«O que fez a diferença toda a gente viu. O lance do golo é fortuito, não se pode dizer que seja por mérito. Foi um jogo equilibrado, dentro do que perspectivávamos na primeira parte, na segunda sabíamos que tinha de ser forçosamente diferente. Aquele golo não ajudou em nada a nossa estratégia. Houve uma oportunidade para cada lado, não vejo situações em que o Benfica pudesse ter chegado ao golo. O resultado mais justo seria o empate.

[Questionado se o sonho do título se mantém] «Mau era se nesta altura desistíssemos, a seis jogos do fim e com 18 pontos em disputa. Reconhecemos que a margem do Benfica é boa, mas haverá jogos difíceis para ambos. De maneira nenhuma o sonho acaba aqui. Não é esse o sentimento que encontrei no balneário. Sentimos que o nosso dever foi cumprido, não em termos de resultado mas do que se passou no jogo. Demos aqui uma prova de que estamos nesta posição com mérito. A diferença entre o primeiro e o segundo classificado podem retirá-la deste jogo.»

[O que falta do campeonato] «O campeonato é uma prova de regularidade, será campeão quem for mais regular nos seis jogos que faltam. Vamos abordar o próximo como todos os anteriores. Vamos tentar amealhar o máximo de pontos e esperar que o Benfica não os faça. Vamos continuar a olhar para cima da mesma forma que até aqui. O que está à nossa frente é o que queremos. Está o primeiro lugar e é possível alcançá-lo. Temos todos os motivos e mais alguns para acreditar que esta equipa ainda pode fazer muito neste campeonato.»