«Mudou muita coisa, só o facto de poder voltar à competição, mesmo que a Suíça, falando futebolisticamente, tenha um nível mais baixo, foi bom para mim. Já tive a oportunidade de fazer dois jogos com eles e fiz dois golos de falta. A nível emocional e de motivação já vale muita coisa», começou por destacar no Aeroporto de Lisboa.

O jogador lamentou ter chegado ao Benfica lesionado e, sobretudo, a falta de compreensão de quem o contratou que, segundo garante, estava a par da sua débil condição física. «O que faltou foi um pouco de compreensão. Quem me contratou já sabia que eu estava com uma lesão, fui transparente com todo o mundo, até me criticaram por ter sido transparente, mas não acho que tenha feito algo de errado nisso. Já que me compraram pelo preço que compraram também deviam saber que havia a possibilidade de não jogar em seis meses», destacou.

Everson já está praticamente recuperado e quer voltar, no início da próxima temporada, para mostrar que tem valor para ficar na Luz, até porque tem contrato até 2008. «Fisicamente não tem como estar pior do que estava aqui no Benfica. Depois das férias vou-me apresentar aqui e, depois, só depende do Benfica. Quero ficar no Benfica porque tive a oportunidade de vir para este clube e não quero ser lembrado como uma das piores contratações do clube. Para nenhum jogador isso é bom», referiu.

O jogador contratado pelo Benfica ao Nice, ainda com Trapattoni no comando, começou a época na equipa B e diz que nunca chegou a falar com Koeman. «Acho que o senhor Koeman nem conhece o meu nome. Nunca me viu jogar, o único contacto foi um jogo que fizemos quando estava na equipa B. Empatámos 1-1 com a equipa principal, fizemos um treino muito bom, mas foi só isso. O que fizeram comigo e outros jogadores, com o Paulo Almeida e o Cristiano, foi determinado sem o conhecimento do treinador e isso não é normal», comentou.