Domingo à tarde é uma rubrica do Maisfutebol, que olha para o futebol português para lá da Liga e das primeiras páginas. Do Campeonato de Portugal aos Distritais, da Taça de Portugal aos campeonatos regionais, histórias de vida e futebol.

«Quando cheguei a Portugal foi difícil aprender português e sabe porquê? No Algarve só falavam inglês»

Quando aos 16 anos trocou a Geórgia por Portugal, Avtandil já tinha em mente o sonho de ser futebolista.

Os amigos, as brincadeiras de rua, as aventuras da adolescência, tudo isso ficou para trás em nome de um objetivo maior.

Em Tbilisi a vida era pacata. Terra de costumes e tradições vincadas, com natureza, sol, praia, um pouco de história em cada esquina, e uma paixão comum a todos os habitantes: o futebol.

Lá o futebol está sempre em primeiro, as pessoas só falam disso, nas ruas é só camisolas das equipas. A liga vai evoluindo aos poucos, porque o fator económico é importante, mas quando joga a seleção é uma festa enorme. No râguebi os estádios também enchem, porque é uma das melhores equipas do mundo. Isso também traz alegria ao meu povo»

À pergunta lançada pelo Maisfutebol, Avtandil respondeu com traços de emoção na voz, essa que finalmente já se deixou entrelaçar num português quase perfeito.

Aos 25 anos, nove após ter deixado a cidade-natal, Avto - diminutivo adotado em Portugal para facilitar a coisa – voltou a ser importante em mais uma época do Gil Vicente e recordou a vinda para Portugal como se tivesse sido ontem.

Os primeiros toques foram dados nas ruas da capital georgiana, nas habituais peladinhas de rua, de bairro por vezes, com pedras a fazer de postes. Quem nunca…

Desde os 6 anos que alinhava nas escolinhas do Dínamo Tbilisi, um dos «grandes» da Geórgia, mas o tempo e as oportunidades começavam a estreitar, pelo que mudou de ares.

Decidiu, então, sair de casa e rumar a Lagos, onde o pai trabalhava há algum tempo.

«Estava bem em Tbilisi, mas vim porque queria jogar futebol e pensei que em Portugal teria mais oportunidades de me tornar profissional», explicou.

A adaptação foi fácil, garantiu. O sol e o mar que deixara na capital georgiana reencontrou na cidade algarvia.

Pensei que tinha de começar por algum lado e consegui um lugar no Esperança de Lagos. Aprendi muitas coisas lá e fui criando amizades. Não sabia falar português, mas no Algarve falavam muito inglês. De português só aprendia as asneiras. Típico (risos)»

Avto com a camisola do Esperança de Lagos (foto: arquivo pessoal)

Do «portunhol» à mãozinha de Deus

O jovem extremo não tardou em dar nas vistas ao serviço do Esperança, ao ponto de os espanhóis do Getafe terem proposto um período à experiência na equipa de juniores. Devido ao «limite de estrangeiros» não conseguiu ficar no país vizinho, regressando à «segunda casa».

Mas não veio de mãos a abanar.

«É engraçado porque, enquanto estudava em Espanha, aprendi muito bem o espanhol. Depois, quando voltei a Portugal, entendia tudo o que as pessoas diziam. Foi a partir do espanhol que aprendi a falar português, mesmo sem aulas. Os espanhóis têm a mania de dizer que não percebem português. Impossível, as línguas latinas têm muitas parecenças», afirmou.

Já a dar uns toques na língua de Camões, Avto rumou ao Juventude de Évora, «um capítulo bonito» na vida do jogador, conforme explicou. É que, para além do gosto pelo futebol, o georgiano não resiste ao gosto pela comida.

«Na Geórgia, a gastronomia é boa, mas não sabia que a comida alentejana era tão boa. Fiquei maluco! E aquele sotaque…adorei viver em Évora. Ainda assim, o meu prato preferido é francesinha, sem dúvida»

O georgiano (direita) esteve uma época no Juventude de Évora (foto: arquivo pessoal)

De Évora partiu para Oliveira de Azeméis. O projeto da UD Oliveirense pareceu-lhe o ideal para prosseguir a ascensão na carreira. Tal como o treinador.

«Tinha 19 anos. O João de Deus observou-me e integrou-me. Sempre achou que podia chegar a um nível muito superior. Tudo o que aprendi a nível profissional foi com ele. Fizemos um campeonato muito bom, mas sabia que podia dar mais», indicou.

O golo nunca foi o seu forte, verdade seja dita. Até o próprio o reconhece. Ainda assim, tem tido sempre um papel ativo nas equipas por onde passa. Depois de quase 50 jogos na época de estreia pela UD Oliveirense, Avto não chegaria a cumprir um mês da época seguinte.

Isto porque o sonho de sempre concretizou-se.

«Só se ouvia falar do Mateus, Mateus, Mateus…»

João de Deus, o treinador que lhe estendeu a mão em Oliveira de Azeméis, iria voltar a dar-lhe um gostinho idêntico.

«Com 21 anos já queria muito jogar na I Liga. Sentia-me preparado, mas tinha contrato com a Oliveirense. Iniciei o segundo ano lá, mas no último dia de transferências falaram-me no Gil Vicente, que era de primeira. Sei que foi mesmo no último minuto do último dia de mercado, tudo a correr. E consegui», recordou.

O objetivo que trouxe para Portugal estava finalmente cumprido. Em 2013, no Gil Vicente, o extremo mostrou-se nos grandes palcos. A estreia fez-se diante do FC Porto e deixou antever coisas boas.

A época até correu de feição aos homens de Barcelos, que terminaram no 13.º lugar.

A temporada seguinte, contudo, foi  bastante diferente. Uma mudança de treinador, já com a época a decorrer, culminou na despromoção à II Liga.

«Assinei por quatro épocas, sei que na Liga podia chegar a outros níveis. No segundo ano, com a descida, fiquei muito em baixo, foi uma das minhas piores fases. Depois de 50 jogos na Liga, foi triste pensar que tinha de voltar à II Liga. Tinha ido à seleção, tinha clubes interessados e depois parece que ruiu tudo. Mas depois dei a volta. Queria continuar a mostrar o meu valor», contou.

Apesar da lesão que o afastou durante algum tempo, Avto fez 3 golos em cerca de 20 jogos esta época

Como se não bastasse a dor da descida, no Gil Vicente pairou sempre o fantasma do famigerado “Caso Mateus”.

Só se ouvia falar do Mateus, Mateus, Mateus. Acho ridículo andarmos há quase uma década nisto. As pessoas sofrem muito. Começámos a época com o cenário do possível regresso e ficámos entusiasmados, mas depois enrolou-se tudo, foi uma tristeza. Sei que se vai fazer justiça. É um clube com condições para estar na I Liga, mas tem de lutar para isso e subir, em vez de esperar por uma decisão. Passei por muito no Gil: alegrias, tristezas, descidas de divisão. Deu-me muito e vou guardá-lo no meu coração»

«Tenho vários interessados na I Liga»

O discurso acerca do Gil Vicente parece antever uma saída quase certa daquela que se tornou uma das referências do clube nos últimos quatro anos.

Embora não tenha afastado a hipótese de permanecer no clube, Avto assumiu que tem vários interessados, uma vez que se trata de um jogador livre.

Há vários interessados na Liga e no estrangeiro, mas sem propostas. Gostava de jogar num clube com um treinador que não tenha medo de jogar à bola, onde se lute por objetivos como a Liga Europa. Sei que posso chegar a um nível superior. Enquanto estive na Liga não tive problemas em assumir isso e sei que é o momento certo para chegar mais alto»

Aos 25 anos, Avto disse estar à espera de um salto que o volte a colocar de novo sob os holofotes de outrora e, com isso, regressar à seleção da Geórgia.

«Na II Liga não há tanta visibilidade, nem que seja porque a maioria dos jogos não é transmitida na TV. Enquanto estava na Liga era quase sempre chamado à seleção, mas isso mudou. Adorava poder voltar a representar o meu país», confessou.

Por agora, o extremo disse «aguardar com calma» o que o futuro lhe reserva.

«Adoro o jeito do Brahimi jogar, inspira-me muito. Não marco muitos golos, mas faço muitas assistências. Sou um jogador de equipa. De cabeça não sou muito forte, confesso (risos), e às vezes dizem que tenho de ser mais egoísta, mas com o tempo ganha-se essa experiência. Quem sabe se um dia não jogo com esses craques? O futebol dá muitas voltas...»

 

OUTROS TEXTOS DA RUBRICA «DOMINGO À TARDE»

Fez dupla com Jardel, teve Marco Silva como lateral e vive sonho em Merelim

O metralha de Mourinho que é «sargento» em Carcavelos

Carlos Manuel: o capitão dos Tigres que acordaram com o bairrismo

Tuck: o «eterno capitão» que liderou o «sonho» do Sacavenense

O «chico» que partia pratos foi herói em Oliveira de Azeméis

A «remontada» em Massamá (ou como tornar um sonho Real)

Triunfou em Setúbal, recusou o FC Porto e agora paga para jogar

O pupilo de Mourinho e Jesus rejuvenesceu em Fátima

Uma aventura no Vietname contada pelo homem que ama o Moreirense

O Klysman de Viseu levou os Trambelos à loucura

Sonho de Belém teve pesadelo em Guimarães mas ainda dura em Faro

Aos 28 anos tornou estas águias invencíveis nos distritais

Vila Fria 1980: o primeiro ponto ao fim de 19 jornadas

Jorge Ribeiro: da Luz à Rússia, o pé esquerdo com Faro de golo

Cresceu com o «patinho feio» de Alvalade, agora renasce no Barreiro

Do título à chamada de Mourinho: «Miúdo, logo vais à conferência»

De dia faz cadeiras, à noite é goleador em Gandra

Kadú: «No FC Porto tinha quem limpasse as botas, no Trofense não»

Amigo de Neymar corre atrás do sonho partilhado com Talisca

Amigo de Marco Silva foi herói em Sintra por um penalti

O amigo «galático do Campeonato de Portugal» de Cristiano Ronaldo

«Irmão» de Horta quer tombar Benfica: «Não pode ficar a rir»

Acidente quase lhe matou o sonho, Paulo Fonseca foi «anjo da guarda»

Há um Sócrates que lê livros de Ronaldo e fez dupla com Lucas João

Foi «menino de ouro» no Benfica e renasceu no Oeste

Jogou com Gelson, agora é Iniesta por culpa das miúdas

Rui Rêgo: a palestra de Jardim, uma alegria em Oblak e o sonho concretizado

Mortágua dos amores e golaços, inspirado pelos grandes

Tombou o Benfica, agora funde metal e brilha nos distritais

A melhor defesa da Europa, culpa de um «chato»

Um Mitroglou que quer bater Casillas com ideias de Jesus

Cresceu na sombra de Eto’o e fez um milagre em Fátima

Amigo de Óliver revê-se em Renato: «Uma chance e vou explodir»