O cuidado não terá sido descurado por Quique Flores, que, aliás, necessita apenas de olhar para as contas do Estrela em casa (neste caso, basta em termos estatísticos) para ver que o adversário raramente desperdiça pontos. Foi no Estádio José Gomes que conseguiu 70 por cento dos 27 pontos conquistados até ao momento, ou seja, 19.

Outras contas se juntam a estas, desta feita, bem mais difíceis para os anfitriões. Há sete meses que não recebem ordenado e há uma semana que não treinavam em função disso. Uma conjuntura que, todavia, o Benfica não entende como fraqueza, pelo contrário. Será um bom dia para animar as bilheteiras, melhor ainda para brilhar no relvado e, quem sabe, garantir novos contratos para a próxima época. O técnico espanhol acredita que o Estrela vai apresentar-se como uma equipa que nada tem a perder, luxo a que os encarnados não podem dar-se.

O F.C. Porto continua firme no topo (agora com oito pontos de avanço) a sete jornadas do fim do campeonato, o Sporting defronta o Leixões no Mar com um ponto de vantagem sobre os encarnados, a pressão aumenta a cada ronda e o anúncio de novas lesões está longe de contribuir para a serenidade que o momento exige. Depois de Suazo, o terceiro melhor marcador do Benfica, dizer adeus à época na final da Taça da Liga, Luisão lesionou-se ao serviço da selecção brasileira e Reyes, que estava recuperado, ressentiu-se de lesão no último treino de preparação para o jogo com o Estrela. Logo o espanhol, que sempre que ficou de fora o Benfica não ganhou: aconteceu em Vila do Conde, na Luz frente ao Nacional e na Trofa. Pelo meio há vários internacionais desgastados pelas viagens e pelo esforço despendido, ainda que o treinador esteja optimista quanto à recuperação anímica e emocional do grupo.

Vidigal de um lado, Sidnei do outro

Relativamente ao último jogo do campeonato, no Restelo, frente ao Belenenses, Lázaro pode regressar ao 4x4x2 de modo a encaixar-se no esquema dos visitantes, prescindido de Vítor Moreno no meio-campo, para a entrada de Goianira, mais defensivo, além de Fernando Alexandre, Celestino e Jardel no miolo. Já Tengarrinha, em dúvida, deve ser rendido por Vidigal no eixo da defesa. Se o treinador do Estrela optar pelo 4x3x3, como aconteceu frente ao Belenenses, Goianira fica no banco.

Sem Luisão, Suazo e Reyes, habituais titulares, são inevitáveis as alterações, sobretudo na defesa e no meio-campo. Sidnei, apesar de ter sido relegado para o banco de suplentes, afigura-se como a opção mais viável para fazer dupla com Miguel Vítor no eixo, já que Jorge Ribeiro não deve desviar David Luiz da esquerda. Aimar encostado à lateral, face à ausência do espanhol, pode ser mais do agrado do treinador que a entrada directa de Di María. Yebda deve juntar-se a Katsouranis no meio-campo, ficando Ruben Amorim na direita. Na frente, Nuno Gomes e Cardozo.

Equipas prováveis:

E. AMADORA

Nelson; Hugo Gomes, Nuno André Coelho, Vidigal e Ney Santos; Celestino, Fernando Alexandre, Marcelo Goianira e Jardel; Anselmo e Varela

BENFICA

Moreira; Maxi Pereira, Sidnei, Miguel Vítor e David Luiz; Ruben Amorim, Katsouranis, Yebda e Aimar; Nuno Gomes e Cardozo