Fábio Coentrão foi o convidado semanal da entrevista Maisfutebol/Rádio Clube. O esquerdino do Rio Ave aborda a deslocação de sábado a Alvalade e dá a sua opinião sobre o descalabro dos leões em Munique. «Entraram tristes e desanimados», diz o jogador de 21 anos.

É para repetir a grande actuação que fez há três anos em Alvalade?

Quero fazer um grande jogo, ajudar o Rio Ave e vencer. Isso é o mais importante. É sempre um jogo especial, mas vou encará-lo como encaro todos os outros. Não me posso esquecer da situação difícil em que está o Rio Ave na classificação. Cada partida é como uma final.

O que aconteceu em Munique ao Sporting pode jogar a favor ou contra o Rio Ave?

Pode jogar contra nós. O Sporting vai querer demonstrar que aquilo que se passou em Munique não passou de um acidente. Teremos de contrariar isso, naturalmente.

Não acredita que o Sporting entre pressionado e com medo de voltar a errar?

Acredito que entrem um pouco nervosos, sim, mas o plantel deles tem muita experiência. Vão conseguir dar a volta por cima.

Em sua opinião, o que se passou com o Sporting na Alemanha?

Eles tinham perdido em casa por cinco a zero e os jogadores entraram em campo desanimados e tristes. Sabiam que era impossível dar a volta à eliminatória e isso condicionou-os. Mas o Sporting é um emblema muito grande e não é por perder 7-1 que vai deixar de ser o que é. Já joguei em Espanha e toda a gente conhece o Sporting.

Já passou por alguma situação parecida na sua carreira?

Não, felizmente não. Não deve ser fácil para um jogador sofrer goleadas daquelas. É complicado.

O Rio Ave tem plantel para garantir a manutenção na Liga?

Temos um plantel fantástico, uma direcção que se esforça e cumpre com os seus compromissos. Um clube como o Rio Ave merece ficar na primeira divisão.