O matador argentino parece reencontrado com o prazer dos golos e está apostado numa ponta final demolidora, à imagem do último ano, para assegurar o título. Marcou três golos nos últimos dois jogos e já é o segundo melhor marcador da equipa, a seguir ao compatriota Lucho González.

A confirmar a conquista do títulos, será o quarto campeonato consecutivo para os dragões e o quarto para Lisandro López, que nunca deixou de vencer desde que chegou a Portugal.

O argentino tem, mesmo assim, realizado uma época abaixo das expectativas em termos de golos, dizem os adeptos, analisa a imprensa. O goleador está tranquilo, sempre o assumiu.

Ponto assente: todos concordam que ninguém lhe pode apontar o dedo quanto à sua importância para os sucessos recentes do clube. Em 2008-2009 contam-se sete assistências com selo de golo, por exemplo.

Quanto a furar redes, Licha fê-lo por 14 vezes esta temporada: seis para a Liga dos Campeões, oito para o campeonato. Só para a Liga, portanto, o avançado teve participação determinante em quinze golos do campeão nacional.

Fazendo contas às estatísticas do jogador argentino, verificamos que o saldo oficial no campeonato português assinala 47 golos. Faltam três para a meia centena. Um marco sempre especial. Pode acontecer a qualquer altura.

Um hat-trick para a história?

Voltando ao inicio. Marítimo, Nacional, Trofense e Braga. Os candidatos mais fortes a sofrer o quinquagésimo golo de Lisandro López na liga nacional. É certo que a equipa de Carvalhal leva alguma vantagem na situação. Com 47 tentos na contagem, Lisandro precisaria de marcar um hat-trick nos Barreiros para selar a marca redonda da meia centena.

Ora, colocar a bola nas redes por três vezes em apenas 90 minutos nunca foi coisa que Lisandro conseguisse na sua carreira.

Bis são muitos, 17 mais concretamente, só no F.C. Porto, claro, entre campeonato e Liga dos Campeões, mas o terceiro tento não aparece. Pelo menos até agora ainda não apareceu.

O resumo de uma atracção fatal pelas balizas

Lisandro estreou-se a marcar pelo F.C. Porto no Torneio de Amesterdão, na derrota frente ao Arsenal (1-2), na pré-temporada de 2005. A nível oficial, as contas que aqui escamoteamos, Lichagol fez o primeiro golo de azul e branco no empate com o Marítimo, na sexta jornada da liga (2 de Outubro 2005).

Pouco mais de um mês depois, Lisandro fez o primeiro bis em Portugal. Foi contra a Académica, na goleada por 5-1, em que o compatriota e amigo Lucho também marcou por duas vezes.

O 25º golo apareceu na época de sonho do goleador, 2007-2008, em que foi o melhor marcador do campeonato. A vítima foi o V. Setúbal, no jogo da 11ª jornada, em que os dragões venceram por 2-0. Já a meia centena de Licha, a nível global, o que inclui todas as provas oficiais, foi atingida esta época.

O Estádio do Dragão teve a honra de assistir in loco aos festejos de El matador, com dedicatória incluída a todos os que apoiaram. O adversário foi o Vitória de Guimarães, à oitava jornada (2-0).

Desde então, o avançado argentino marcou mais dez golos e soma 60 de dragão ao peito, no total. Ao rival Benfica, Lisandro marcou quatro golos. Ao Sporting, dois. A vítima favorita do argentino é mesmo o P. Ferreira, ao qual marcou seis golos, seguido do Leixões (5).

Nas próximas semanas, algum dos adversários já citados poderá ter lugar na história pessoal de Lisandro López, que, ainda antes de chegar a Portugal, afirmou ser capaz de «morrer em campo» pela camisola. Não mentiu. Os números ajudam a comprovar.