O tribunal superior de justiça da Galiza informou que a juíza Zulema Gento entendeu que o dinheiro em causa é «um bem necessário» para que o clube possa continuar a sua atividade». A decisão foi tomada depois de ouvir as finanças bem como o administrador de insolvência do clube galego.