Maisfutebol

Inglaterra: as jogadoras

1
Mary Earps (GETTY)

MARY EARPS

Data de Nascimento: 07.03.1993 (29)

Posição: Guarda-redes

Clube: Manchester United

Licenciada em Gestão de Informação, na Universidade de Loughborough, discute com Ellie Roebuck a titularidade na baliza inglesa.

Natural de Nottingham, passou parte do confinamento a atualizar o conhecimento em empreendedorismo e a ler sobre economia internacional. Aprendeu alemão durante a época 2018/19, na qual esteve ao serviço do Wolfsburgo. «Jogar no estrangeiro ensinou-me a ser eu própria, a discordar, a dizer que não», refere.

Apesar da carreira académica e da dedicação ao treino, as colegas de equipa conhecem bem a queda de Earp para as brincadeiras criativas.

Peaky Blinders e Friends estão entre as séries favoritas.

2
Lucy Bronze (GETTY)

LUCY BRONZE

Data de Nascimento: 28.10.1991

Posição: Lateral Direito

Clube: Manchester City

Passou parte da infância na remota e ventosa Holy Island, a “Ilha Sagrada” de Lindisfarne, a norte da costa de Northumberland. Nasceu em Berwick-upon-Tweed, a cidade mais a norte de Inglaterra, mesmo junto à fronteira com a Escócia. Filha de mãe inglesa e pai português (Joaquim Bronze), podia escolher entre três países para representar.

Considerada a melhor lateral direito do mundo, Bronze jogou com rapazes até aos 11 anos, no Alnwick Town, e mais tarde foi estudante universitária nos Estados Unidos, e jogou pelos North Carolina Tar Heels, sob o comando do conceituado Anson Dorrance. Bronze diz que esse período nos Estados Unidos ensinou-lhe que «é normal uma rapariga querer ser competitiva e querer ganhar».

Agora está na segunda passagem pelo Manchester City, depois de um interregno de sucesso no Lyon, mas passou a primeira metade da época a recuperar da quinta operação aos joelhos.

3
Rachel Daly, Inglaterra (GETTY)

RACHEL DALY

Data de Nascimento: 06.12.1991

Posição: Lateral direito / Médio / Avançada

Club: Houston Dash (EUA)

Quando orientou a seleção feminina de Inglaterra, Phil Neville chegou a dizer que Rachel era parecida com ele. Isto a propósito da polivalência de Daly, que pode jogar a lateral direito, extremo ou avançada. Na seleção tem jogado sobretudo no lado direito da defesa, mas essa versatilidade torna-a muito valiosa.

Começou a jogar nos Killinghall Nomads, uma equipa de uma localidade nos arredores de Harrogate, na qual era a única rapariga. Adepta do Leeds, cruzou o Oceano Atlântico quando ganhou uma bolsa de estudo para ingressar na Universidade de St. John, em Nova Iorque. Começou a construir vida no Texas, depois disso, e recentemente começou também a jogar golfe nos tempos livres.

4
Keira Walsh, Inglaterra (GETTY)

KEIRA WALSH

Data de Nascimento: 08.04.1997

Posição: Médio

Clube: Manchester City

Já em criança era tão obcecada pelo Manchester City que batizou dois peixes com o nome de avançados de então do emblema inglês: Shaun Goater e Nicolas Anelka.

Ao perceber a aptidão da filha para o desporto-rei, o pai de Keira começou a treiná-la todas as noites, durante duas horas, num terreno junto à casa da família. Para além disso, Keira passou horas a ver vídeos para estudar o posicionamento de médios do City, sobretudo David Silva e Yaya Touré.

Entrou para a academia do Blackburn como lateral esquerdo a jogar com o pé direito, mas surgiu no City como médio tecnicamente influente e com talento para o passe. Nick Cushing, antigo treinador do Man City, chegou a dizer que Walsh era a jogadora mais inteligente taticamente que tinha orientado.

Virou costas ao interesse de Lyon e Atlético de Madrid para continuar nos «citizens».

5
Alex Greenwood, Inglaterra (GETTY)

ALEX GREENWOOD

Data de Nascimento: 07.09.1993

Posição: Defesa Central / Lateral esquerdo

Clube: Manchester City

Nascida em Liverpool, Greenwood é companheira de longa data de Jack O’Connel, central do Sheffield United, e reconhece (alegremente) que passam muito tempo a ver, analisar e a falar de futebol.

Costumava jogar como lateral, mas nos últimos tempos fixou-se como central pela esquerda. A elegante segurança com a bola ficou bem patente na época em que conquistou quatro títulos pelo Lyon, e tem sido providencial para a forma de jogar implementada por Sarina Wiegman.

Fora do campo gosta de cozinhar, passar tempo na casa de férias que tem no Dubai, e ir comprar roupa com Ellie Roebuck, amiga e colega de equipa no Man City e na seleção inglesa.

6
Millie Bright (GETTY)

MILLIE BRIGHT

Data de Nascimento: 21.08.1993

Posição: Defesa Central

Clube: Chelsea

Tinha apenas dois anos de idade quando subiu para um cavalo pela primeira vez, e passou grande parte da infância a sonhar com uma carreira em concursos de saltos. A integração na equipa dos Killamarsh Dynamos, em Derbyshire, começou a convertê-la ao futebol, mas na adolescência conciliava o futebol semiprofissional com o tempo dedicado a cuidar dos cavalos e como cavaleira profissional de “dressage”. A família tem vários cavalos, em Sheffield, mas os compromissos com o Chelsea e com a seleção inglesa impedem que Millie participe em provas de equitação, algo a que tenciona dedicar-se quando pendurar as chuteiras.

Bright é uma jogadora com tendência para marcar grandes golos, e o espírito combativo foi herdado do avô, Arthur, que era mineiro. «Ele costumava dizer-me: se for uma bola de 50/50, certifica-te de que sais do lance com ela», revelou.

Sarina Wiegman fez dela vice-capitã.

7
Beth Mead  (GETTY)

BETH MEAD

Data de Nascimento: 09.05.1995

Posição: Extremo / Avançada

Clube: Arsenal

Começou por jogar nas California Girls, equipa sediada em Middlesbrough, e posteriormente conciliou a mudança para o Sunderland com as aulas de desporto na Universidade de Teesside.

Eleita Jogadora Jovem do Ano na Liga inglesa, em 2016, chegou ao Arsenal como goleadora, mas depois passou a jogar mais na ala ou como segunda avançada, após a contratação de Vivianne Miedema.

Agora a viver em St. Albans, é vista frequentemente a passear o cão, Rona, que foi buscar durante o confinamento, e cujo nome é inspirado precisamente no coronavírus.

Perante a desilusão de ter sido excluída da equipa britânica que participou nos Jogos Olímpicos de 2021, tem algo a provar neste Europeu.

8
Leah Williamson, Inglaterra (GETTY)

LEAH WILLIAMSON

Data de Nascimento: 29.03.1997

Posição: Defesa Central / Médio

Clube: Arsenal

Quando os problemas físicos de Steph Houghton obrigaram a escolher uma nova capitã para a seleção inglesa, a escolha tornou-se óbvia.

Jonas Eidevall, treinador do Arsenal, chegou a dizer que construía as equipas à volta de Williamson, pela sua qualidade com a bola nos pés, capacidade atlética e versatilidade posicional. Sarina Wiegman pegou nas capacidades de liderança de Williamson para galvanizar a seleção inglesa, na qual joga habitualmente no “duplo pivot” de meio-campo.

Criada em Milton Keynes, onde a mãe jogou futebol, Leah cresceu numa família de fanáticos do Arsenal e integrou o centro de excelência dos “gunners” aos 9 anos de idade.

Embora tenha ensaiado uma carreira alternativa no atletismo – era uma excelente atleta de “cross country” -, Williamson nunca se afastou dos campos de futebol.

Muito do tempo livre é utilizado para estudar Contabilidade, área em que pretende trabalhar quando pendurar as chuteiras.

9
Ellen White (GETTY)

ELLEN WHITE

Data de Nascimento: 09.05.1989

Posição: Avançada

Clube: Manchester City

Recordista de golos da seleção inglesa e membro do “clube das 100 ou + internacionalizações”. Cada vez que marca – o que acontece com frequência -, celebra a fazer uns óculos com as mãos. Um festejo inspirado em Anthony Modeste, em jeito de tributo ao avançado do Colónia.

Ellen cresceu como adepta do West Ham, mas ela e o marido (Callum Convery, que conheceu no curso de Ciências do Desporto e trabalha na associação de futebol de Derbyshire) são fãs da Bundesliga, e encantaram-se pelo Colónia e por Modeste durante uma das viagens habituais à Alemanha.

Recentemente o casal também decidiu patrocinar a equipa feminina do Oldham Athletic. É a terceira jogadora da hierarquia de capitãs da seleção inglesa.

Textos originais de Louise Taylor, que escreve para o jornal «The Guardian».

10
Georgia Stanway (GETTY)

GEORGIA STANWAY

Data de Nascimento: 03.01.1999

Position: Médio / Avançada

Clube: Manchester City

Cresceu numa família de adeptos do Newcastle, que tinha Alan Shearer como ídolo, e marcou vários golos de fazer inveja ao antigo internacional inglês.

Eleita Jovem Jogadora de 2019, é natural de Barrow, e “desliga” do futebol com viagens regulares às origens. «É tão bonito. É onde me sinto em paz», descreve.

Começou a jogar na frente de ataque, mas com o tempo recuou para o meio-campo, revelando técnica apurada e capacidade goleadora.

Uma onda de lesões no Manchester City fez com que, a dada altura, jogasse no lado direito da defesa, e uma vez até foi guarda-redes suplente.

É a melhor marcadora de sempre da equipa feminina do Manchester City.

11
Lauren Hemp (GETTY)

LAUREN HEMP

Data de Nascimento: 07.08.2000

Posição: Extremo / Avançado

Clube: Manchester City

Venceu o prémio de Melhor Jogadora Jovem da Liga inglesa em 2018, 2019 e 2020. Há dois anos foi incluída entre as dez jogadoras mais promissoras do futebol europeu.

No meio de tudo isto podia deixar que os elogios subissem à cabeça, mas Ellen White, colega de equipa no Manchester City, diz que Lauren é das jogadoras mais humildes que já conheceu.

«A Lauren não tem noção da qualidade que tem», diz, por outro lado, o treinador do City, Gareth Taylor.

Hemp tinha 16 anos quando saiu de casa para jogar no Bristol City, e desde 2018 que está no Manchester City.

«Não há muitas jogadoras que me façam levantar do lugar, mas a Lauren é uma delas. Quando tem a bola, faz as coisas acontecerem. Finta com tanta rapidez que é letal», diz Kelly Smith, antiga goleadora da seleção inglesa.

12
Jess Carter, Inglaterra (GETTY)

JESS CARTER

Data de Nascimento: 27.10.1997

Posição: Lateral Esquerdo

Clube: Chelsea

Versatilidade: pode jogar em ambas as laterais, como ala, central, ou até no meio-campo. Natural de Warwick, cresceu a praticar vários desportos, como corfebol, “rounders” (desporto idêntico a beisebol ou cricket) ou râguebi, nos Worcester Warriors. «Era melhor no râguebi do que no futebol, mas aos 16 anos tive de optar», recorda.

O futebol levou a melhor, e Carter tinha 16 anos quando assinou pelo Birmingham, clube pelo qual defrontou o Arsenal nos quartos de final da Liga dos Campeões, ocasião em que foi eleita a figura do encontro. Foi também no Birmingham que conheceu a sua companheira, a alemã Ann-Katrin Berger, com quem partilha agora o balneário no Chelsea.

Carter adora viajar, e está a planear visitas ao Havai e Filipinas.

13
Hannah Hampton, Inglaterra (GETTY)

HANNAH HAMPTON

Data de Nascimento: 16.11.2000

Posição: Guarda-redes

Clube: Aston Villa

Nasceu com um estrabismo tão acentuado que, aos três anos de idade, já tinha sido operada três vezes no hospital de Birmingham, que agora ajuda no papel de embaixadora. Aos cinco anos os pais, professores, trocaram Watrwickshire por Espanha, e Hannah foi rapidamente recrutada pela academia do Villarreal (como avançada). Ainda hoje fala castelhano fluentemente (assim como francês), até porque visita muitas vezes ao país onde cresceu.

A verdade é que, ao voltar a viver em Inglaterra, “reinventou-se” como guarda-redes na academia do Stoke. Chegaram a dizer-lhe que nunca seria futebolista profissional, por causa dos problemas de visão, mas conseguiu contrariar os cépticos.

14
Frank Kirby, Inglaterra (GETTY)

FRAN KIRBY

Data de Nascimento: 29.06.1993

Posição: Médio / Avançada

Clube: Chelsea

Mark Sampson, antigo selecionador inglês, chegou a chamar-lhe «mini Messi», depois de Kirby ter apontado o golo da vitória sobre o México (2-1), no Mundial 2015. Sete anos depois, a jogadora do Chelsea continua a ser uma das figuras mais influentes da seleção inglesa, agora orientada por Sarina Wiegman. Fran é um talento raro, que ultrapassou várias adversidades. Perdeu a mãe, Denise, quando tinha apenas 14 anos, devido a uma hemorragia cerebral, e durante anos enfrentou uma grave depressão. Em 2019 foi diagnosticada com pericardite, uma inflamação do coração, devido a um vírus (que não a covid-19). No passado mês de abril foi diagnosticada com um problema de fadiga.

15
Demi Stokes, Inglaterra (GETTY)

DEMI STOKES

Data de Nascimento: 12.12.1991

Posição: Lateral Esquerdo

Clube: Manchester City

Faz parte de um núcleo de jogadoras mais experientes que iniciaram a carreira no Sunderland. Demi nasceu em Stokes, mas ainda bebé foi viver para South Shields. Foi capitã de uma equipa de rapazes, e mais tarde foi para os Estados Unidos, com uma bolsa que lhe abriu as portas da Universidade da Flórida do Sul. Teve também uma passagem pelo Canadá, onde representou os Vancouver Whitecaps.

Não tem carta de condução, pelo que é comum causar espanto nas ruas de Manchester quando anda de transportes públicos.

Uma das jogadoras preferidas dos adeptos do Manchester City, não se cansa de ver vídeos do brasileiro Daniel Alves, do Barcelona.

16
Jill Scott, Inglaterra (GETTY)

JILL SCOTT

Data de Nascimento: 02.02.1987

Posição: Médio

Clube: Aston Villa (por empréstimo do Manchester City)

Como atleta do Sunderland Harrier chegou a ser coroada campeã sub-13 de “cross country” do norte de Inglaterra, mas as longas pernas acabaram nos relvados de futebol.

Agraciada com a Ordem do Império Britânico em 2020, é uma jogadora que leva humor para o balneário. Integra o restrito lote de jogadoras que já atingiu as 150 internacionalizações. Phil Neville, antigo selecionador, chegou a dizer que esperava que Jill jogasse até aos 40 anos de idade, mas a jogadora já está a acautelar o futuro a longo prazo, conciliando o futebol com o café que abriu em Manchester, juntamente com a companheira, Shelly Unitt.

17
Nikita Parris  (GETTY)

NIKITA PARRIS

Data de Nascimento: 10.03.1994

Posição: Avançada

Clube: Arsenal

Bom controlo de bola, capacidade de drible, visão de jogo, mudança de ritmo, verticalidade e ética no trabalho. Para além disso ainda se destaca a pregar partidas.

Uma jogadora que tem a mente tão rápida quanto os pés, e que no Mundial de 2019 colocou sal no chá do selecionador, Phil Neville.

Cresceu na zona de Liverpool, e aos 11 anos de idade formou a sua própria equipa feminina.

Formada em desporto, jogou no Everton e no Manchester City antes de passar dois anos com o Lyon, sendo que na última época fez 19 golos em 28 jogos.

Nikita cresceu a idolatrar Thierry e Julie Fleeting, antiga estrela da equipa feminina do Arsenal, pelo que a mudança para os «gunners», em 2021, foi vista como uma inevitabilidade do destino.

18
Chloe Kelly  (GETTY)

CHLOE KELLY

Data de Nascimento: 15.01.1998

Posição: Avançada

Clube: Manchester City

É a mais nova de sete irmãos, incluindo cinco rapazes e um conjunto de trigémeos. Cresceu em Ealing, na zona oriental de Londres, a aprimorar os atributos em campos de gravilha.

A forma incisiva com que procura o golo, o ritmo acutilante, o drible audaz e o controlo de bola permitem que jogue confortavelmente em qualquer posição da frente de ataque. Os incríveis golos de longe são uma especialidade, mas Kelly está nas nuvens, acima de tudo, por voltar a um campo de futebol. Após dar cabo do ligamento cruzado, em maio do ano passado, enfrentou longos e lentos meses de recuperação, até conseguir voltar à competição, no passado mês de abril.

19
Bethany England (GETTY)

BETHANY ENGLAND

Data de Nascimento: 03.06.1994

Posição: Avançada

Clube: Chelsea

Seria uma figura indiscutível na maioria das equipas da Liga inglesa, mas no Chelsea tem de competir por um lugar com Sam Kerr, Pernille Harder e Frank Kirby, entre outras, pelo que nem sempre tem os minutos que certamente desejaria.

A companheira, Stephanie Williams, é jogadora do Oxford United, e Bethany está a estudar Direito.

Natural de Barnsley, Bethany chegou a jogar com a irmã gémea, Laura, na academia do Sheffield United.

No Europeu espera recuperar a forma pré-pandemia, tendo em conta que marcou 21 golos em 24 jogos, na época 2019/20, e acabou distinguida como Jogadora do Ano da Liga inglesa.

20
Ella Toone, Inglaterra (GETTY)

ELLA TOONE

Data de Nascimento: 02.09.1999

Posição: Avançada

Clube: Manchester United

Gosta tanto de fabricar golos quanto marcá-los, pelo que aparece invariavelmente no topo do ranking de assistências da Liga inglesa.

A movimentação e a capacidade de furar as defesas adversárias através do passe fazem com que encaixe na perfeição no Manchester United de Marc Skinner.

Adepta dos «red devils» desde sempre, ainda passou pelo rival City antes de chegar a Old Trafford. Em abril deste ano tornou-se a primeira jogadora a chegar aos 100 jogos pelo Manchester United, que só formou equipa feminina em 2018.

Agora inspira-se muito em Bruno Fernandes, mas quando era pequena, e jogava no jardim de casa, fingia ser Cristiano Ronaldo.

21
Ellie Roebuck, Inglaterra (GETTY)

ELLIE ROEBUCK

Data de Nascimento: 23.09.1999

Posição: Guarda-redes

Clube: Manchester City

Os dias de escola tornaram-se mais ricos quando os pais de Ellie começaram a acolher crianças, às quais ela adorava mostrar a arte de ser guarda-redes. Roebuck diz também que isso ajudou-a a abrir os olhos para «vidas menos privilegiadas».

Adepta do Sheffield United, gosta de relaxar enquanto passeia os cães, e conserva a reputação de andar sempre na moda: «Sou obcecada pela Zara, mas quem não é?».

Ellie procura recuperar a titularidade na seleção inglesa, depois de ter perdido a primeira metade da última época devido a lesão. Jogadora de campo razoável, impressiona pelo jogo de pés, e tem beneficiado dos treinos com o brasileiro Ederson, no centro de treinos do Manchester City.

22
Lotte Wubben-Moy, Inglaterra (GETTY)

LOTTE WUBBEN-MOY

Data de Nascimento: 11.01.1999 (age 23)

Posição: Defesa Central

Clube: Arsenal

Elegância com a bola nos pés. Pertence a uma família artística: o pai, holandês, é designer de mobiliário; a mãe, inglesa, é estilista; e a irmã é designer gráfica.

Começou a jogar nas ruas de Bow, na zona leste de Londres, mas depois de frequentar uma academia anglo-europeia, em Essex, foi para os Estados Unidos com uma bolsa, e jogou pelos North Carolina Tar Heels.

Evoluiu sob o comando do conceituado Anson Dorrance e depois voltou para o Arsenal, clube que já tinha representado anteriormente.

«Dreams», da banda Fleetwood Mac, é a sua canção preferida.

23
Alessia Russo  (GETTY)

ALESSIA RUSSO

Data de Nascimento: 08.02.1999 

Posição: Avançada

Clube: Manchester United

Assinou o «hat-trick» mais rápido de uma jogadora inglesa, ao precisar de apenas 11 minutos para fazer três golos na demolidora vitória sobre a Letónia, por 20-0, no passado mês de novembro. E era apenas a segunda internacionalização de Alessia.

Tal como Sarina Wiegman, Lucy Bronze e Lottie Wubben-Moy, jogou pelos North Carolina Tar Heels enquanto estudava nos Estados Unidos com uma bolsa.

É descendente de italianos: o avô, siciliano, emigrou para Inglaterra nos anos 50 do século passado. Embora tenha crescido em Maidstone, a sudeste de Londres, Alessia herdou a paixão familiar pelo Manchester United. É uma avançada possante, forte no ar e excelente a segurar jogo na frente.

Formada na academia do Charlton, passou por Chelsea e Brighton antes da transferência «surreal» para o Manchester United. O pai, Mario, chegou a jogar pela equipa de futebol da Polícia Metropolitana.

 

Textos originais de Louise Taylor, the Guardian

Maisfutebol
Uruguai: o guia 11 nov, 18:42
Gana: o guia 11 nov, 15:09
Brasil: o guia 10 nov, 21:39
Qatar: o guia 7 nov, 10:43
Alemanha: o guia 25 jun, 00:45
Bélgica: o guia 25 jun, 00:00
Áustria: o guia 24 jun, 14:13
França: o guia 24 jun, 00:00
Portugal: o guia 23 jun, 20:41
Suécia: o guia 23 jun, 00:00
Suíça: o guia 23 jun, 00:00
Polónia: a análise 11 jun 2021, 23:48
França: a análise 11 jun 2021, 13:53
Eslováquia: a análise 11 jun 2021, 00:00
Espanha: a análise 11 jun 2021, 00:00
Escócia: a análise 10 jun 2021, 22:40
Croácia: a análise 10 jun 2021, 22:39
Inglaterra: a análise 10 jun 2021, 22:39
Portugal: a análise 10 jun 2021, 22:01
Suécia: a análise 10 jun 2021, 21:14
Ucrânia: a análise 10 jun 2021, 01:20
Áustria: a análise 10 jun 2021, 01:19
Rússia: a análise 9 jun 2021, 00:11
Finlândia: a análise 9 jun 2021, 00:10
Suíça: a análise 8 jun 2021, 00:11
Turquia: a análise 8 jun 2021, 00:11
Finlândia 7 jun 2021, 00:24
Suíça 7 jun 2021, 00:23
Suécia 7 jun 2021, 00:23
Escócia 7 jun 2021, 00:23
Dinamarca 7 jun 2021, 00:23
Espanha 7 jun 2021, 00:22
Ucrânia 7 jun 2021, 00:22
Itália 7 jun 2021, 00:22
Países Baixos 7 jun 2021, 00:22
Turquia 7 jun 2021, 00:21
Bélgica 7 jun 2021, 00:21
País de Gales 7 jun 2021, 00:20
Macedónia do Norte 7 jun 2021, 00:20
Rep. Checa 7 jun 2021, 00:20
Polónia 7 jun 2021, 00:20
Áustria 7 jun 2021, 00:19
Croácia 7 jun 2021, 00:19
Hungria 7 jun 2021, 00:19
Rússia 7 jun 2021, 00:19
Alemanha 7 jun 2021, 00:18
Eslováquia 7 jun 2021, 00:18
Inglaterra 7 jun 2021, 00:18
França 7 jun 2021, 00:17
Portugal 20 mai 2021, 23:45
100 anos do Sp. Braga 18 jan 2021, 23:51