Maisfutebol

Há outro clássico como este?

1
Raul Meireles

Fenerbahçe-Galatasaray

Nota de 9,4 no Football Derbies

Senhoras e senhores: o clássico dos clássicos. Não há no mundo inteiro outro jogo com tanto barulho, tanta intensidade e tanta rivalidade. Diz o Football Derbies. Raul Meireles, que também jogou o FC Porto-Benfica e o Liverpool-Man. United, concorda. «O clássico mais intenso é sem dúvida o Fenerbahçe-Galatasaray. É o mais louco e mais barulhento.» Num país em que todos os grandes jogos são dérbis, e por isso mesmo clássicos, Raul Meireles diz é difícil ver um fanatismo semelhante. «No FC Porto-Benfica existe muita rivalidade, é verdade, mas na Turquia há pessoas que preferem passar fome só para terem dinheiro para ir à bola. Um mês antes do Fenerbahçe-Galatasaray já se fala do clássico. Quando se chega à Turquia leva-se logo uma lavagem cerebral e na semana do jogo, quer o jogador seja turco ou estrangeiro, vive-se muito intensamente aquilo. O que é normal, porque é de facto especial.»

2
Secretário

Real Madrid-Barcelona

Nota de 8,9 no Football Derbies

É o maior clássico do mundo que não é dérbi. Ou seja, à frente na tabela do Football Derbies só estão três jogos de equipas que partilham a mesma cidade: o Fenerbahçe-Galatasaray, o Boca Juniors-River Plate e o Celtic-Rangers. «Um Real Madrid-Barcelona tem mais impacto do que um Benfica-FC Porto. Vive-se de uma forma muito intensa e chega ao ponto de as pessoas acamparem dois ou três dias para conseguirem bilhetes. Há uma grande rivalidade entre os dois clubes e entre as duas cidades. Mas a animosidade num FC Porto-Benfica é maior», conta Secretário. «Num jogo em Barcelona, quando estávamos a chegar ao estádio, partiram-nos os vidros do autocarro e eu na altura fiquei perplexo. Em Portugal podia acontecer, mas pensava que ali não se chegava àquele ponto. Os espanhóis são mais comedidos do que nós. De resto, há um mediatismo enorme e durante a semana há televisões de todo o mundo em Barcelona e em Madrid. É um jogo que é notícia mundial.»

3
Chainho

Panathinaikos-Olympiakos

Nota de 8,6 no Football Derbies

Outro clássico que é um dérbi, mas é também mais do que isso: é um jogo de todo o país. Chainho jogou este Panathinaikos-Olympiakos e diz que a clivagem em relação ao Benfica-FC Porto está nos adeptos. «A festa que envolve estes jogos é muito semelhante, mas há uma grande diferença: o público está muito em cima do relvado e por isso o jogo é mais perigoso. Só para se ter uma ideia, há polícia de choque à volta do relvado, que é uma coisa nunca vista em Portugal. Aqui há mais respeito e pode levar-se a família a um clássico, mas lá não. É um jogo muito perigoso. Tem um pouco a ver com o meio social. Na Grécia as pessoas chegam a um ponto em que roçam o limite. É uma coisa cultural, eles têm uma maneira de ver os jogos diferente», sublinha. «Não se trata de paixão, porque paixão existe nos dois lados. Tem a ver sobretudo com o extremismo com que se vive o jogo. Aliás, quando a nossa equipa perde o clássico, é melhor ficar três ou quatro dias em casa. Os adeptos querem arranjar culpados e há muita tensão. As próprias televisões dos clubes incentivam à revolta dos adeptos, é incrível.»

4
Hugo Almeida

Hadjuk Split-Dínamo Zagreb

Nota de 8,4 no Football Derbies

É o segundo clássico, que não é também dérbi, com uma nota mais alta do Football Derbies, em igualdade com o Ajax-Feyenoord. Só o Real Madrid-Barcelona o ultrapassa. Hugo Almeida jogou este Hadjuk Split-Dínamo Zagreb e diz que em qualidade não tem comparação com o FC Porto-Benfica, mas que ganha naturalmente em intensidade. «Um clássico depende muito dos adeptos que cada clube tem. Alguns clubes têm adeptos mais autênticos do que outros e isso é que faz a diferença. Um Hadjuk Spli-Dínamo Zagreb é um clássico muito quentinho. O FC Porto-Benfica também o é, sim, mas na Croácia se calhar não há tanta segurança em torno do jogo como há em Portugal e por isso dá a sensação que o Hadjuk-Dínamo é mais louco», refere. «É verdade que os croatas são adeptos que fervem em pouca água e não se podem cruzar, porque se não há problemas. Mas em Portugal também só não é mais assim porque o acompanhamento da polícia é maior.»

5
Dani no Ajax

Ajax-Feyenoord

Nota de 8,4 no Football Derbies

Recebe do Football Derbies a mesma avaliação do Hadjuk-Dínamo Zabreg, o que diz muito deste clássico holandês. O português Dani jogou-o várias vezes e considera que «um Ajax-Feyenoord tem a mesma rivalidade e a mesma emoção que um Benfica-FC Porto». «A loucura dos adeptos também é idêntica. Fiquei, aliás, com um Ajax-Feyenoord na memória. Fomos jogar a Roterdão e os adeptos do Ajax e do Feyenoord combinaram encontrar-se a meio do caminho para andarem à pancada. Foi de tal maneira grave que um adepto do Ajax foi morto e era um pai de família. Aquilo teve um impacto tal que no jogo seguinte que fizemos com o Feyenoord, em casa, tínhamos nas camisolas uma mensagem contra a violência. Por aqui se nota como é a rivalidade lá. Dentro de campo também é uma loucura. Mesmo entre os jogadores.» Dani acrescenta que as diferenças são sobretudo culturais. «Cá em Portugal existe muito aquela coisa do estrangeiro chegar e ser-lhe logo dito que este o Benfica-FC Porto é especial e que temos de ganhar porque a rivalidade é muito grande. Lá não, mas apenas porque não é a cultura deles.»

6
Kenedy

PSG-Marselha

Nota de 8,3 no Football Derbies

É um dos clássicos mais escaldantes em toda a Europa. Avaliado com uma nota de 8,3 pelo site Football Derbies, encontra poucos jogos mais bem classificados. Kenedy concorda em absoluto. «Benfica-FC Porto ou PSG-Marselha são dois clássicos fervorosos, com ambientes muito difíceis à volta deles, mas considero que o Marselha-PSG é mais complicado, sobretudo quando se joga no Velodrome: os adeptos do Marselha vivem o clube de uma forma absolutamente louca, têm uma grande rivalidade com o PSG, sobretudo por causa da hostilidade em relação à capital.» O antigo lateral esquerdo, que representou o PSG em 37 jogos, diz que por cá «as pessoas aprenderam a comportar-se». «Em França as coisas continuam muito difíceis. As polícias são obrigadas a montar grandes operações de segurança e quando têm que agir, agem sem problemas», adianta.

7
Liverpool vs Sparta Praga (EPA/Lindsey Parnaby)

Manchester United-Liverpool

Nota de 8 no Football Derbies

O grande clássico de Inglaterra recolhe nota de 8 na avaliação do Football Derbies: mais do que qualquer dérbi de Londres, de Manchester ou até de Liverpool. Raul Meireles jogou-o e diz que tem duas grandes diferenças em relação ao FC Porto-Benfica: em primeiro lugar a intensidade e depois a exposição. «Em Inglaterra os clássicos são sempre jogos grandes, mas existe um respeito muito grande. Existe rivalidade, mas existe respeito. O FC Porto-Benfica, pelo fervor dos adeptos, pela forma como se vive o jogo, acho que tem mais intensidade.», começa por dizer. «Mas claro que em exposição, aí não é comparável. Um Liverpool-Manchester United é muito mais mediático, visto em todo o mundo, seguido com entusiasmo nos quatro cantos do planeta. Não podemos comparar nem o campeonato português com o inglês, nem o próprio país Portugal com Inglaterra.»

8
Há outro

Juventus-Milan

Nota de 8 no Football Derbies

É o maior clássico de Itália, mas não é o jogo mais inflamado do país: de acordo com o Football Derbies, esse título pertence ao dérbi Lazio-Roma. Paulo Futre viveu o Juventus-Milan e concorda. «Nos dérbis não se pode sair à rua na semana do jogo. Não se pode ir a um restaurante, por exemplo. Há insultos e ânimos exaltados. Num Benfica-FC Porto ou num Juventus-Milan pode sair-se segunda e terça, porque a outra equipa é de outra cidade, mas a partir de quarta também já é aconselhável ficar em casa.» O Juventus-Milan, no entanto, é mais do que um clássico do futebol italiano. «É um dos grandes clássicos mundiais. Existe uma rivalidade muito grande e é um jogo muito especial para os jogadores. É um clássico que começa a ser falado quinze dias antes de acontecer. Durante duas semanas, na cabeça dos jogadores, praticamente não existem outros jogos. Já só se pensa no clássico.» Futre garante, de resto, que não encontra grandes diferenças entre o Juventus-Milan e o Benfica-FC Porto. «A nível de pressão, da polémica, da tensão do dia a dia, vai dar exatamente ao mesmo. Geralmente são semanas em que se fala menos no balneário, em que as caras dos jogadores já mostram a tensão, os nervos estão muito sensíveis.»

9
Fernando Meira

Zenit-CSKA Moscovo

Nota de 7 no Football Derbies

É o clássico entre os grandes clássicos europeus menos bem pontuado pelo Football Derbies. Fernando Meira jogou-o com a camisola do Zenit e concorda com a avaliação do site especializado. «São clássicos completamente diferentes. É verdade que são quatro grandes equipas e que são crónicos candidatos ao título, mas o Benfica-FC Porto tem outra intensidade, outra qualidade e uma rivalidade muito maior. Os adeptos em Portugal são mais fanáticos. Claro que na Rússia também existe fanatismo e grandes claques, o Zenit tem uma claque fantástica, mas em Portugal os adeptos vivem um clássico de maneira diferente. Acho que vivem o jogo mais à flor da pele», defende a antigo internacional. «No entanto, os clássicos é que marcam as carreiras dos atletas e fazem a história dos clubes, por isso na Rússia ou em Portugal os jogadores preparam-se da mesma maneira para os clássicos: há um nível de concentração superior e há mais vontade de ganhar. Todos os jogadores querem entrar na história.»

10
Fernando Meira

Bayern Munique-Borussia Dortmund

Sem nota no Football Derbies

O jogo mais escaldante na Alemanha, para o Football Derbies, é o dér bi Borussia Dortmund-Schalke 04, com uma nota de 7,6. No entanto Fernando Meira garante que o grande clássico é do Dortmund, sim, mas com o Bayern Munique. «São as duas equipas que dominam o futebol alemão, com mais títulos e mais potencial. Mas acho que o Benfica-FC Porto é um clássico superior porque tem mais equilíbrio. O Bayern tem um ascendente significativo em relação aos adversários e isso tira alguma intensidade aos clássicos. O fanatismo em Portugal também é maior, nós temos uma relação com o futebol diferente do que acontece na Alemanha», garante. «É um fanatismo vivido mais com o coração, os adeptos vivem não só o dia do jogo mas também a semana do clássico. Mesmo os jogadores na vida privada sentem na pele a importância de um Benfica-FC Porto e o que significa vencer um clássico. Por vezes, em Portugal, é mais importante vencer o rival do que a classificação.»