O autarca confirmou os intentos do internacional português e assumiu a atribuição um parecer positivo à ideia. «É muito interessante porque visa a formação dos jovens e, além disso, tem associado o nome de alguém que, além de ser poveiro, é uma referência no desporto nacional e internacional», reconheceu Macedo Vieira.

Washigton Alves, pai e um dos representantes de Bruno, assegurou à Lusa que os detalhes do projecto serão fornecidos «mais tarde». Segundo as informações conhecidas, a academia terá três campos de futebol, dois relvados e um sintético, e as infra-estruturas de apoio necessárias a camadas jovens, numa área com dois hectares.

O sub-capitão do F.C.Porto tem um ano para apresentar concretamente o projecto à câmara poveira.