Artigo original: 11h22

Uma grande confusão: os clubes da II Liga decidiram esta segunda-feira voltar atrás com o acordo que tinha sido anunciado pela manhã e mandatar a Liga de Clubes, através do presidente Pedro Proença, e a Comissão de Clubes da II Liga, através do presidente José Godinho, para renegociar a venda dos direitos televisivos.

A renegociação, refira-se, vai ser feita com a operadora Meo na mesma.

Esta foi a principal conclusão de uma reunião realizada esta noite na seda da Liga de Clubes e na qual participaram os 19 clubes emblemas do escalão secundário: excluem-se obviamente as cinco equipas B.

Recorde-se que a Comissão de Clubes da II Liga tinha anunciado de manhã ter chegado a acordo com a Meo para vender os direitos de transmissão televisiva de todos os clubes.

 

De acordo com o presidente da comissão, José Godinho, que é também presidente da Oliveirense, o acordo era de 500 mil euros por ano, por cada clube, e incluía a venda dos direitos televisivos e de publicidade nas costas da camisola.

 

A Meo ficaria obrigada a transmitir jogos da II Liga, embora ainda não estivesse ainda definido em que plataforma, e ficava previsto também que se conseguir vender os jogos para o mercado asiático os clubes teriam direito a 30 por cento do valor do negócio.

A Liga de Clubes, no entanto, tinha conseguido na passada sexta-feira um acordo melhor, no valor total de 10,85 milhões de euros por ano: ou seja, pouco mais de 570 mil euros por ano, para cada clube. Ora foi isso que transmitiu esta noite aos 19 clubes da II Liga, na tal reunião realizada no Porto.

Ao fim de várias horas de reunião, e de muita discussão, foi decidido fazer um retrocesso no inicialmente traçado pelos clubes, com o acordo de princípio conseguido pela Comissão de Clubes a ser abandonado. 

Os clubes decidiram então mandatar a referida Comissão de Clubes e a Liga de Clubes para trabalhar em conjunto, numa espécie de centralização, na procura da venda dos direitos financeiramente mais alta. 

No entanto este é um processo com várias condicionantes. Por um lado há clubes que admitiram já ter assinado com a NOS, e pediram à Liga de Clubes um parecer jurídico sobre como abandonar esses contratos.

Por outro lado há cinco clubes - Chaves, Farense, Académico Viseu, Famalicão e Aves - que já assinaram com a Meo, o que pode provocar a necessidade de se fazer mais do que um contrato para alguns clubes.