Maisfutebol

França: as jogadoras

1
MYLÈNE CHAVAS (getty)

MYLÈNE CHAVAS

Data de Nascimento: 07.01.1998

Posição: Guarda-redes

Clube: Bordéus

É a grande consumidora de literatura da seleção, e lê George Orwell, Antoine de Saint-Exupéry e Ernest Hemingway, entre outros. Futura guarda-redes titular das bleues, tem sempre uma referência cultural à mão, e não tem medo de a partilhar. Também quer moldar o futuro do futebol feminino fora de campo, e foi delegada do clube junto da UNFP, o Sindicato de jogadores francês, quando estava no Dijon. Fez parte da seleção que venceu o Europeu sub-19 em 2016, junto com várias das jogadoras que estão hoje na seleção principal, incluindo Marie-Antoinette Katoto, Grace Geyoro, Delphine Cascarino e Clara Mateo.

2
ELLA PALIS (getty)

ELLA PALIS

Data de Nascimento: 24.03.1999

Posição: Médio

Clube: Bordéus

Palis pode ser a revelação deste Campeonato da Europa, tendo chegado recentemente à equipa e exibido todo o seu talento. Corinne Diacre adora as suas qualidades como médio defensivo, apesar de Palis usar habitualmente o número 10 na camisola. A selecionadora até pode fechar os olhos à sua falta de tempo de jogo no Bordéus, onde Bilbault está à frente dela nas opções. São rivais diretas também na seleção. «Ella demonstrou que pode jogar a este nível. Estou convencida. Mas ela tem de jogar e eu disse-lhe isso», explicou Diacre.

3
WENDIE RENARD (getty)

WENDIE RENARD

Data de Nascimento: 20.07.1990

Posição: Defesa Central

Clube: Lyon

Uma gigante do jogo, que venceu nada menos do que 14 campeonatos e oito Ligas dos Campeões com o Lyon. Nascida na Martinica, teve de superar a morte do pai, com cancro, quando tinha apenas oito anos, e mudou-se permanentemente para França aos 16 anos.

O seu sucesso transcendeu o desporto, e é uma figura muito popular em França. Em 2017 anunciou o seu apoio público a Emmanuel Macron, quando este se candidatou pela primeira vez à presidência, e ele agradeceu com elogios à jogadora no seu discurso de Ano Novo de 2020: «Ela teve uma época difícil, mas encontrou a força para vencer uma sétima Liga dos Campeões com o seu clube, um recorde, e para nos fazer sonhar neste período cinzento.»

4
MARION TORRENT (getty)

MARION TORRENT

Data de Nascimento: 17.04.1992

Posição: Lateral Direito / Defesa Central

Clube: Montpellier

Era um dia normal em Provença, no verão de 2004, quando um olheiro do Montpellier foi observar os melhores jovens jogadores da região. Foi uma viagem proveitosa, porque Valentin Eysseric, Bryan Dabo e Julien Lopez, que estavam lá nesse dia, tornaram-se jogadores profissionais. No entanto, foram todos ofuscados por uma menina, uma certa Marion Torrent, que tinha 12 anos na altura. Ela aceitou uma proposta do Montpellier, saiu de casa, e ainda não voltou. Raras vezes uma jogadora francesa foi tão associada a um clube e a uma cidade. O presidente do Montpellier, Louis Nicollin, costumava chamar-lhe “ma Chouchou” (a minha favorita). Recentemente assinaram um novo contrato, válido até 2026.

 

5
AÏSSATOU TOUNKARA (getty)

AÏSSATOU TOUNKARA

Data de Nascimento: 16.03.1995

Posição: Defesa Central

Clube: Atlético Madrid (Espanha)

Ambos os irmãos Tounkara alcançaram sucesso. Como o irmão Souleman, um modelo que já trabalhou com a Givenchy, Emporio Armani ou Prada, Aïssatou destacou-se na sua especialidade. A parisiense de origem gambiana pode bem ter a oportunidade de jogar ao lado de Renard no centro da defesa neste verão, em vez de Mbock, sua amiga dentro e fora de campo. A brincar, elas chamam-se uma à outra “ma fesse gauche” (minha nádega esquerda) e “ma fesse droite” (minha nádega direita). Tounkara é o lado direito, aparentemente. As duas jogadoras dizem que têm muito gosto em ser rivais na seleção.

6
SANDIE TOLETTI (getty)

SANDIE TOLETTI

Data de Nascimento: 13.07.1995

Posição: Médio

Clube: Levante (Espanha)

O pai de Toletti era treinador amador em Cavillargues, no sul de França, e a mãe era a secretária do clube, por isso não surpreende que Sandie tenha começado a jogar lá muito cedo (com os irmãos). Foi o início de uma rápida ascensão até à seleção. A construtora de jogo foi eleita melhor jogadora do Mundial sub-17, ganho pelas bleuettes, e depois foi chamada à seleção principal quando tinha 18 anos. Manteve-se na equipa entre 2013 e 2017, mas depois perdeu o lugar devido a várias lesões. Nunca desistiu, no entanto, e voltou finalmente a ser convocada em fevereiro de 2021.

7
SAKINA KARCHAOUI (getty)

SAKINA KARCHAOUI

Data de Nascimento: 26.01.1996

Posição: Lateral Esquerdo

Clube: Paris Saint-Germain

A alcunha de Karchaoui é “a influencer”. A jogadora natural da Provença é de longe a futebolista francesa mais popular nas redes sociais, tendo ultrapassado recentemente a marca de 500 mil seguidores no Instagram. Desde a estreia na seleção, em 2016, a sua exposição pública levou a acordos comerciais com marcas como a Louis Vuitton e a Pandora. Isso não quer dizer, no entanto, que ela tenha perdido o foco no futebol. «Se alguém vem entrevistar-me sem fazer perguntas sobre futebol, já não respondo, não me interessa», disse ao So Foot.

8
GRACE GEYORO (getty)

GRACE GEYORO

Data de Nascimento: 02.07.1997

Posição: Médio

Clube: Paris Saint-Germain

Nascida em Kolwezi, na República Democrática do Congo, Geyoro mudou-se para França aos dois anos, com a mãe, que queria «melhor vida e educação» para a filha e para o seu filho mais velho, Yann. Geyoro começou como guarda-redes por causa do irmão, que queria praticar o remate. Passado pouco tempo já estava a jogar à frente, no entanto, e foi rapidamente descoberta pelo PSG, onde chegou em 2012, aos 15 anos.

Uma líder natural, ela tornou-se capitã do PSG aos 24 anos, e teve de responder a questões embaraçosas por causa do caso Hamraoui (a internacional francesa agredida na rua em novembro, num caso que envolve outra companheira de equipa, Aminata Diallo). «Tentei ser justa e não tomar partido», disse à RMC Sport. O seu sonho para quando terminar a carreira é apresentar um programa de desporto na televisão.

9
MARIE-ANTOINETTE KATOTO (getty)

MARIE-ANTOINETTE KATOTO

Data de Nascimento: 01.11.1998

Posição: Avançada

Clube: Paris Saint-Germain

Se a França vencer o Europeu, Katoto estará entre as favoritas para vencer a Bola de Ouro feminina (e, claro, as 100 melhores do Guardian). A avançada, eleita melhor jogadora da primeira divisão francesa esta temporada, marcou um golo por jogo no campeonato. Na verdade, as suas performances salvaram o PSG de se afundar por completo na sequência do "caso Hamraoui". Para demonstrar o apoio à sua amiga Aminata Diallo, inicialmente acusada pelo ataque, mas posteriormente libertada sem acusação, ela festejou o seu bis frente aos Países Baixos, em fevereiro, fazendo um “A” com os dedos, mesmo à frente de Kheira Hamraoui, que estava no banco. A sua melhor amiga, Kadidiatou Diani, acompanhou-a na celebração.

10
CLARA MATEO (getty)

CLARA MATEO

Data de Nascimento: 28.11.1997

Posição: Médio

Clube: Paris FC

Engenheira formada em 2020, pela Ecole Polytechnique de Paris-Saclay, Mateo é a jogadora com nível académico mais elevado na seleção francesa. Natural de Nantes nunca quis deixar de estudar, mesmo depois de já se ter tornado internacional. «É uma questão de equilíbrio pessoal», disse ao Le Parisien. «Para limpar a cabeça e enriquecer a minha vida preciso de me afastar do futebol e ter outras conversas com outras pessoas. O futebol e os estudos caminham lado a lado na minha vida.» 

Mateo ganhou recentemente a titularidade na seleção orientada por Diacre.

11
KADIDIATOU DIANI (getty)

KADIDIATOU DIANI

Data de Nascimento: 01.04.1995

Posição: Avançada

Clube: Paris Saint-Germain

As companheiras de equipa de Diani chamam-lhe Beyoncé, a cantora cujas canções ela gosta muito de cantar, e cujo estilo procura imitar. «Gosto da elegância dela. Às vezes gosto de maquilhar-me antes dos jogos», disse Diani antes do Mundial de 2019.

Manter-se feminina foi sempre um objetivo: o pai não queria que a filha – a primeira menina a jogar na história do Vitry, um pequeno clube próximo de Paris – se tornasse uma maria-rapaz. «Mas quando ele viu que se estava a tornar mais sério, concordou que eu devia dedicar-me definitivamente ao futebol», recorda.

As melhores amigas de Kadidiatou na seleção são Aminata Diallo e Marie-Antoinette Katoto, que tem como agente o marido de Diani.

12
MELVINE MALARD (getty)

MELVINE MALARD

Data de Nascimento: 28.06.2000

Posição: Avançada

Clube: Lyon

É a única representante na equipa de Reunião, uma ilha francesa no meio do Oceano Índico. E, não se iludam, ela é um fenómeno. Aos 14 anos impressionou Sonia Bompastor, a atual treinadora do Lyon, ao terminar como melhor marcadora a Taça Nacional de sub-15. «O clube deu-me dois meses para pensar em ir para lá, mas só precisei de dois dias!», contou Malard. «Disse para mim própria: ‘É onde joga a Wendie Renard? Vou já atravessar o oceano!».

Depois de já ter vencido quatro vezes a Liga dos Campeões antes de completar 22 anos, Malard tem o potencial, tal como Renard, para se tornar um ícone e uma heroína para as jovens que vivem fora da França metropolitana.

13
SELMA BACHA (getty)

SELMA BACHA

Data de Nascimento: 09.11.2000

Posição: Lateral Esquerdo

Clube: Lyon

Com apenas quatro internacionalizações pelas bleues antes do Europeu, Bacha ainda não se tornou uma líder na seleção, mas isso pode bem mudar.

Uma coisa é certa: ela é uma boa conversadora. Em abril, a jogadora do Lyon chegou à final do concurso nacional de eloquência organizado pela federação, falando sobre o «Ser ou parecer, eis a questão». Bacha não venceu o concurso, mas a substituta de Karchaoui na seleção pode encontrar consolo no facto de já ter jogado, aos 21 anos, mais de 100 jogos pelo Lyon. A “irmã” dela na seleção francesa é Griedge Mbock.

14
CHARLOTTE BILBAULT (getty)

CHARLOTTE BILBAULT

Data de Nascimento: 05.06.1990

Posição: Médio

Clube: Bordéus

Bilbault tem um desafio em mãos: promover o futebol feminino em escolas primárias. Em paralelo à sua carreira, ela obteve um DEJEPS, um diploma estatal para a juventude, educação popular e desporto. O seu lema é: “As raparigas também têm direito a jogar”.

A jogadora do Bordéus é a primeira escolha para médio defensivo na seleção, e um dos primeiros nomes de Corinne Diacre na convocatória, deixando regularmente de fora, por exemplo, Amandine Henry ou Kheira Hamraoui. «Por vezes não escolhemos as melhores jogadoras, só queremos encontrar um equilíbrio na equipa», disse recentemente Diacre.

15
KENZA DALI (getty)

KENZA DALI

Data de Nascimento: 31.07.1991 (30)

Posição: Médio

Clube: Everton (Inglaterra)

Em 2015, três semanas depois de disputar o Campeonato do Mundo, Dali pensou que podia ter de deixar o futebol. Quando voltou aos treinos no PSG, ela teve de parar imediatamente. «Dei quatro passadas e senti que estava a ser apunhalada no joelho. Não conseguia correr», contou à Surface Magazine. Era uma variante rara de síndrome da banda iliotibial, que é difícil de operar. Voltou oito meses mais tarde e forçou o regresso à seleção.

Mais tarde, em 2019, falou ao Guardian sobre o terrível período em que o seu irmão morreu e a mãe foi diagnosticada com cancro. «Dizia a mim própria para olhar para a coragem da minha mãe. Ela estava sempre a sorrir. Mesmo quando já não tinha cabelo. Para uma mulher é muito difícil não ter cabelo nem pestanas – deixamos de nos sentir mulheres. O cancro destrói tudo.», referiu.

16
JUSTINE LEROND (getty)

JUSTINE LEROND

Data de Nascimento: 29.02.2000

Posição: Guarda-redes

Clube: Metz

Surpresa de última hora, Lerond nunca tinha jogado pelas bleues quando foi incluída na convocatória para o Europeu, substituindo Solène Durand, que sofreu uma lesão do ligamento cruzado. Uma vez que a França disputa os seus jogos em Rotherham, ela não estará propriamente ao lado de Liverpool, onde joga a sua equipa favorita (e o seu guarda-redes favorito, Alisson Becker), mas ela pode tentar ir até lá se tiver oportunidade.

Lerond fez parte da seleção sub-19 que venceu o Europeu em 2019, ao lado de jogadoras como Malard, Bacha e Baltimore. Quando anunciou a sua presença na lista, a selecionadora Corinne Diacre justificou: «Ela é a guarda-redes titular da seleção sub-23, portanto era lógico para nós que a Justine fosse a primeira a bater à porta da seleção principal.»

17
SANDY BALTIMORE (getty)

SANDY BALTIMORE

Data de Nascimento: 19.02.2000

Posição: Avançada

Clube: Paris Saint-Germain

Em abril deste ano, a sua altercação no treino com Kheira Hamraoui lembrou a toda a gente que o «caso Hamraoui» ainda perdura e pode afetar a seleção no Europeu. Baltimore é muito amiga de Aminata Diallo, que foi inicialmente detida depois da agressão a Hamraoui, em novembro passado, antes de ser libertada sem qualquer acusação. Quanto ao confronto no treino, Baltimore foi alegadamente insultada por Hamraoui e as duas jogadoras quase chegaram a vias de facto. No final tiveram de ser separadas pelas companheiras de equipa e foi promovida uma reunião de crise. Após o incidente, o PSG foi eliminado nas meias-finais da Liga dos Campeões pelo Lyon, no meio de um ambiente tóxico. As suas melhores amigas na seleção são Marie-Antoinette Katoto e Kadidiatou Diani.

18
OULEYMATA SARR (getty)

OULEYMATA SARR

Data de Nascimento: 08.10.1995

Posição: Avançada

Clube: Paris FC

A história de Sarr é incomum: é a história de uma rapariga que não queria jogar com raparigas, mas foi salva por um jogador do Lyon. Nascida no norte da França, filha de pais mauritanos, a avançada cresceu em Evreux, na Normandia. Aos 13, ainda jogava ao lado de rapazes. «Estava a correr tão bem com eles que eu não queria mudar. Em vez disso, deixei de jogar futebol», contou ao Paris-Normandie. «O Mathieu Bodmer (jogador do Lyon e presidente do Evreux FC) disse-me que precisava de mim e que contava comigo no Evreux. Desde então, com as raparigas, as coisas estão a correr muito bem.»

19
GRIEDGE MBOCK (getty)

GRIEDGE MBOCK

Data de Nascimento: 26.02.1995

Posição: Defesa Central

Clube: Lyon

Para tranquilizar a sua mãe, Dominique, que tinha deixado os Camarões para continuar os estudos em França, Mobock teve de concluir a escola antes de se dedicar por completo ao futebol. Depois de um bacharelato em economia e de um diploma de gestão local, Griedge afirmou-se no Lyon e na seleção francesa. Ela vem de uma verdadeira família de futebol, e cresceu a admirar e a ver jogar o irmão mais velho, Erwan. Ele acabou a jogar na quinta divisão francesa, enquanto o irmão mais novo, Hianga'a, seguiu as pisadas de Griedge e chegou à primeira divisão com o Brest, em 2019.

20
DELPHINE CASCARINO (getty)

DELPHINE CASCARINO

Data de Nascimento: 05.02.1997

Posição: Avançada

Clube: Lyon

Pela segunda vez numa grande competição, as gémeas Cascarino estão separadas. Tal como em 2019, Delphine foi convocada, mas Estelle não. No entanto, elas já fizeram história juntas: em 2018 tornaram-se as primeiras gémeas a jogar pela seleção francesa. O engraçado é que elas não podiam ser mais diferentes como jogadoras: Delphine é uma avançada destra, enquanto Estelle é uma lateral esquerdina. Ambas começaram a jogar no Lyon, mas Estelle mudou-se depois para o PSG, enquanto Delphine ficou – e continuou a ganhar – no Lyon. Talvez esse tenha sido um fator decisivo nas suas carreiras internacionais.

21
PAULINE PEYRAUD-MAGNIN (getty)

PAULINE PEYRAUD-MAGNIN

Data de Nascimento: 17.03.1992 

Posição: Guarda-redes

Clube: Juventus (Itália)

Indiscutível primeira escolha entre os postes na seleção, Peyraud-Magnin já fez história pela França, tornando-se a primeira internacional no ativo a assumir a homossexualidade, em outubro de 2020. «Não quero esconder quem sou, é normal», disse.

Tornou-se a guarda-redes mais cara de sempre do futebol feminino quando se transferiu do Atlético Madrid para a Juventus, em 2021.

Começou a jogar futebol como avançada até que uma vez «deu uma mão» na baliza. Usa sempre alguma coisa verde sob a camisola, em tributo à alcunha do seu super-herói. «Fora de campo sou o Bruce Banner, calmo e atencioso, mas em campo transformo-me no Hulk», disse uma vez.

22
ÈVE PÉRISSET (getty)

ÈVE PÉRISSET

Data de Nascimento: 24.12.1994

Posição: Lateral Direito

Clube: Bordéus

Durante muito tempo ficou a ideia de que seria o irmão mais velho, David, a fazer títulos com o apelido Périsset no mundo do futebol. No entanto, no final da formação, ele teve dificuldades em dar o salto das reservas para a primeira equipa do Lyon. Eve, que até aí se sentava na bancada a vê-lo jogar, pegou no testemunho. O resto da carreira dela é história, com passagens de sucesso pelos dois principais clubes franceses, Lyon e PSG. No Bordéus, um clube com ambições mais modestas, acabou por definir novos objetivos -  constituir família e tornar-se agente imobiliária -, mas para já foi anunciada no Chelsea.

23
HAWA CISSOKO (getty)

HAWA CISSOKO

Data de Nascimento: 10.04.1997

Posição: Defesa Central

Clube: West Ham (Inglaterra)

Em janeiro de 2021, a franco-maliana tornou-se a primeira jogadora profissional a usar o hijab. Não em campo, mas antes de entrar no mesmo. A jogadora do West Ham decidiu começar a usar o véu muçulmano depois de um período de reflexão, quando estava com dificuldades para voltar à equipa, após lesão. Ela explicou que o hijab é mais do que um lenço, é uma atitude mental, um modo de comportamento. Ela considera que representa a sua comunidade quando o usa, e sente que isso a ajudou a desenvolver-se como pessoa. «Estou melhor de mente e de corpo. Sinto-me bem», disse à revista Onze Mondial. Seja ou não devido à mudança de abordagem, Cissoko tem sido uma força dominante na defesa do West Ham desde que regressou à equipa.

Textos originais de Théo Troude, que escreve para a France Football.

 

Maisfutebol
Alemanha: o guia 25 jun, 00:45
Bélgica: o guia 25 jun, 00:00
Áustria: o guia 24 jun, 14:13
França: o guia 24 jun, 00:00
Portugal: o guia 23 jun, 20:41
Suécia: o guia 23 jun, 00:00
Suíça: o guia 23 jun, 00:00
Polónia: a análise 11 jun 2021, 23:48
França: a análise 11 jun 2021, 13:53
Espanha: a análise 11 jun 2021, 00:00
Eslováquia: a análise 11 jun 2021, 00:00
Escócia: a análise 10 jun 2021, 22:40
Croácia: a análise 10 jun 2021, 22:39
Inglaterra: a análise 10 jun 2021, 22:39
Portugal: a análise 10 jun 2021, 22:01
Suécia: a análise 10 jun 2021, 21:14
Ucrânia: a análise 10 jun 2021, 01:20
Áustria: a análise 10 jun 2021, 01:19
Rússia: a análise 9 jun 2021, 00:11
Finlândia: a análise 9 jun 2021, 00:10
Suíça: a análise 8 jun 2021, 00:11
Turquia: a análise 8 jun 2021, 00:11
Finlândia 7 jun 2021, 00:24
Suíça 7 jun 2021, 00:23
Suécia 7 jun 2021, 00:23
Escócia 7 jun 2021, 00:23
Dinamarca 7 jun 2021, 00:23
Espanha 7 jun 2021, 00:22
Ucrânia 7 jun 2021, 00:22
Itália 7 jun 2021, 00:22
Países Baixos 7 jun 2021, 00:22
Turquia 7 jun 2021, 00:21
Bélgica 7 jun 2021, 00:21
País de Gales 7 jun 2021, 00:20
Macedónia do Norte 7 jun 2021, 00:20
Rep. Checa 7 jun 2021, 00:20
Polónia 7 jun 2021, 00:20
Áustria 7 jun 2021, 00:19
Croácia 7 jun 2021, 00:19
Hungria 7 jun 2021, 00:19
Rússia 7 jun 2021, 00:19
Alemanha 7 jun 2021, 00:18
Eslováquia 7 jun 2021, 00:18
Inglaterra 7 jun 2021, 00:18
França 7 jun 2021, 00:17
Portugal 20 mai 2021, 23:45
100 anos do Sp. Braga 18 jan 2021, 23:51