores novos. O rapaz chegava, sentava-se numa poltrona e começavam a falar com ele, muito sérios. De repente aparecia o João ou o Paulinho com um balde. Era cada banho!

MF – Como vai a carreira de treinador do Artur no Brasil?

A – Bem, fiz agora um excelente trabalho no Bragantino. O clube estava há 11 anos na segunda divisão estadual e conseguimos finalmente subir. Em 2019 o clube terá o privilégio de disputar a Copa do Brasil.

MF – O Artur vai continuar por lá?

A – Não, não vou. Vou trabalhar noutro clube, tenho alguns convites e estou a decidir.

MF – Algum convite é aqui de Portugal?

A – Infelizmente não (risos). Gostaria de triunfar em Portugal como técnico, depois de ter triunfado como avançado. Tudo depende de uma oportunidade. Tenho-me preparado para isso e gostaria muito, claro.

MF – O Artur era um avançado que ‘ia para cima’ do defesa, sem medo. Como são as suas equipas agora?

A – São a minha cara (risos). Gosto de treinar equipas ambiciosas, ofensivas, sempre com a preocupação de jogar bom futebol. Detesto equipas encolhidas. Claro que tem de haver equilíbrio, mas com bola exijo um futebol atraente e muito ofensivo.

MF – Tem prazer na sua vida como treinador ou preferia ser futebolista?

A – Ser avançado era muito mais fácil. O importante agora é ser respeitado pelo grupo de trabalho. Sinto que tive sempre os meus grupos na mão. E é fundamental ser justo com os atletas. Se isso não acontecer, o treinador perde o balneário.

MF – Chegou a ter um cargo político no Estado do Acre. Isso está colocado de parte?

A – Foi uma experiência fugaz. Um amigo meu pediu-me uma ajuda, mas a política não faz parte da minha vida. Ainda bem que isso está ultrapassado.

MF – Tem um filho, o Artur Júnior, a jogar no Oliveira do Douro. Faz questão de seguir de perto a carreira dele?

A – Venho a Portugal duas ou três vezes por ano. Tenho três filhos. Uma menina de 6 anos e outra de 25. O Artur tem 23 e nasceu cá no Porto. Morei oito anos em Portugal, fui muito feliz, fiz vários amigos e Portugal vai estar sempre ligado à minha vida. Acima de tudo quero que os meus filhos sejam felizes também e sigam os exemplos de simplicidade dos pais. O Arturzinho fez um ano na formação do FC Porto, nos Sub19, e depois voltou ao Brasil. Mas agora já está cá pelo terceiro ano seguido. Jogou no Coimbrões e está no Oliveira de Douro, um clube que tem como presidente de honra o grande João Pinto. Nesta visita não estive com o meu capitão, mas dei um abração ao Rui Barros, ao Tulipa, ao Semedo, ao Fernando Gomes, a essa gente maravilhosa.

MF – E esteve com o Mário Jardel.

A – Os nossos filhos foram colegas de equipa na Ovarense. Estamos velhos (risos)! Com o Jardel nós sabíamos que o golo andava sempre por perto. A jogar de cabeça, sinceramente, nunca vi ninguém como o Mário. Ele ajudou muito o Porto, acho que os mais jovens não têm a noção de quem foi ele. É um rapaz bom, meio infantil, brincalhão. E mortífero na área. Eu, o Drulovic e o Edmilson aproveitávamos bem.

OUTROS DESTINOS:

1. Adbel Ghany, as memórias do Faraó de Aveiro

2. Careca, meio Eusébio meio Pelé

3. Kiki, o rapaz das tranças que o FC Porto raptou

4. Abazaj, o albanês que não aceita jantares

5. Eskilsson, o rei leão de 88 é um ás no poker

6Baltazar, o «pichichi» desviado do Atl. Madrid

7. Emerson, nem ele acreditava que jogava aquilo tudo

8. Mapuata, o Renault 9 e «o maior escândalo de 1987»

9. Cacioli, o Lombardo que adbicou da carreira para casar por amor

10. Lula, da desconhecida Famalicão às portas da seleção portuguesa

11. Samuel, a eterna esperança do Benfica

12. Lars Eriksson, o guarda-redes que sabe que não deu alegrias

13. Wando, um incompreendido

14. Doriva, as memórias do pontapé canhão das Antas

15. Elói, fotos em Faro e jantares em casa de Pinto da Costa

16. Dinis, o Sandokan de Aveiro

17. Pedro Barny, do Boavistão e das camisolas esquisitas

18. Pingo, o pedido de ajuda de um campeão do FC Porto

19. Taira, da persistência no Restelo à glória em Salamanca

20. Latapy, os penáltis com a Sampdória e as desculpas a Jokanovic

21. Marco Aurélio, memórias de quando Sousa Cintra se ria do FC Porto

22. Jorge Soares e um célebre golo de Jardel

23. Ivica Kralj e uma questão oftalmológica

24. N'Kama, o bombista zairense

25. Karoglan, em Portugal por causa da guerra

26. Ronaldo e o Benfica dos vinte reforços por época

27. Tuck, um coração entre dois emblemas

28. Tueba, ia para o Sporting, jogou no Benfica e está muito gordo

29. Krpan, o croata que não fazia amigos no FC Porto

30. Walter Paz, zero minutos no FC Porto

31. Radi, dos duelos com Maradona à pacatez de Chaves

32. Nelson Bertollazzi eliminou a Fiorentina e arrasou o dragão

33. Mangonga matou o Benfica sem saber como

34. Dino Furacão tirou um título ao Benfica e foi insultado por um taxista

35. António Carlos, o único a pôr Paulinho Santos no lugar

36. Valckx e o 3-6 que o «matou»

37. Ademir Alcântara: e a paz entre Benfica e FC Porto acabou

38. Chiquinho Conde, impedido de jogar no Benfica por Samora Machel

39. Bambo, das seleções jovens a designer de moda em Leeds

40. Iliev, sonhos na Luz desfeitos por Manuel José

41. Panduru, num Benfica onde era impossível jogar bem

42. Missé Missé, transformado em egoísta no Sporting

43. Edmilson: Amunike e Dani taparam-lhe entrada num grande

44. Jamir: «Gostava de ter dado mais ao Benfica»

45. Donizete continua um «benfiquista da porra»

46. Leandro Machado: «Se fosse mais profissional...»

47. Bobó, a última aposta de Pedroto

48. Rufai, o Príncipe que não quis ser Rei

49. Mandla Zwane, a pérola de Bobby Robson

50. Vítor Paneira e os trintões que quiseram ser como ele

51. Jorge Andrade, o FC Porto foi a maior deceção da carreira

52. Amunike e uma faca apontada a Sousa Cintra

53. Caio Júnior, ás em Guimarães

54. Luisinho: «Quem sabe jogar não precisa bater»

55. Marcelo: «Autuori preferiu Pringle, mas não ficou a ganhar»

56. Zé Carlos, o homem que Artur Jorge dizia ter «bunda grande»

57. Douglas: «Sousa Cintra entrou no balneário a pedir para eu jogar»

58. Ricky, nem Eusébio lhe valeu a titularidade no Benfica

59. Geraldão: «No FC Porto era obrigatório odiar Benfica e Sporting»

60. Paulo Nunes: «No Benfica não recebia e ainda queriam multar-me»

61. King e o sonho que morreu na marginal de Carcavelos

62. Lipcsei, num FC Porto que só teve rival em 2004

63. Alex, lenda do Marítimo: «Até Baggio me pediu a camisola»

64. Amaral: «Abaixo de Deus, o Benfica!»

65. Paulo Pereira e o polémico processo de naturalização no Benfica

66. Silas e o 'chapéu' ao Ajax: «Ate esgotámos o stock de marisco»

67. Magnusson: 87 golos no Benfica e nem um ao FC Porto

68. Zahovic e um coração dividido entre FC Porto e Benfica

69. Edmilson: «Nos 5-0, até os adeptos do Benfica bateram palmas»

70. Scott Minto: «Benfica era um gigante a dormir num manicómio»

71. Paulinho Cascavel e o Moët & Chandon de Guimarães

72. Paulinho César: «Falhei de baliza aberta no Bessa e morri no Porto»

73. Pesaresi: «Eu e o Porfírio eramos os bons malucos do Benfica»

74. Butorovic, feliz quando o FC Porto ganha

75. Paredão, que em Inglaterra esteve para ser The Wall

76. Lemajic: «Nos 6-3 ainda defendi mais quatro ou cinco»

78. Esquerdinha: «Estava a mudar de roupa e entraram aos gritos: Penta!»

79. Alessandro Cambalhota: «Para Fernando Santos eu não levava nada a sério»

80. Gary Charles: «Saí do Benfica, estive preso e agora salvo vidas»

81. Vujacic: «Para haver tantos sportinguistas, tem de ser amor»

82. Rafael: «Queriam o quê, que tirasse o lugar ao Deco?»

83. Basaúla: «Qual é o mal de uma cerveja?»

84. Everton: «Um guarda-redes ou é louco ou é gay»

85. «Já disse aos amigos benfiquistas, penta é o Quinzinho»

86. Timofte: «O meu pé esquerdo era melhor do que o do Hagi»

87. Victor Quintana: «Era tosco, mas posso dizer que joguei no Porto»

88. Kostadinov: «O Domingos adorava chá, foi o tipo mais inteligente que vi»

89. Glenn Helder: «Perdi tudo no casino e no divórcio, mas a bateria salvou-me»

90. Tony Sealy: «O Vítor Damas era o Sean Connery, o 007 do Sporting»