[Foi uma entrada muito forte em campo…]

Sim. Era um dos objetivos, sabendo que chegávamos aqui com uma envolvência diferente [100 anos do Estádio de São Luís]. Jogar aqui é muito difícil e sabíamos que tínhamos de entrar muito fortes. Foi o que fizemos. Nos primeiros 20 minutos, podíamos estar a ganhar por mais, mas, mesmo assim, tivemos uma primeira parte muito forte.

Na segunda, sabíamos que, com o desenrolar do jogo, o Farense ia ser muito mais agressivo na pressão e que os espaços seriam diferentes.

O penálti deu o golo, mas nós conseguimos reagir muito bem e alcançámos a vitória, mesmo depois da adversidade e de termos o jogo controlado.

Mantivemo-nos fiéis ao nosso jogo e, aproveitando estar em superioridade numérica, usámos os espaços com tranquilidade e serenidade e chegámos à frente do marcador.

Marcámos perto dos 90m, numa jogada em que a equipa se conseguiu envolver e conseguimos aqui uma vitória com uma excelente exibição.

Acho que foi o melhor jogo que fizemos desde que estou aqui. A Vitória é inteiramente merecida e os meus jogadores estão de parabéns.

[Esta é uma vitória importante em termos anímicos depois de duas derrotas consecutivas?]

Sim. Normalmente, olha-se muito para isso, mas, enquanto treinador, eu olho para o processo. Mesmo nos dois jogos que perdemos, a equipa esteve muito bem. Em Moreira, estivemos muito bem e, contra o FC Porto, acho que é unânime que o resultado é injusto pelo que fizemos.

Eu foco-me mais no rendimento e a equipa mostrou crescimento.