«Estou a ter oportunidades, tenho jogado e feito golos. Trabalho para isso, para dar o melhor de mim e marcar golos. Todos os jogadores querem jogar o máximo e eu também», afirmou o número 19 na «super-flash» desta quarta-feira.

Como Ernesto, o seu compatriota e amigo Mariano González tem-se dado melhor com a plateia do Dragão nos últimos tempos. Farías bate na mesma tecla para justificar a melhoria. «O Mariano tem estado bem, pode ser um exemplo. Quando lhe toca a jogar tem estado muito bem. Não tendo continuidade é difícil para qualquer jogador. Às vezes depende muito de como está o jogo. [Sendo suplente], por vezes entramos bem, outras menos bem. Para todos os jogadores é mais difícil entrar durante o jogo, mas tentamos sempre fazer o melhor», garantiu o ponta-de-lança.

O jogo com o Vitória de Guimarães no D.Afonso Henriques é o compromisso que se segue. Farías não encara a partida com subtileza. «Não vai ser um jogo fácil, vai ser uma partida difícil, mas o Porto só pensa em si mesmo e se estivermos bem e fizermos as coisas bem vai ser um bom jogo e conseguiremos ganhar. Temos feito bons jogos na liga e queremos continuar a somar pontos.»

Falando em pontos, dá a sensação que o Porto soltou mais o seu futebol depois de alargar a vantagem na Liga. Ernesto Farías concorda. «A tranquilidade [da vantagem de quatro pontos] tem dado mais rendimento à equipa. Queremos manter e se possível aumentar essa vantagem, para dependermos só de nós.»

O facto de os Dragões trabalharem toda a semana condicionados pelas ausências de vários titulares nas selecções nacionais não é motivo de abrandamento no clube. «O Porto está habituado desde sempre a ter vários jogadores nas selecções. A maioria é internacional. O treinador vai trabalhando com os que estão e preparando da melhor forma o jogo de sábado. Quem vem para o Porto tem que se adaptar a isso [fazer constantes viagens]. Também por isso [qualidade dos jogadores internacionais] é que o Porto tem ganho tantos títulos nos últimos anos», constata El Tecla.

O avançado assume, contudo, que as chamadas às selecções são mais cansativas para os sul-americanos. «Para os argentinos, como para os uruguaios, é muito desgastante, as viagens são longas. O Lucho tem que ir a La Paz hoje, voltar à Argentina e de lá viajar para Portugal. É muito desgastante chegar e jogar logo a seguir, mas temos que ver em que condições chega.»

«Portugal tem bons avançados»

Tendo por profissão marcar golos, perguntou-se a Farías pelas falhas de Portugal na hora de finalizar. Tecla elogia a equipa das Quinas e confia no reencontro com as redes por parte dos jogadores lusos. «Todas as equipas passam por situações em que até jogam bem mas não conseguem marcar golos. Acontece. Portugal tem bons avançados e vai passar esta fase rapidamente, por certo. É uma grande selecção», concluiu o número 19 dos dragões.