Maisfutebol

Islândia: as jogadoras

1
SANDRA SIGURDARDÓTTIR - Islândia (Getty)

SANDRA SIGURDARDÓTTIR

Data de Nascimento: 02.10.1986

Posição: Guarda-redes

Clube: Valur

Uma profissional exemplar, com uma incrível longevidade e disponibilidade física. Tem mais de 300 jogos no principal escalão da Islândia, e não falha um jogo da sua equipa desde 2014. No total, soma mais de 500 jogos numa carreira que começou em 2001.

Na seleção passou muito tempo como suplente, mas nos últimos anos foi promovida à titularidade. Em 2011 teve uma experiência no estrangeiro, no Jitex, mas acabou em conflito com o emblema sueco e a FIFA deu-lhe razão. «Não posso esperar por voltar a jogar. Esta decisão tirou-me um peso dos ombros», disse então.

2
SIF ATLADÓTTIR - Islândia (Getty)

SIF ATLADÓTTIR

Data de Nascimento: 15.07.1985 (36)

Posição: Defesa Central / Lateral direito

Club: Selfoss

Nasceu na cidade alemã de Dusseldorf, onde o pai jogava então. Atli Edvaldsson jogou 70 vezes pela Islândia, e mais tarde foi selecionador, pelo que não surpreendeu ninguém o interesse de Sif no futebol.

Seguiu os passos do pai, ao assinar por um clube alemão em 2010, no caso o Saarbrücken, mas seguiu para a Suécia um ano depois. Após uma década no Kristanstad está de volta à Islândia.

Mãe de dois filhos, integra ainda a direção do sindicato de jogadores islandês.

«Quando treino, aplico-me sempre a 100 por cento, pois não tenho tempo para fazer algo pela metade. Tenho uma criança de dois anos, sou estudante a tempo inteiro e, por vezes, trabalho como personal trainer», referiu em 2017.

3
ELÍSA VIDARSDÓTTIR - Islândia (Getty)

ELÍSA VIDARSDÓTTIR

Data de Nascimento: 26.05.1991

Posição: Lateral Direito

Clube: Valur

Não terá sido fácil fazer carreira com Margrét Lára Vidarsdóttir como irmã mais velha. É que estamos a falar da recordista de golos da seleção islandesa, conhecida como a «rainha do futebol islandês». Não era fácil seguir esses passos, mas Elísa saiu-se muito bem, mesmo a lidar com títulos como: “Irmã mais nova de Margrét chamada à seleção”.

Joga habitualmente no lado direito da defesa, com um perfil muito enérgico. Jogou no Kristianstad, da Suécia, em 2014/15, e em 2021 foi campeão islandesa pelo Valur.

4
GLÓDÍS PERLA VIGGÓSDÓTTIR - Islândia (Getty)

GLÓDÍS PERLA VIGGÓSDÓTTIR

Data de Nascimento: 27.06.1995

Posição: Defesa Central

Clube: Bayern Munique (Alemanha)

Uma referência da seleção islandesa, da qual é presença regular desde 2013, ano em que fez a estreia, com 18 anos, e no qual disputou o Europeu.

Aos 14 anos já jogava na equipa principal do HK/Víkingur. Entre 2015 e 2021 não falhou um jogo pelos clubes suecos que representou nesse período: Eskilstuna United e Rosengard. Agora está no Bayern, e já foi campeã na Islândia, Suécia e Alemanha.

«Tu decides o que queres e qual o teu sonho. Podem existir sacrifícios pelo caminho, mas faz parte», refere.

Só começou a jogar com oito anos de idade, mas diz que é apaixonada pelo desporto desde então.

5
GUNNHILDUR YRSA JÓNSDÓTTIR Islândia (Getty)

GUNNHILDUR YRSA JÓNSDÓTTIR

Data de Nascimento: 28.09.1988

Posição: Médio

Clube: Orlando Pride (EUA)

Adora lançar-se para um carrinho a meio-campo, ou bloquear remates na área defensiva. A capacidade de trabalho e a determinação são altamente apreciadas pelas colegas, tal como a sua experiência: já vai em 20 temporadas de carreira.

Atualmente com a camisola de Orlando Pride, completou três edições da Liga dos Estados Unidos sem falhar um único jogo.

Foi capitã da Islândia quando Sara Gunnarsdóttir esteve ausente, devido à licença de maternidade. Não jogou futebol na Islândia, só começou quando se mudou para os Estados Unidos com mãe, quando andava no terceiro ano da escola primária. «Não entendia a língua e também não a falava, mas podia jogar futebol».

6
INGIBJÖRG SIGURDARDÓTTIR - Islândia (Getty)

INGIBJÖRG SIGURDARDÓTTIR

Data de Nascimento: 07.10.1997

Posição: Defesa Central

Clube: Vaalerenga (Noruega)

Cedo se revelou promissora, e aos 14 anos fez a estreia pelo Grindavík, antes de assinar pelo Breidablik, o que causou alvoroço na terra natal.

Por saber a qualidade que tinha, não compreendia o motivo pelo qual não era chamada às seleções jovens da Islândia, e por isso começou a treinar com rapazes, por vezes mais velhos.

Em 2017 lá fez a estreia pela seleção. Agressiva, garante que não joga sujo, mas que deixa tudo em campo. Chegou a fazer alguns jogos no principal escalão islandês de basquetebol, mas decidiu dedicar-se ao futebol pois «dava mais oportunidades de ganhar a vida».

7
SARA BJÖRK GUNNARSDÓTTIR, Islândia (Getty)

SARA BJÖRK GUNNARSDÓTTIR

Data de Nascimento: 29.09.1990

Posição: Médio

Clube: Lyon (França)

A estrela da seleção islandesa. Em 2018 e 2020 foi eleita a Personalidade Desportiva do Ano (entre homens e mulheres) pela associação de jornalistas de desporto do país.

Fez história ao tornar-se a única jogadora islandesa a marcar um golo na final da Liga dos Campeões, e venceu a prova duas vezes, com o Lyon. Também foi campeã sueca com o Rosengard e venceu a Liga alemã quatro vezes, com o Wolfsburgo.

Foi mãe em novembro de 2021, mas em março já estava de volta à competição. O noivo, Árni Vilhjálmsson, é também futebolista profissional, e representa o Rodez, da segunda divisão francesa.

No início do ano atirou-se à escolha dos estádios do Europeu, tendo em conta que a Islândia vai jogar no estádio da Academia do Manchester City, com capacidade para cinco mil espectadores: «Não sei o que vai na cabeça deles, e questiono se têm acompanhado o futebol feminino. Se tivessem, isto seria senso comum. Com o futebol feminino a explodir como tem estado… é estúpido falar do tema, pois nem sequer faz sentido.»

8
KARÓLÍNA LEA VILHJÁLMSDÓTTIR - Islândia (Getty)

KARÓLÍNA LEA VILHJÁLMSDÓTTIR

Data de Nascimento: 08.08.2001

Posição: Médio / Extremo

Clube: Bayern Munique (Alemanha)

Tem apenas 20 anos mas já foi campeã alemã, algo que conseguiu em 2021, seis meses após chegar a Munique. «É uma loucura ganhar um título assim tão nova. Tenho de adaptar-me, relativamente ao tempo de jogo, assim como a outras coisas, mas vou tentar sempre manter-me humilde e trabalhar aquilo que tenho para melhorar», disse então.

Evoluiu imenso desde que deixou o Breidablik: «Estão a tentar transformar-me numa máquina alemã», acrescentou.

É sobrinha do internacional islandês Gylfi Sigurdsson, e o pai, Vilhjálmur Kári Haraldsson, também jogou futebol. Mais recentemente foi treinador do Breidablik, em 2021, e ajudou a equipa a garantir uma presença na fase de grupos da Liga dos Campeões.

Karólína jogou no clube entre 2018 e 2022, e conquistou a “dobradinha” na primeira época.

9
Islândia (Getty) BERGLIND BJÖRG THORVALDSDÓTTIR

BERGLIND BJÖRG THORVALDSDÓTTIR

Data de Nascimento: 18.01.1992

Posição: Avançado

Clube: Brann (Noruega)

Não sabemos bem o que lhe deram de comer em criança, nem ao irmão, Gunnar Heidar Thorvaldsson, mas terá sido algo que garantiu golos.

Dez anos mais velho, Gunnar Heidar teve uma carreira de sucesso a marcar golos pela Europa, enquanto que Berglind tornou-se a melhor goleadora islandesa no estrangeiro. Os 137 golos no principal escalão da Islândia ajudam a explicar porque faz parte da seleção desde 2010.

Estudou para ser psicóloga: «O meu objetivo é trabalhar com atletas, no futuro. A mentalidade é um elemento muito importante no desporto de elite. Se já me ajudou em campo? Sim. Se algo inesperado acontece, sei como lidar com isso», referiu em 2021, ao Aftonbladet.

10
Dagny Brynjarsdottir - Islândia (Getty)

DAGNÝ BRYNJARDSDÓTTIR

Data de Nascimento: 10.08.1991

Posição: Médio

Clube: West Ham (Inglaterra)

Venceu o título islandês com o Valur, foi campeã alemã com o Bayern de Munique, e conquistou a Liga dos Estados Unidos pelos Portland Thorns, para agora jogar no clube que apoia desde pequena, o West Ham. «O meu melhor amigo era adepto do West Ham, e por isso comecei a segui-los também. Foi um sonho concretizado», disse na assinatura do contrato.

Foi mãe de um rapaz em 2018: «Antes de engravidar julgava que a vida era futebol, mas depois nasceu o meu filho e percebi que a vida é mais do que futebol. Agora é preciso que os clubes, a comunicação social e toda a gente perceba que, apesar de seres mãe, podes ser uma das melhores jogadoras do mundo e competir com as melhores.»

No Euro 2013 defrontou a Holanda com o pé partido e marcou o golo da vitória. Esteve soberba ao longo da época, no West Ham.

11
HALLBERA GUDNÝ GÍSLADÓTTIR - Islândia (Getty)

HALLBERA GUDNÝ GÍSLADÓTTIR

Data de Nascimento: 14.09.1986

Posição: Lateral Esquerdo

Clube: Kalmar (Suécia)

É a terceira jogadora com mais internacionalizações, e na bagagem tem 19 épocas de carreira. Filha de um antigo vice-presidente da federação islandesa, cumpre a terceira passagem pela Liga sueca.

Causou controvérsia no Euro 2013, disputado na Suécia, quando deixou a ideia de ter despejado o seu «peixinho da sorte» na sanita, após perder um jogo. Teve de tranquilizar os suecos e explicar que tudo não passou de uma brincadeira, e que «Sigur-win» estava vivo.

Costuma ser a DJ da equipa: DJ Razzberry.

12
TELMA ÍVARSDÓTTIR - Islândia (Getty)

TELMA ÍVARSDÓTTIR

Data de Nascimento: 30.03.1999

Posição: Guarda-redes

Clube: Breidablik 

Natural da cidade mais ocidental da Islândia, Neskaupstadur, começou a jogar como avançada, mas depois tornou-se guarda-redes e foi chamada à seleção sub-17. Nunca mais olhou para trás.

Praticou muito voleibol quando era mais nova, e acredita que isso a ajudou a evoluir como guarda-redes. «Joguei até aos 16 anos, e isso deu-me boas bases», disse ao frettabladid.is.

Na última época adquiriu experiência na Liga dos Campeões, frente a equipas como o Paris Saint-Germain e o Real Madrid, mas chega ao Europeu praticamente sem jogar pela seleção.

Até começar a integrar a seleção islandesa costumava jogar com óculos: «Disseram-me que era perigoso, mas ao início precisei de ajuda com as lentes de contacto», recorda.

13
CECILÍA RÁN RÚNARSDÓTTIR - Islândia (Getty)

CECILÍA RÁN RÚNARSDÓTTIR

Data de Nascimento: 26.07.2003

Posição: Guarda-redes

Clube: Everton (Inglaterra)

Cresceu em Mosfellbaer e começou a jogar na equipa local, Afturelding, quando era ainda muito jovem. Tinha apenas 13 anos quando fez a estreia na segunda divisão islandesa. Em 2008 assinou pelo Fylkir, e um ano depois fez a estreia no principal escalão.

Em agosto de 2021 assinou um contrato de três anos com o Everton, mas problemas com a licença de trabalho ditaram empréstimos a Örebro e Bayern de Munique.

Fraturou a mão durante a temporada, mas conseguiu chegar ao Europeu.

«Para ter sucesso no desporto é preciso ser humilde e gentil. As pessoas arrogantes não vão longe. Quero ser a minha melhor versão possível, como pessoa e como jogadora, e ver até onde isso me leva», disse ao ruv.is em 2020.

14
SELMA SÓL MAGNÚSDÓTTIR - Islândia (Getty)

SELMA SÓL MAGNÚSDÓTTIR

Data de Nascimento: 23.04.1998

Posição: Médio

Clube: Rosenborg (Noruega)

Faz parte do lote de jogadoras que emigraram mais recentemente: assinou este ano pelo Rosenborg, após impressionar ao serviço do Breidablik, na Liga dos Campeões.

Já sofreu duas lesões graves, mas regressou ainda mais forte em ambas as ocasiões.

Aponta Steven Gerrard como jogador preferido da história, até por ser adepta do Liverpool, e garante que é incapaz de mentir: «Simplesmente não consigo.»

15
ALEXANDRA JÓHANNSDÓTTIR - Islândia (Getty)

ALEXANDRA JÓHANNSDÓTTIR

Data de Nascimento: 19.03.2000

Posição: Médio

Clube: Eintracht Frankfurt (Alemanha)

Com um talento enorme, cresceu a jogar pela equipa local, Haukar, de Hafnarfjörour. Era muitas vezes comparada a Sara Björk Gunnarsdóttir, a jogadora mais internacional da Islândia. Em 2018 assinou pelo Breidablik, e dois anos depois foi recrutada pelo Eintracht Frankfurt, mas teve dificuldade em impor-se na equipa, e acabou emprestada de volta ao Breidablik, a pensar no Europeu.

Multifacetada no desporto, também praticou muita ginástica e andebol quando era mais nova.

«Para chegar longe no futebol é importante uma boa dieta e descanso. Se tivesse de dar um bom conselho às jovens futebolistas, diria que o mais importante é cumprirem todos os treinos. É importante fazer treino extra e dar sempre o máximo», referiu.

16
ELÍN METTA JENSEN, Islândia (Getty)

ELÍN METTA JENSEN

Data de Nascimento: 01.03.1995

Posição: Avançada

Clube: Valur

Joga no Valur desde os 15 anos de idade, e no momento em que este texto foi escrito já somava 127 golos em 170 jogos. A possibilidade de rumar ao estrangeiro tem sido muito falada, mas até agora preferiu ficar na Islândia e continuar a estudar.

Joga na seleção desde 2012, e diz que representar a Islândia pode ser especial por vários motivos. «Recordo que uma vez tivemos de andar a tirar neve do campo, e supostamente estávamos no início do verão. O treinador gritava à equipa para cavar. O tempo pode ser absurdo, por vezes», recorda.

17
AGLA MARÍA ALBERTSDÓTTIR - Islândia (Getty)

AGLA MARÍA ALBERTSDÓTTIR

Data de Nascimento: 05.08.1999

Posição: Extremo

Clube: Häcken (Suécia)

Marcou seis golos pelo Breidablik nas rondas de qualificação da Liga dos Campeões 2021/22, mas teve mais dificuldades na fase de grupos, até porque a equipa islandesa não marcou qualquer golo em seis jogos.

Mas a verdade é que Agla não sabe apenas marcar golos, também os serve, e foi a «rainha das assistências» da Liga do seu país em 2020 e 2021. Entre assistências e golos, participou diretamente em 57 golos em 33 jogos.

Depois disto foi contratada pelo Hacken, da Suécia: «Jogam um futebol ofensivo, subidas no terreno, e isso foi atrativo», explicou.

18
GUDRÚN ARNARDÓTTIR - Islândia (Getty)

GUDRÚN ARNARDÓTTIR

Data de Nascimento: 29.07.1995

Posição: Defesa Central

Clube: Rosengård (Suécia)

Um trunfo da seleção islandesa. Uma jogadora agressiva, que ganhou mais duelos do que qualquer outra jogadora da liga sueca em 2021, ajudando assim a sua equipa a conquistar o título. O tio, Ómar Torfason, também foi internacional islandês nos anos 80.

Gudrún nasceu na pitoresca cidade de Ísafjörour, teve uma passagem pelos Santa Clara Broncos, da Califórnia, e joga na Suécia desde 2018.

19
ÁSLAUG MUNDA GUNNLAUGSDÓTTIR - Islândia (Getty)

ÁSLAUG MUNDA GUNNLAUGSDÓTTIR

Data de Nascimento: 02.06.2001

Posição: Lateral Esquerdo

Clube: Breidablik

Lateral de cariz ofensivo, regressou de forma surpreendente à seleção, após um ano de ausência, devido a lesões e aos estudos na Universidade de Harvard, em Boston.

Regressou dos Estados Unidos para o Breidablik, depois do arranque da temporada 2022 na Islândia, mas bastaram cinco jogos para convencer o treinador, Thorsteinn Halldórsson, estava de regresso ao seu melhor.

É uma estudante brilhante, que ganhou prémios académicos, mas também uma futebolista promissora.

No Europeu deve ser alternativa a Hallbera Gísladóttir, uma jogadora mais experiente. «Vou continuar os estudos, mas o futebol estará sempre em primeiro lugar para mim», disse ao Channel 2 da Islândia.  

20
GUDNÝ ÁRNADÓTTIR - Islândia (Getty)

GUDNÝ ÁRNADÓTTIR

Data de Nascimento: 04.08.2000

Posição: Lateral Direito / Defesa Central

Clube: AC Milan (Itália)

Cresceu em Höfn, uma pequena localidade do sudeste da Islândia. Cedo se tornou evidente que tinha talento para o futebol, e quando começou a jogar no FH, em Hafnarfjörour, os pais tinham de conduzir quatro horas para a levar. Fez a estreia na equipa principal do clube em 2015, quando tinha apenas 14 anos.

Em 2018 assinou pelo Valur e sagrou-se campeã antes de sair para o AC Milan. Após uma época de empréstimo ao Nápoles está a fixar-se no norte de Itália. «Sou uma rapariga do campo, mas tenho a certeza de que me vou habituar à cidade», afirmou. «A velocidade e o passe são as minhas principais virtudes, mas há muito que posso melhorar», acrescentou.

21
ISLANDIA - SVAVA RÓS GUDMUNDSDÓTTIR (GETTY)

SVAVA RÓS GUDMUNDSDÓTTIR

Data de Nascimento: 11.11.1995

Posição: Avançada / Extremo

Clube: Brann (Noruega)

Está de regresso à Escandinávia após uma passagem pelo Bordéus que não foi bem-sucedida, já que a mudança no comando técnico da equipa francesa reduziu a sua utilização.

«Não chego ao ponto que estou grata por aquilo que vivi em França, mas saí mais forte a nível individual, tornei-me uma jogadora melhor. É sempre difícil lidar com a adversidade, com aquilo que pouco ou nada controlas, mas com sorte não voltarei a passar por algo assim», referiu ao Morgunbladid.

Encerrada a experiência francesa, assinou pelo Brann, na Noruega. «Estamos a garantir uma jogadora muito rápida, com potência, e com habilidade para desequilibrar as defesas contrárias», disse o treinador, Alexander Straus.

22
AMANDA ANDRADÓTTIR - Islândia (Getty)

AMANDA ANDRADÓTTIR

Data de Nascimento: 18.12.2003

Posição: Extremo

Clube: Kristianstad (Suécia)

Tem dupla nacionalidade, pelo que podia optar pela Noruega, mas a Islândia reagiu com rapidez e chamou-a para a seleção principal, enquanto que a federação vizinha só a tinha convocado para a seleção sub-19.

Sem medo do desconhecido, tinha apenas 15 anos quando foi jogar para a Dinamarca, para o Fortuna Hjorring. Um ano depois assinou pelo Nordsjaelland, e depois de uma passagem pelo Valerenga, da Noruega, está a representar agora o Kristianstad, da Suécia.

O pai, Andri Sighthórsson, foi futebolista profissional, e o tio, Kolbeinn Sighthórsson, marcou o golo da vitória da Islândia, frente à Inglaterra, no Euro 2016.

23
SVEINDÍS JANE JÓNSDÓTTIR Islândia (Getty)

SVEINDÍS JANE JÓNSDÓTTIR

Data de Nascimento: 05.06.2001

Posição: Extremo

Clube: Wolfsburgo (Alemanha)

Nascida e criada em Keflavík, é filha de pai islandês e mãe ganesa.

Fez a estreia pela equipa principal com apenas 14 anos de idade. Após várias épocas de sucesso no Keflavík, incluindo uma subida ao principal escalão, foi cedida ao Breidablik, onde venceu a Liga e a Bota de Ouro, em 2020.

Seguiu-se a transferência para o Wolfsburgo, e após um empréstimo ao Kristianstad, da Suécia, tem conseguido afirmar-se na potência alemã. Recentemente até renovou contrato até 2025. Com apenas 20 anos de idade defrontou o Barcelona nas meias-finais da Liga dos Campeões, na última época, e conquistou a Liga alemã.

Tem um lançamento lateral potente, mas garante que nunca o treinou: «Desde pequena que sou capaz de lançar a bola assim.»

Tem estudado à distância para ser personal trainer e adora tricotar.

 

Textos originais de Vidir Sigurdsson e Bjarni Helgason, do Morgunbladid

 

Maisfutebol
Alemanha: o guia 25 jun, 00:45
Bélgica: o guia 25 jun, 00:00
Áustria: o guia 24 jun, 14:13
França: o guia 24 jun, 00:00
Portugal: o guia 23 jun, 20:41
Suécia: o guia 23 jun, 00:00
Suíça: o guia 23 jun, 00:00
Polónia: a análise 11 jun 2021, 23:48
França: a análise 11 jun 2021, 13:53
Espanha: a análise 11 jun 2021, 00:00
Eslováquia: a análise 11 jun 2021, 00:00
Escócia: a análise 10 jun 2021, 22:40
Croácia: a análise 10 jun 2021, 22:39
Inglaterra: a análise 10 jun 2021, 22:39
Portugal: a análise 10 jun 2021, 22:01
Suécia: a análise 10 jun 2021, 21:14
Ucrânia: a análise 10 jun 2021, 01:20
Áustria: a análise 10 jun 2021, 01:19
Rússia: a análise 9 jun 2021, 00:11
Finlândia: a análise 9 jun 2021, 00:10
Suíça: a análise 8 jun 2021, 00:11
Turquia: a análise 8 jun 2021, 00:11
Finlândia 7 jun 2021, 00:24
Suíça 7 jun 2021, 00:23
Suécia 7 jun 2021, 00:23
Escócia 7 jun 2021, 00:23
Dinamarca 7 jun 2021, 00:23
Espanha 7 jun 2021, 00:22
Ucrânia 7 jun 2021, 00:22
Itália 7 jun 2021, 00:22
Países Baixos 7 jun 2021, 00:22
Turquia 7 jun 2021, 00:21
Bélgica 7 jun 2021, 00:21
País de Gales 7 jun 2021, 00:20
Macedónia do Norte 7 jun 2021, 00:20
Rep. Checa 7 jun 2021, 00:20
Polónia 7 jun 2021, 00:20
Áustria 7 jun 2021, 00:19
Croácia 7 jun 2021, 00:19
Hungria 7 jun 2021, 00:19
Rússia 7 jun 2021, 00:19
Alemanha 7 jun 2021, 00:18
Eslováquia 7 jun 2021, 00:18
Inglaterra 7 jun 2021, 00:18
França 7 jun 2021, 00:17
Portugal 20 mai 2021, 23:45
100 anos do Sp. Braga 18 jan 2021, 23:51