O México venceu este domingo a Gold Cup ao derrotar os EUA por 1-0 na final da competição.

No jogo realizado em Chicago, EUA, a seleção da casa entrou melhor e teve uma excelente oportunidade para marcar logo aos cinco minutos, por Pulisic, e uma ainda melhor aos oito, por Altidore, sendo que o primeiro foi contrariado por Ochoa e o segundo atirou ao lado.

Um remate de Guardado, por cima da barra, aos 16 minutos, foi a única aparição mexicana na primeira parte, que teve mais uma ocasião para os Estados Unidos, desperdiçada por Arriola, aos 31.

Após o intervalo, a primeira oportunidade ainda foi dos locais, num cabeceamento de Morris que Guardado, também de cabeça tirou sobre a linha, aos 51 minutos.

A partir daí, o México começou a controlar cada vez melhor o encontro, sempre com bola, e começou a somar sucessivas ameaças, nomeadamente em três ações do ex-benfiquista Raúl Jiménez (51, 63 e 67 minutos) e outras tantas de Guardado (55, 57 e 58).

Aos 73 minutos, Jonathan dos Santos, de pé esquerdo, servido pelo calcanhar de Raúl Jiménez, fez o golo que deu a vantagem aos mexicanos.

Na parte final, já mais em desespero, os Estados Unidos ainda tentaram forçar o prolongamento, mas o México defendeu-se bem, com Ochoa sempre muito atento.

 
 

Diego Reyes, ex-jogador do FC Porto, foi suplente no México e entrou aos 89 minutos para o lugar de Andrés Guardado.

Esta foi a oitava vez que a seleção do México venceu a competição. A formação comandada pelo argentino Tata Martino repetiu os títulos de 1993, 1996, 1998, 2003, 2009, 2011 e 2015, passando a contar mais dois do que os Estados Unidos.