Já integrado no grupo de trabalho alvinegro, o avançado mudou o chip, elogiou os novos companheiros e considerou que a mudança para a Madeira foi fundamental para reencontrar a felicidade e os golos.

«Tive que renascer para os golos porque no último ano não estava num clube adequado para mim. Este ano vim para um clube grande onde posso fazer mais golos. Com a ajuda dos meus colegas, que são grandes jogadores, torna-se mais fácil marcar», considerou o goleador que aterrou este ano na Choupana proveniente do Benfica.

Esta temporada está, de resto, a ser completamente diferente da anterior para o camisola 27 dos insulares. Em três jornadas, Djaniny já festejou por duas vezes, enquanto em 2011/12 apenas conseguiu apenas um golo pelo Benfica B. A ambição é continuar a marcar para trilhar um caminho rumo à Liga Europa.

«Estamo-nos a sentir confiantes com a primeira vitória, tornamo-nos mais fortes e temos trabalhado para manter este rumo e alcançar um novo triunfo já no próximo jogo. É sempre importante ganhar em casa e vamos entrar com a máxima força para garantir os pontos possíveis», projetou o avançado que despontou em Portugal ao serviço da União de Leira.

Embora tenha ficado em branco ao serviço da seleção de Cabo Verde, Djaniny não esconde o orgulho de pertencer a uma geração que pode ficar para sempre na história do futebol, ao garantir o apuramento para o Mundial. Ainda não está nada conseguido, mas o objetivo é claro: estar no Brasil em 2014.

«Fizemos um grande jogo com o Tunísia, construímos história e Cabo Verde está a subir a pouco e pouco graças ao trabalho deste grupo de jogadores. Agora espero que consigamos ir ao Mundial. É o sonho de qualquer cabo-verdiano. Somos um país pequeno, mas estamos a demonstrar que temos grande qualidade», rematou cheio de orgulho em fazer parte de uma página importante do futebol africano.